4 sinais de que você precisa dispensar um cliente

Trabalhar como freelancer é viver sobre uma trave de equilíbrio. Por um lado, você quer tantos clientes quanto puder, porque, afinal, o dinheiro é necessário para comer, pagar contas e ter momentos de lazer. Por outro lado, alguns contratantes, ao longo do caminho, causam tanto estresse e consomem tanto do seu tempo que você pode se questionar se deve continuar a prestar seus serviços para ele.

VEJA TAMBÉM: Saiba em quais circunstâncias trabalhar de graça

Sempre que um relacionamento causa falta de sono o estresse e exige muito tempo, é hora de pensar em desistir.

É claro que abandonar um cliente não é uma decisão fácil, e exige uma preocupação extra: fazer essa transição de forma que sua reputação profissional permaneça intacta.

Não importa qual seja o seu raciocínio para abrir mão de um cliente, há algumas questões que não são universais quando se trata de encerrar relacionamentos. Mas, independentemente da situação, não seja rude, não “critique” o cliente em momento algum, não seja emotivo e seja honesto sobre as razões para romper o acordo. Você é um profissional que merece respeito e clientes que cumprem os termos do que contrataram.

Acompanhe, na galeria abaixo, como sair de 4 situações em que não vale a pena manter o cliente.

  • 1. O cliente exige muito do seu tempo

    Você encontrará alguns contratantes que demandam demais. Eles querem que você esteja disponível a qualquer hora e que relate o progresso do projeto em um cronograma irracional. Isso ocorre, normalmente, por nervosismo, quando ele nunca lidou com contratos externos, ou porque, às vezes, tem uma personalidade controladora. Seja qual for o motivo, se a situação é incômoda, não deve ser mantida.

    O primeiro passo é conversar sobre o contrato que ambos assinaram. Esse acordo deve ter a descrição do serviço a ser prestado por você, os prazos e o método para relatar o progresso, incluindo a frequência. Educadamente, lembre ao contratante os termos relacionados à comunicação, relatórios de desempenho e reforce que tudo será concluído conforme acordado. Caso o cliente não mude o comportamento, você precisa considerar a rescisão (que deve constar em seu contrato também).

    Em outra conversa você pode explicar que acha que não conseguirá atender às demandas de tempo impostas por ele e que, talvez, seja necessário que ele encontre alguém que tenha mais tempo disponível.

    Para que haja uma transição suave, é de bom tom entregar ao novo contratado tudo o que você realizou até o momento – desde que tudo tenha sido pago.

    O objetivo é deixar o cliente tranquilo quanto ao prosseguimento do trabalho enquanto você sai da situação.

  • 2. O cliente é um micro gestor de tudo que você faz

    Existe microgerenciamento em todos os nichos de negócios, e você, ocasionalmente, poderá esbarrar com um contratante que trabalhe desta forma – o que contribui com muito estresse para o relacionamento, para não mencionar o fato de que consome muito tempo e energia.

    A conversa será difícil. Pode ser melhor começar com questões como: “Você pode me dizer especificamente quais são suas preocupações?”. Ou: “Há algo que estou esquecendo ou que não tenha abordado adequadamente?”. Às vezes, uma conversa pode ser suficiente para que o cliente interrompa o projeto.

    Nesse ponto, você precisa esclarecer que o trabalho está sendo cumprido conforme o acordado. Se o contratante não estiver satisfeito por qualquer motivo, você deve se dispor a enviar o progresso feito até o momento (com uma fatura, é claro), e permitir que eles encontrem outra pessoa para concluir o projeto.

  • 3. O cliente aumenta constantemente o escopo de trabalho

    Essa é uma questão bastante comum. O cliente liga e pede que faça mais do que o combinado no contrato. Em essência, ele está aproveitando sua boa natureza e esperando que você concorde com os pedidos a mais. Não faça isso.

    O movimento a ser feito diante de uma situação como essa é explicar os detalhes do escopo do projeto e o que você está encarregado de fazer. Caso o cliente queira os serviços extras, o contrato deve ser alterado com a aplicação de taxas adicionais. Se ele concordar, ótimo! Se não, é hora de interromper o relacionamento.

  • 4. Atraso no pagamento ou inadimplência

    Embora exista uma tendência positiva de as empresas mostrarem seu compromisso com o bem-estar ao pagar seus funcionários e contratados um salário que sustente um padrão de vida decente, algumas empresas ainda estão na contramão.

    Isso acontece com mais frequência do que se imagina. Mais de 70% dos freelancers relataram ter problemas para receber o pagamento em algum momento da carreira. Enquanto você pode ter um contrato que prevê um cronograma e a forma de remuneração, há sempre aqueles que ficam para trás. Para manter o cliente, muitos freelancers se tornam mais flexíveis.

    Mas chega um momento em que a falta ou o atraso do pagamento pode afetar seu fluxo de receita e não deve ser ignorado. Explique que você não pode continuar trabalhando sem pagamento. Pergunte para quando você pode esperar a remuneração em atraso. Além disso, deixe claro que você apenas retomará o projeto depois do pagamento dos débitos. Dessa forma, tudo fica nas mãos do cliente.

1. O cliente exige muito do seu tempo

Você encontrará alguns contratantes que demandam demais. Eles querem que você esteja disponível a qualquer hora e que relate o progresso do projeto em um cronograma irracional. Isso ocorre, normalmente, por nervosismo, quando ele nunca lidou com contratos externos, ou porque, às vezes, tem uma personalidade controladora. Seja qual for o motivo, se a situação é incômoda, não deve ser mantida.

O primeiro passo é conversar sobre o contrato que ambos assinaram. Esse acordo deve ter a descrição do serviço a ser prestado por você, os prazos e o método para relatar o progresso, incluindo a frequência. Educadamente, lembre ao contratante os termos relacionados à comunicação, relatórios de desempenho e reforce que tudo será concluído conforme acordado. Caso o cliente não mude o comportamento, você precisa considerar a rescisão (que deve constar em seu contrato também).

Em outra conversa você pode explicar que acha que não conseguirá atender às demandas de tempo impostas por ele e que, talvez, seja necessário que ele encontre alguém que tenha mais tempo disponível.

Para que haja uma transição suave, é de bom tom entregar ao novo contratado tudo o que você realizou até o momento – desde que tudo tenha sido pago.

O objetivo é deixar o cliente tranquilo quanto ao prosseguimento do trabalho enquanto você sai da situação.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).