Carreira

Por que a jornada de trabalho de 8 horas não funciona

A jornada de trabalho de oito horas é uma abordagem antiga e ineficiente. Para alcançar um nível maior de produtividade, é preciso abrir mão desse método obsoleto e encontrar um novo.

VEJA MAIS: 5 maneiras de ser mais feliz no trabalho

Esse modelo foi criado durante a revolução industrial com o objetivo de diminuir o número de horas de trabalho manual que os funcionários eram obrigados a cumprir nas fábricas. Essa ruptura significava uma abordagem mais humana ao trabalho há 200 anos, mas tem pouca relevância para nós atualmente.

Um estudo recente, conduzido pelo Draugiem Group, usou um programa de computador para monitorar os hábitos de trabalho de funcionários. A ferramenta mediu especificamente quanto tempo as pessoas gastaram em várias tarefas e comparou esses dados aos seus níveis de produtividade.

Durante sua execução, o levantamento se deparou com uma descoberta: a duração do dia de trabalho não importa muito – o que faz diferença é como as pessoas estruturam o tempo. Em particular, as pessoas que fazem pausas curtas regularmente são muito mais produtivas do que aquelas que trabalham sem interrupção por períodos mais longos.

A proporção ideal entre trabalho e intervalo encontrada pelo estudo foi de 52 minutos de trabalho seguidos de 17 minutos de descanso. As pessoas que mantêm esse cronograma têm um nível único de foco no trabalho. Por quase uma hora por etapa, elas estavam 100% dedicadas à tarefa que precisavam completar, sem checar o Facebook “rapidamente” ou se distrair com emails. Quando elas ficam cansadas, fazem intervalos rápidos, durante os quais se distanciam completamente do trabalho. Isso as ajuda a encarar a próxima fase renovadas.

LEIA: 8 hábitos diários de pessoas bem-sucedidas que a maioria ignora

As pessoas que descobriram essa proporção mágica de produtividade arrasam sua concorrência porque entendem uma necessidade fundamental da mente humana: o cérebro funciona naturalmente em impulsos de alta energia (de quase uma hora) seguidos de impulsos de baixa energia (de entre 15 e 20 minutos).

Essa diminuição e esse fluxo de energia naturais faz com que a maior parte das pessoas varie entre períodos de muito foco seguidos de períodos muito menos produtivos, quando se cansam e sucumbem a distrações.

A melhor maneira de combater a exaustão e distrações frustrantes é planejar o seu dia de trabalho. Em vez trabalhar por uma hora ou mais e depois tentar lutar contra as distrações e o cansaço, quando a sua produtividade começar a cair, use isso como um sinal de que é hora de um intervalo.

Paradas reais são mais fáceis de fazer quando você sabe que elas vão tornar o seu dia mais produtivo. Nós frequentemente deixamos o cansaço ganhar porque continuamos a trabalhar apesar dele (muito depois de termos perdido nossa energia e foco), e os intervalos que tiramos não são reais (checar seu e-mail e assistir a vídeos no YouTube não o recarrega da mesma maneira que uma rápida caminhada).

E MAIS: Os extravagantes hábitos de 22 líderes bem-sucedidos

A jornada de trabalho de oito horas pode funcionar se você quebrar seu tempo em intervalos estratégicos. Uma vez que você alinhar a sua energia natural com o seu esforço, as coisas começam a acontecer muito mais suavemente.

Veja, na galeria de fotos, 4 dicas que o ajudarão a entrar no ritmo perfeito:

  • Quebre seu dia em intervalos de hora em hora
    Nós planejamos o que precisamos alcançar até o fim do dia, da semana ou do mês, mas somos muito mais eficientes quando focamos no que podemos conquistar agora. Além de o colocar no ritmo certo, um planejamento do seu dia com intervalos de hora em hora simplifica tarefas assustadoras ao quebrá-las em pedaços factíveis. Se você quiser ser literal, pode planejar seu dia em torno de intervalos de 52 minutos, mas uma hora já é suficiente.

  • Respeite a sua hora
    A estratégia de intervalos só funciona porque nós usamos nossos níveis de energia no pico para alcançar um grau de foco extremamente alto por um período de tempo relativamente baixo. Quando você desrespeita a sua hora ao enviar mensagens, mandar emails ou dar uma rápida checada no Facebook, você ameaça todo o propósito da abordagem.

  • Descanse de verdade
    No estudo do Draugiem, descobriu-se que funcionários que faziam pausas de hora em hora eram mais produtivos do que os que não descansavam. Da mesma maneira, aqueles que deliberadamente faziam intervalos de relaxamento eram melhores do que aqueles que, quando “descansavam”, tinham problema em se desconectar do trabalho. Sair de perto do computador, do celular e da lista de tarefas é essencial para impulsionar a produtividade. Intervalos preenchidos com caminhadas, leitura e conversa são maneiras mais efetivas de recarregar porque afastam a pessoa do trabalho. Em um dia ocupado, pode ser tentador pensar em realizar tarefas como lidar com emails ou fazer ligações telefônicas como pausas, mas elas não são, então recuse essa linha de pensamento.

  • Não espere seu corpo avisar que precisa de um intervalo
    Se você esperar até se sentir cansado para fazer uma pausa, é tarde demais – você já perdeu a janela de pico da produtividade. Manter seu cronograma garante que você trabalhe quando está mais produtivo e que descanse durante períodos em que seria improdutivo. Lembre-se: é muito mais produtivo descansar por períodos curtos do que continuar a trabalhar quando você está cansado e distraído.

Quebre seu dia em intervalos de hora em hora
Nós planejamos o que precisamos alcançar até o fim do dia, da semana ou do mês, mas somos muito mais eficientes quando focamos no que podemos conquistar agora. Além de o colocar no ritmo certo, um planejamento do seu dia com intervalos de hora em hora simplifica tarefas assustadoras ao quebrá-las em pedaços factíveis. Se você quiser ser literal, pode planejar seu dia em torno de intervalos de 52 minutos, mas uma hora já é suficiente.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Comentários
Topo