Carreira

Como fazer um discurso poderoso

Antes de Margaret Thatcher tornar-se primeira-ministra do Reino Unido, ela passou por um extenso treinamento de voz projetado para fazê-la parecer mais poderosa. O treinador fez três coisas: levantou o tom, manteve um passo firme e ajudou a variar o volume de sua voz enquanto falava.

Um estudo publicado na revista “Psychological Science” por professores das universidades San Diego State e Columbia Business School sugere que Thatcher talvez não precisasse ter passado por tudo isso. Só imaginar que você está em uma posição de poder pode resultar em modulações de voz que farão com que outros acreditem que você é realmente poderoso.

“Manipulações sutis de energia, como simplesmente pensar em um momento em que você tinha poder pode dar uma voz mais dinâmica de quem está no controle”, diz Adam Galinsky, professor na divisão de gestão na Universidade de Columbia.

Para testar sua teoria, os pesquisadores reuniram um grupo de 161 estudantes de graduação da Universidade Northwestern e registraram a leitura de uma passagem para que pudessem medir os seus padrões de fala naturais. Em seguida, eles distribuíram aleatoriamente os alunos em dois grupos, um que chamaram de “alto escalão”, ou poderoso, e outro, de “baixo grau”. Eles disseram que aqueles no grupo de alto escalão teriam de imaginar cenários nos quais eles eram poderosos. Os pesquisadores disseram o grupo de baixo grau que eles tinham de imaginar cenários nos quais eles eram pessoas diminuídas profissionalmente, por exemplo.

Em seguida, os pesquisadores registraram os alunos dizendo o seguinte: “Eu estou contente que conseguimos nos encontrar hoje e estou ansioso para a nossa negociação. Eu sei que você e eu temos perspectivas diferentes sobre algumas das questões-chave e essas diferenças precisam ser resolvidas para que possamos chegar a um acordo”.

Depois de ouvirem todas as gravações, os pesquisadores perceberam que as vozes dos estudantes que se imaginaram poderosos estavam mais altas, menos monótonas, com menos variações de entonação, mas com variações de volume (assim como Margaret Thatcher).

Topo