Coluna

14 melhores lugares para visitar em 2016

O mundo é enorme e continua crescendo. Todo viajante sabe que sua lista de desejos cresce, e não diminui, toda vez que visita um novo destino ou ouve falar de algum lugar onde alguém esteve. O que deve ser prioridade? Locais recentemente protegidos ou recentemente descobertos? Locais que estão na linha tênue entre águas calmas para relaxar e cidades superdesenvolvidas? Locais que precisam ser vistos antes de mudarem para sempre?

VEJA TAMBÉM: 10 cidades com maior aumento na procura em 2015

Especialistas de planejamento de viagens exclusivas, que auxiliam seus clientes em seus interesses e, além disso, aventuram-se a cada canto do mundo, dão dicas sobre quais devem ser as prioridades dos turistas para o próximo ano.

E MAIS: 10 hotéis mais fotografados em 2015

Veja na galeria de fotos os 14 melhores lugares para visitar em 2016:

  • Butão

    O Butão tem estado na lista de destinos já há algum tempo, mas a agência de viagens Absolute Travel aconselha as pessoas a irem antes que o país realmente mude. As ruas modestas e sujas do país estão sendo pavimentadas e transformadas em vias públicas que podem acomodar ônibus de turismo. Resorts de três e quatro estrelas, que não existiam por lá, estão sendo construídos (assim como alguns cinco estrelas). O país do sul da Ásia continua especial, mas roupas tradicionais já estão sendo substituídas por outras produzidas por máquinas chinesas, e está se tornando praticamente impossível encontrar artesãos praticando a tradicional tintura à mão. Através de uma parceria com o e-commerce de produtos artesanais DARA Artisans, a Absolute leva os hóspedes para ver alguns dos últimos mestres tecelões e tintureiros, incluindo o tintureiro da família real.

  • Colômbia

    Há algumas semanas, a diretora das Américas da agência de viagens Geographic Expeditions, Jennine Cohen, declarou: “A energia é palpável e a economia está se fortalecendo consistentemente. Nossos viajantes sempre se surpreendem positivamente com a Colômbia.” Ainda que as áreas onde a GeoEx opera estejam estáveis e seguras há anos, o governo está, atualmente, melhorando a infraestrutura e em negociação final com a FARC por um pacto de paz. Muitas redes de hotéis de luxo estão sendo abertas, junto com incontáveis galerias e restaurantes de luxo, mas as pequenas cidades e vilas coloniais parecem ter parado no tempo. A Colômbia continua valendo a pena e “parece uma aventura fora do lugar-comum. Como o turismo é relativamente novo, as pessoas são incrivelmente gentis e muito animadas para mostrar seu país”.

  • Ladakh, Índia

    Sair do convencional é uma das principais tendências que a agência Red Savannah tem observado. Ladakh é “deliciosamente não convencional, e o estilo de vida e a mentalidade das pessoas são muito desconectados”, diz o fundador da Red Savannah, George Morgan-Grenville. O pacote Ladakh Village Experience explora vilas remotas nos vales hindus, com hospedagem em casas restauradas da vila e engajamento real com as comunidades (possivelmente até mesmo um encontro com o rei). Não há Wi-Fi, TV e sinal de telefone. “O estilo de vida livre da população de Ladakh destaca a irrelevância e a trivialidade de viver em um ambiente fortemente conectado.”

  • Zambezi, Zâmbia

    Aberturas recentes de alojamentos e melhorias no Aeroporto Victoria Falls fazem a região ser um destino mais quente do que nunca, diz o fundador da Black Tomato Tom Marchant. “Mas continua relativamente fora da rota dos turistas – o que significa mais visões da vida selvagem.” Além disso, há um potencial enorme para a aventura. “A região do Zambezi oferece uma multidão de experiências que vão além dos típicos safáris em jipes, cavalos ou caminhada.” A Black Tomato oferece tours de helicóptero sobre as cachoeiras, safáris de caiaque e viagens de acampamento a ilhas remotas no Rio Zambezi.

  • Costa sul do Sri Lanka

    A área sempre teve as melhores praias, mas as acomodações eram mais adequadas para os turistas de mochilão do que para os sofisticados, diz a Red Savannah. Além disso, a viagem de Colombo levava cerca de quatro horas. Melhorias na rodovia diminuíram o tempo da viagem para menos da metade, e uma série de novos lugares interessantes para se hospedar aproveitam a vida selvagem de Yala, o Cultural triangle e as plantações de chá. “Agora, é possível terminar suas férias no Sri Lanka com conforto de cinco estrelas”, diz Morgan-Grenville.

  • Colúmbia Britânica

    É fácil ser atraído por destinos longínquos e perder os tesouros perto de casa. Katie Losey, da Absolute, diz que isso é um erro: “Há uma razão para o noroeste do Pacífico ser o queridinho do Instagram”. Porém, este epicentro da vida selvagem é uma das linhas de frente das mudanças climáticas, ao mesmo tempo em que desmatamento e projetos condenatórios estão trazendo suas próprias mudanças. Paraísos da natureza como Clayquot continuam primitivos, mas as corridas dos salmões, as migrações de ursos polares, as orcas, os delicados ecossistemas de florestas tropicais e as geleiras estão em risco. A caça é um sério problema, tão grande quanto na África; mostrar que os animais valem mais vivos do que mortos ajuda a mudar as atitudes. O resort Nimmo Bay permite que caçadores troquem suas licenças por uma hospedagem gratuita.

