Colunas

O que está levando a Dafiti a apostar no mundo físico?

A Dafiti surgiu há quatro anos com o objetivo de transformar-se em um dos principais e-commerces de moda do país. No primeiro semestre de 2014, ela reportou receita líquida de R$ 261 milhões, um salto de 38% em relação ao mesmo período do ano anterior.  Já a margem Ebitda ficou negativa em 38% nos primeiros seis meses de 2014. A companhia informa, no entanto, que o resultado foi melhor que os 56% negativos registrados no mesmo semestre de 2013. Por mês, a Dafiti informa ganhar 100 mil novos clientes e garante continuar avançando no país e também na Argentina, Colômbia, México e Chile. Na semana passada, a Dafiti fez o caminho inverso da maioria das varejistas do mundo físico – a exemplo da C&A que acaba de estrear sua loja online. Ela anunciou a abertura de sua primeira loja física – temporária, diga-se de passagem -, o que resultou em um investimento de R$ 1 milhão no espaço de 400 metros quadrados inaugurado na Rua Oscar Freire, nos Jardins (SP), a poucos passos de lojas como a da Asics e da Adidas.

A loja-conceito chama a atenção por combinar processos do mundo online com o offline e permite, por exemplo, que os clientes experimentem as roupas e sapatos por meio de um avatar antes de ir para o provador. O pagamento, por sua vez, é online – o cliente escolhe a peça, escaneia o código de barras no aplicativo da Dafiti e finaliza a compra por meio do smartphone ou tablet. As compras, no entanto, são sempre entregues em casa. A Dafiti explica que o objetivo é fazer com que o cliente possa caminhar sem sacolas pela Oscar Freire.  “Queremos nos consolidar como um player ainda mais importante de moda no mercado nacional”, afirma Malte Huffmann, sócio-fundador da Dafiti. Na loja, o cliente encontra, por exemplo, cerca de 1,5 mil produtos da chamada Dafiti Collection, com renovação a cada quinzena. Para a linha própria, a Dafiti trabalha hoje com 15 estilistas e 120 fornecedores.

Aberta até o fim de junho, a loja física da Dafiti poderá manter sua operação na Oscar Freire ou até mesmo desembarcar em outra cidade após esse prazo. A decisão dependerá do desempenho do espaço físico que visa fortalecer a marca e trazer mais usuários para o mundo online, explica o sócio-fundador.

Segundo Douglas Carvalho Jr., sócio-diretor da Target Advisor, boutique de fusões e aquisições especializada em varejistas de moda, o grande desafio da Dafiti, assim como da Netshoes, é crescer a rentabilidade até deixar de dar prejuízo ano a ano. “As compras online são um caminho sem volta. Quem não está na web está fora do mundo. Porém, para quem só está no online, as coisas ficam mais difíceis, pois é preciso manter um estoque muito elevado e grande variedade de itens. É muito ruim você querer comprar uma coisa pelo site e aparecer esgotado. No caso da loja física, o estoque já existe e a própria loja é o termômetro do que está vendendo ou não. Na loja a compra é mais impulsiva, já na internet é mais por necessidade e praticidade”, observa.

A expectativa é que a operação física ajude a fortalecer mais a marca entre os consumidores e também leve lições à empresa prioritariamente online.

Comentários
Topo