Carreira

13 conselhos profissionais tirados de “13 Reasons Why”

13 Reasons Why

Série “13 Reasons Why” transmite alguns ensinamentos que podem ser aplicados no ambiente de trabalho (Divulgação/Netflix)

A série “13 Reasons Why”, uma produção da Netflix, colocou em foco o suicídio e a depressão adolescente, trazendo à tona o debate público sobre o tema. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é comum encontrar tendências a desordens mentais na faixa entre 10 e 19 anos, e 80% dos casos de depressão entre adultos começam a se manifestar na adolescência.

LEIA MAIS: 7 características que podem ajudar a reconhecer um psicopata corporativo

Apesar de retratar uma história de bullying entre jovens, também é possível extrair da trama aprendizados sobre trajetória profissional. O coaching e consultor Luciano Salamacha aproveitou alguns pontos levantados pela obra para traçar um paralelo com a carreira.

Confira 13 lições de “13 Reasons Why” para a trajetória profisisional:

  • 1- Cuidado com a autovitimização

    Muitas pessoas aceitam e até gostam de se colocar na posição de vítima. O funcionário coloca na cabeça, por exemplo, que deve se sacrificar. Mas, muitas vezes, a empresa nem está pedindo isso. Essa é a maneira que ele encontrou de se sentir importante. No seriado, a personagem Hannah Baker se coloca no papel de um vítima que cometeu suicídio.

  • 2 – Tome cuidado com as decisões

    Muitos profissionais jovens têm a sensação de que qualquer erro pode ser revertido – isso é chamado de efeito videogame. O sentimento é mais ou menos assim: se eu “morrer”, basta resetar o jogo e começar tudo de novo.

  • 3 – Seja fiel aos seus valores pessoais

    A série aborda o Efeito Werther, do sociólogo David Philips. Essa teoria prega que a divulgação do suicídio e a histeria acabam provocando uma espécie de epidemia, ou seja, o número de casos tende a aumentar. No ambiente profissional, os funcionários devem aprender a ter fidelidade aos seus valores pessoais, e não se deixar se contaminar pelos outros.

  • 4 – Cuidado com pessoas manipuladoras

    A personagem Hannah Baker se mostra um tanto quanto manipuladora ao deixar fitas sobre o “processo” que a levou ao suicídio. No âmbito profissional, é necessário tomar cuidado com pessoas que tentam controlar e arquitetar situações.

  • 5 – Não jogue com a vida dos outros

    Não tenha comportamentos que levem seus colegas de trabalho a executarem ações de acordo com a sua vontade. Isso pode interferir gravemente na carreira – e no futuro – profissional deles.

  • 6 – Não tire conclusões precipitadas

    Muitas vezes, a ânsia de tomar decisões faz o profissional se precipitar. E esse ânsia decorre, na maioria dos casos, da vontade de se mostrar competente.

  • 7 – Tome cuidado ao fazer um julgamento que leve em conta um conhecimento parcial dos fatos

    É necessário cautela e tempo para tomar decisões dentro de uma empresa, e analisar o contexto e os fatos de todos os ângulos para garantir a melhor escolha.

  • 8 – Aceite feedbacks

    Na série, algumas pessoas tentam ajudar Hannah, mas ela não está aberta a nenhum tipo de apoio. É importante manter uma insatisfação constante, de forma a estar sempre aberto a conselhos e contribuições de outras pessoas.

  • 9 – Respeite o espaço do outro

    Algumas pessoas acabam se desgastando na empresa por tentar se envolver em áreas que não são de sua alçada. Portanto, só se meta se for chamado.

  • 10 – Dê feedbacks para aqueles que estão dispostos a ouvir

    Muitos profissionais não estão dispostos a ouvir uma avaliação dos parceiros de trabalho, e isso pode ser desgastante para os relacionamentos. Caso sinta isso ao abordar alguém, é melhor não insistir.

  • 11 – Não seja o herói

    Alguns funcionários sentem que o peso de todas as decisões e ações são de sua responsabilidade – quando na maioria das vezes não é isso que acontece. Essa sensação acaba despertando um sentimento de herói.

  • 12 – Tenha opinião própria

    Ser influenciável e apenas seguir as decisões e ordens dos outros – mesmo que elas não façam sentido para você – não é uma boa ideia.

  • 13 – Foque em solucionar problemas – e não em acusar

    Dentro da dinâmica de uma empresa, muitos problemas vão surgir. É comum que tentem achar o culpado por trás do erro, mas é muito melhor achar uma solução do que apontar o dedo.

1- Cuidado com a autovitimização

Muitas pessoas aceitam e até gostam de se colocar na posição de vítima. O funcionário coloca na cabeça, por exemplo, que deve se sacrificar. Mas, muitas vezes, a empresa nem está pedindo isso. Essa é a maneira que ele encontrou de se sentir importante. No seriado, a personagem Hannah Baker se coloca no papel de um vítima que cometeu suicídio.

Comentários
Topo