  • Irã

    Esta é uma das adições mais recentes – viagens para lá pela Red Savannah estão “em desenvolvimento” – mas um degelo nas relações internacionais, uma abolição de sanções e a perspectiva de regras de visto mais relaxadas já estão tornando o Irã mais sedutor. Espera-se que o país lance mais de 1.000 projetos para atrair investimento em turismo. Pode levar alguns anos para isto acontecer de verdade, mas os destinos anciãos já estão lá: Palácio Ali Qapu, a capital persa de Persépolis, vilas rurais como Abyaneh e a incrível arquitetura muçulmana.

  • Nepal

    Agora é hora de testemunhar o glorioso renascimento do país, diz o gerente de viagens da Absolue Owen Gaddis, que foi para lá no mês passado. Visitar o Nepal é uma das melhores maneiras de ajudar na recuperação pós-terremoto: o turismo é o maior gerador de lucro, e a Adventure Travel Trade Association (que também pede para que as pessoas visitem o país) alerta que, quanto mais a recuperação demorar, mais estrago será feito na malha social. Para Gaddis, no entanto, a impressão foi de que “a população do Nepal tem mais motivos para viver agora do que antes. E este espírito e esta coragem são contagiantes”.

  • Patagônia

    A GeoEX acaba de lançar uma viagem pioneira com a Conservacion Patagonica que combina o novo parque do respeitado conservacionista Douglas Tompkins com uma caminhada pelas montanhas até a Argentina e o monte Fitz Roy. O parque recebe apenas algumas centenas de turistas por ano, mas projeta-se que num futuro próximo receberá tantos visitantes quanto o Torres del Paine (200.000). “O cenário é igualmente espetacular”, diz Cohen, “e nossos viajantes são pioneiros – eles não verão mais ninguém no parque inteiro!”.

  • Quênia

    Após ataques terroristas e surtos de ebola, o Quênia está pronto para o retorno. O local agora se tornou luxuoso, com novos alojamentos, como o Angama Mara. Como alguns turistas ainda estão assustados, aqueles que vão são recompensados com uma experiência especial: toda a vida selvagem de uma maneira diferente da convencional. A presença (e os dólares) dos turistas evita que os caçadores se aproximem, e a Absolute oferece a oportunidade de caminhadas com guarda-costas para ver os oito últimos rinocerontes negros que vivem na natureza. Além disso, 2016 será o primeiro ano em que turistas poderão comparecer às olimpíadas Maasai.

  • Brasil

    Experimente menus degustação com ingredientes diretamente da Amazônia, aconselha o gerente de viagens da Absolute Sasha Lehman. O famoso DOM, em São Paulo, é apenas o início, pois a devoção do chef Alex Atala por ingredientes brasileiros lançou um movimento que foi das cidades grandes a Belém, Minas Gerais e à própria Amazônia. A nova viagem da Absolute celebra apenas isso. Visitantes podem provar o açaí real (que perde vitalidade logo após ser colhido) e conhecer o Banzeiro, restaurante do ex-chef do DOM Felipe Schaedler, em Manaus. Lehman adiciona que só a natureza já faz a viagem valer a pena: “A Amazônia não é o que você pensa. Tire animais rastejantes e assustadores da mente e foque em um caleidoscópio de rios vermelhos, pretos e azuis onde se pode nadar. Rios ricos em nutrientes que repelem mosquitos e tão vastos que são maiores do que os oceanos”. Além disso, há as Olimpíadas.

  • Dalmácia

    Chris Harter, diretor de vendas e operações da AdventureSmith, diz que a popularidade da série de TV “Game of Thrones” colocou este pedaço do Mar Adriático mais firmemente nos radares dos visitantes. A agência acabou de criar um novo Cruzeiro pela Costa da Dalmácia a bordo do novo Infinity, com capacidade para 38 hóspedes. A região oferece amplas oportunidades para fretamentos privados.

  • Mount Batur, Bali

    Um raro eclipse solar foi antecipado para o dia 9 de março, e a Black Tomato está encorajando viajantes a assistir ao vivo – e a reservarlogo, pois as acomodações podem lotar. Eles poderão escalar o vulcão para ver os campos de arroz e os templos de Bali antes do evento principal, ou fazer um cruzeiro na companhia de Jeffrey Mellefont, um pesquisador associado do Australian National Maritime Museum.

  • Cuba

    Sim, você já ouviu falar muito sobre este país. Mas agora pode ser a sua última chance de ir para lá antes que os grandes navios de cruzeiro cheguem em maio. A GeoEx está criando viagens em grupos pequenos para Cuba, e é uma das pequenas empresas que podem organizar viagens privadas.

Butão

O Butão tem estado na lista de destinos já há algum tempo, mas a agência de viagens Absolute Travel aconselha as pessoas a irem antes que o país realmente mude. As ruas modestas e sujas do país estão sendo pavimentadas e transformadas em vias públicas que podem acomodar ônibus de turismo. Resorts de três e quatro estrelas, que não existiam por lá, estão sendo construídos (assim como alguns cinco estrelas). O país do sul da Ásia continua especial, mas roupas tradicionais já estão sendo substituídas por outras produzidas por máquinas chinesas, e está se tornando praticamente impossível encontrar artesãos praticando a tradicional tintura à mão. Através de uma parceria com o e-commerce de produtos artesanais DARA Artisans, a Absolute leva os hóspedes para ver alguns dos últimos mestres tecelões e tintureiros, incluindo o tintureiro da família real.

Comentários
Topo