Carreira

7 entre 10 trabalhadores se demitiriam por trabalhos mais flexíveis

iStock

iStock

O que funcionários valorizam em um trabalho pode não ser o que você espera. Pelo menos 70% dos funcionários deixariam sua posição atual por acordos de trabalho mais flexíveis em outros lugares, incluindo a chance de trabalhar em casa com mais frequência, de acordo com uma nova pesquisa da Softchoice, empresa de consultoria de Teconologia da Informação.

LEIA TAMBÉM: Equilíbrio entre vida pessoal e profissional é prioridade para jovens em países emergentes

“Nós descobrimos que a maioria das pessoas valoriza muito a liberdade de customizar seu dia de trabalho – ser capaz de fazer pausas, marcar compromissos ou buscar os filhos na escola e adequar o horário de trabalho a isso”, disse David MacDonald, presidente e CEO da Softchoice, em comunicado. “Empresas que permitem esse tipo de flexibilidade se tornaram lugares muito desejados para trabalhar”.

DICAS: 8 regras imbecis em escritórios capazes de deixar todo mundo louco

Na verdade, 62% dos funcionários pensam que são mais produtivos quando trabalham fora do escritório, de acordo com a pesquisa. Além disso, 61% deles preferem quebrar as 8h de trabalho ao longo do dia.

Isso pode ser outro exemplo da dificuldade em alcançar equilíbrio entre vida pessoal e profissional. Cerca de 45% dos funcionários sentem que não têm tempo suficiente para atividades pessoais, de acordo a uma pesquisa dos sites WorkplaceTrends.com e CarrerArc. Três quartos dos funcionários ouvidos na pesquisa colocaram flexibilidade de local de trabalho como principal benefício.

E MAIS: Tratar funcionários como membros da família pode ser o segredo do sucesso de qualquer empresa

Equilíbrio entre vida pessoal e profissional foi, na verdade, a maior razão citada por funcionários quando eles disseram que queriam opções de trabalho mais flexíveis, de acordo com uma pesquisa do FlexJobs. Em seguida, foram citados saúde e exercícios físicos, razões familiares, economia de tempo, redução de estresse e redução de custos.

Comentários
Topo