As últimas criações de Louboutin, o homem que transformou o solado vermelho em objeto de desejo

louboutin

Louboutin: designer com olhar de poeta

Poucos homens mexem tanto com os pés – e a cabeça – das mulheres quanto Christian Louboutin, 52 anos, uma figura apaixonada por sapatos e também apaixonante quando começa a falar sobre arte, cores, desejos e inspirações que o levaram a desenhar modelos tão únicos. No documentário “Christian Louboutin – Top Of The Heels”, exibido recentemente em uma sessão para convidados em São Paulo, o artista que nasceu em Paris em uma família de mulheres (a mãe e três irmãs) e se encantou com uma imagem de uma mulher vestindo um sapato de salto alto afiado, vista no Museu de Arte Africana, na capital francesa, explica que tornou-se o que é hoje graças a tantas influências do universo feminino. Tanto que, aos 12 anos, começou a desenhar sapatos.

pigalle

O icônico scarpin de verniz preto com solado vermelho

Foi assim que, de desenho em desenho, o estilista abriu, em 1992, sua primeira loja no número 19 da rua Jean-Jacques Rousseau, em Paris. Como mostra o documentário, o modelo Pensée, inspirado no movimento do Pop Art e nas obras de Andy Warhol, foi o primeiro a ganhar o tão famoso solado vermelho. Como Louboutin chegou a essa ideia? Ao ver o modelo ganhar forma além do papel, sentiu que os sapatos precisavam de um toque especial de cor. Neste momento, sua assistente pintava as unhas. No impulso, ele pegou o vidro de esmalte vermelho, pintou a sola do sapato e… voilá! Desta forma sua marca registrada nasceu. “Elas representam o poder da feminilidade das mulheres”, afirma. Inicialmente, foram os americanos que contribuíram para a explosão da grife. É que eles compraram milhares de unidades do modelo Love, cuja junção dos dois pés forma a palavra. “Não fossem eles e eu estaria falido”, brinca no documentário. O episódio ocorreu seis meses após a abertura da primeira loja. Em 1994, Louboutin fincou seus dois pés em Nova York, com a abertura de sua primeira loja na cidade. Embora ele seja um best-seller global, hoje, os maiores compradores vêm da Ásia e dos Emirados Árabes.

unnamed (1)

Scarpin na versão dourada, o modelo é o predileto de Louboutin

Com ateliê em Paris, onde desenha todos os sapatos que mexem propositalmente com o desejo feminino e o imaginário masculino (caso do scarpin dourado acima), Louboutin é exigente e deixa claro que a qualidade precisa estar em primeiro lugar. Por isso, alguns modelos são confeccionados na Itália, com histórica vocação para a produção de sapatos. “A Itália não é o reino do aproximado, mas o reino do exato”, explica. Seu modelo predileto? Se tivesse que eleger um único modelo para a mulher, seria o scarpin.  “Para a mulher, o sapato é uma extensão do corpo feminino. Já para o homem é um objeto. Basta observar a pintura Olympie, de Édouard Manet (no acervo do Museu D´Orsay”, conta Louboutin. A imagem (abaixo) da nudez revela que ela não veste roupas, mas não larga o salto.

Olympia-manet

Olympia, de Manet: nua, mas com salto

Atualmente, a grife tem 103 lojas espalhadas pelo mundo, incluindo algumas exclusivamente masculinas. No Brasil, são três unidades em operação – Shopping Iguatemi e JK Iguatemi (ambos em SP) e Shopping Iguatemi Brasília (DF). A unidade do JK tem como diferencial um lounge (foto abaixo)  voltado para atender apenas os homens. Segundo Veronique Claverie, diretora-geral da Louboutin no Brasil, o Pigalle (foto acima) é um dos best-sellers da marca. No Brasil, ele custa a partir de R$ 2.590. Já o produto mais acessível é a sapatilha Air Loubi, por R$1.190. Ela é destinada para uso em ambientes internos e também é indicada para viagens dado seu conforto. O slipper de luxo usa couro e tecidos macios e também tem a caracterítica da sola vermelha feita em couro maleável. O toque final é dado por um laço de gorgurão, que já é marca registrada de Louboutin.

unnamed (2)

Unidade do JK Iguatemi, uma das três lojas da Louboutin no Brasil

Uma volta ao passado. Essa é a proposta da coleção outono/inverno 2015 da Christian Louboutin (fotos abaixo), que retorna aos anos 60, ao grunge e ao techno para criar novas tendências. Ousado como é, Louboutin introduz elementos exóticos e sensuais à nova linha que abusa de novas cores e texturas em criações como o scarpin Electra Pump –nos tons preto, nude ou azul bebê – e a bota de cano baixo Electroboot, que levam o rock chique para novos patamares, com seus saltos cobertos de spikes pontiagudos resgatados dos arquivos de Louboutin. O estilista também aposta nos cosméticos – com destaque para os esmaltes recém-lançados, com a ponta do vidro pontiaguda, que remete a um salto.

unnamed (3)

Coleção outono/inverno 2015, que remete aos anos 60

unnamed (5)

 Bota da coleção outono/inverno 2015

Nessa primavera, Christian Louboutin reintroduz sua Coleção Nudes com uma cápsula adicional de quatro sapatos em estilos clássicos e sazonais, cada um disponível em cinco tons de nude. Alguns modelos, como os mostrados na foto abaixo devem desembarcar no Brasil nas próximas semanas.

unnamed (8)

 

Françoise Terzian

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).