Carreira

5 dicas para transformar um segundo emprego em um negócio bem-sucedido

Alex Pollak começou a trabalhar como paramédico em Nova York em 1998, como um segundo emprego enquanto cursava seu MBA em finanças. Ele foi um dos principais atendentes durante os ataques ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001.

VEJA TAMBÉM: 4 distrações que você precisa evitar se quiser ser bem-sucedido

Ainda que fosse extremamente apaixonado pelo trabalho de ajudar as pessoas enquanto exercia sua atividade de paramédico, ele nunca viu isso como uma carreira de tempo integral – até que encontrou uma chance que mudou a sua cabeça. Pollak conheceu uma mulher no metrô que estava procurando um fornecedor de serviços médicos de última hora para um desfile de moda, e ele agarrou a oportunidade.

Logo, Pollak percebeu que havia uma demanda não atendida por serviços médicos durante grandes eventos, como festivais de música, desfiles de moda, campeonatos esportivos e festas privadas de celebridades. Em 2011, deixou sua carreira nas finanças e lançou a ParaDocs Worldwide Inc., que lhe ofereceu uma série de experiências únicas, como montar mini hospitais em grandes eventos musicais, filmagens da MTV e até casamentos de celebridades em South Hampton com sobremesas cobertas de ouro.

Desde então, a ParaDocs cresceu o suficiente para oferecer serviços médicos para aproximadamente 3 mil eventos por ano e empregar cerca de 1,6 mil pessoas, incluindo 100 médicos – e está perto de atingir US$ 4 milhões em receita em 2017. Mas não foi sempre uma jornada fácil.

Veja, na galeria de fotos, 5 dicas de Pollak para transformar um trabalho secundário em um negócio bem-sucedido:

  • Dedique algum tempo extra
    Pollak diz que teve de assumir alguns turnos extras para cobrir os custos de equipamentos como os desfibriladores. “Financiar meu próprio negócio foi a parte mais difícil, e eu tive de dedicar muito tempo extra”, conta.

  • Reúna o time certo
    Além das qualificações, Pollak explica que procura por candidatos “que sorriam o tempo inteiro durante a entrevista”. Frequentemente, seus funcionários estão ajudando alguém com um machucado no pé ou segurando o cabelo de alguém que está passando mal e, por isso, é importante que o staff seja muito amigável, explica.

  • Corra riscos
    Em determinado momento, foi exigido que Pollack contratasse um seguro por negligência de US$ 10 milhões para um grande evento. Foi um grande risco financeiro. Ele estimou que teria que executar três grandes eventos para pagar a apólice, mas a empresa havia participado de apenas dois naquele ano. No entanto, ele programou mais para o ano seguinte, e o seguro acabou sendo fundamental para a assinatura de novos contratos.

  • Pense grande
    A ParaDocs assinou recentemente um contrato para oferecer todos os cuidados médicos para a arena Nassau Coliseum, em Nova York. Em vez de focar em eventos esporádicos, Pollak identificou que seus serviços eram necessários no longo prazo – e fez com que isso acontecesse.

  • Não construa apenas uma empresa, construa uma família
    Pollak diz que suas maiores conquistas incluem “construir uma família” por meio de seu negócio e “salvar vidas”. Já que a maioria dos funcionários está frequentemente na estrada, muitos vivem juntos. “Nós encontramos uma casa com uma garagem muito grande para armazenar nosso equipamento médico, e muitos de nós nos mudamos para lá”, conta. Com oito funcionários dividindo casa, é quase como um dormitório. Ele diz que o suporte emocional extra e a amizade entre os funcionários é particularmente importante por causa do contexto da tarefa que executam. “Nosso trabalho é divertido, mas pode se tornar assustador muito rapidamente”, diz, explicando que um paciente pode estar conversando com você ou cantando e, de repente, ter uma piora. “O suporte emocional é enorme”, diz Pollak.

Dedique algum tempo extra
Pollak diz que teve de assumir alguns turnos extras para cobrir os custos de equipamentos como os desfibriladores. “Financiar meu próprio negócio foi a parte mais difícil, e eu tive de dedicar muito tempo extra”, conta.

Comentários
Topo