Carreira

5 dicas para ter uma formação integrada com o mercado de trabalho

Ao saírem da faculdade para enfrentar o mercado de trabalho, os jovens se deparam com exigências profissionais cada vez mais complexas antes mesmo de conseguirem as vagas. Isso significa que um currículo com as características certas pode ser essencial para esse próximo passo na carreira. Os candidatos precisam, ao longo de sua formação, se cercar de artifícios que serão úteis na hora de dar início a suas trajetórias profissionais.

LEIA TAMBÉM: 10 melhores universidades do mundo

Toda experiência vivida durante os anos de universidade pode ser essencial para enfrentar uma concorrência cada vez mais preparada. De pequenos projetos até um envolvimento com uma empresa júnior, por exemplo, são participações que certamente serão benéficas no futuro.

Andrei Golfeto, presidente da Brasil Júnior (confederação brasileira das empresas juniores) afirma que é essencial diminuir a distância entre o aprendizado na universidade e o dia a dia da profissão.

Veja 5 dicas do especialista para ter uma formação integrada com o mercado de trabalho:

  • 1. Envolver-se com a faculdade

    Segundo Golfeto, quanto mais o aluno se envolver com a faculdade melhor. Seja participando de diferentes projetos, entidades ou de coletivos, estas são experiências extremamente enriquecedoras. No centro acadêmico, na atlética, na bateria da faculdade ou em projetos beneficentes, o aluno sairá mais responsável – o que pode abrir outras portas dentro e fora da graduação. As faculdades também costumam oferecer oportunidades de participação em feiras, reuniões, iniciação científica, projetos e intercâmbios que se transformarão em um grande diferencial desde o início do curs. Golfeto aconselha que elas sejam aproveitadas desde o começo. “Estudantes do primeiro ano tem energia para gastar, o ideal é que eles se envolvam na maior quantidade de atividades possível.”

  • 2. Saber onde quer chegar

    De acordo com o especialista, é essencial que o jovem tenha autoconhecimento. Definir suas preferências, conhecer suas habilidades, saber onde se quer chegar e estabelecer um plano para alcançar o que imaginou são atitudes que fazem a pessoa escolher melhor em que projetos, cursos ou eventos vai se envolver e quais vai dispensar.

  • 3. Ter foco

    Estar focado nos objetivos e na formação em si são ações essenciais para não perder oportunidades. Este foco facilitará também a consolidação dos conteúdos aprendidos em sala de aula e estimulará, por exemplo, o estudo de outras referências. “Muitas vezes eu não estudava tanto quanto meus colegas, mas por ter lido algo diferente do que havia sido passado em sala eu tirava notas mais altas. A questão não é a quantidade do estudo, mas a qualidade”, afirma Golfeto.

  • 4. Ser curioso

    “O aluno precisa ser curioso, pró-ativo e ir em busca das informações”, afirma o especialista. Segundo ele, as tecnologias atuais oferecem ferramentas mais do que suficientes para que as pessoas se informem sobre tudo. Sites de notícias, vídeos de profissionais conceituados disponíveis gratuitamente e artigos científicos, entre uma infinidade de conhecimento, podem ser acessados a qualquer momento e praticamente de qualquer lugar. A proatividade durante a formação pode se tornar um grande diferencial se bem aplicada.

  • 5. Atualizar-se

    Segundo Golfeto, a atualização constante é crucial no mercado de trabalho. Ler muito, saber o que está acontecendo no mundo por meio da exploração das mais diversas plataformas e conhecer certas novidades específicas da área escolhida vão fazer diferença na conversa com outros profissionais. “Isso pode poupar o iniciante de muitas gafes, prejudiciais para sua imagem”, diz. Ter propriedade do que se fala e sobre o que se faz é uma forma sólida de se destacar no mercado.

1. Envolver-se com a faculdade

Segundo Golfeto, quanto mais o aluno se envolver com a faculdade melhor. Seja participando de diferentes projetos, entidades ou de coletivos, estas são experiências extremamente enriquecedoras. No centro acadêmico, na atlética, na bateria da faculdade ou em projetos beneficentes, o aluno sairá mais responsável – o que pode abrir outras portas dentro e fora da graduação. As faculdades também costumam oferecer oportunidades de participação em feiras, reuniões, iniciação científica, projetos e intercâmbios que se transformarão em um grande diferencial desde o início do curs. Golfeto aconselha que elas sejam aproveitadas desde o começo. “Estudantes do primeiro ano tem energia para gastar, o ideal é que eles se envolvam na maior quantidade de atividades possível.”

Comentários
Topo