Colunas

A história por trás do emoji de unicórnio

Unicórnio

Quem está acostumado a conversar nas redes sociais sabe que é quase possível escrever frases completas apenas com emojis. Para incrementar ainda mais o criativo diálogo, o teclado de símbolos volta e meia ganha novidades, entre carinhas e sentimentos ainda mais complexos. Uma das últimas atualizações trouxe um unicórnio. Então você se pergunta: por que diabos tem um unicórnio entre os emojis?

Quando Aileen Kee, fundadora da Cowboy Ventures, lançou a figura mitológica do unicórnio para caracterizar startups com características bastante especiais, dificilmente imaginou que a simbologia viraria febre, pelo menos nos Estados Unidos. Trabalhando no mercado de investimentos e sabendo do impacto que os unicórnios têm na economia global, eu estranho que não somente cidadãos comuns, mas também pessoas do meio, como meus clientes e conexões brasileiras, ainda desconheçam o termo “unicórnio”, que é frequente em notícias de veículos como “The Wall Street Journal” e “The New York Times”. Enfim, como dizem aqui na terra do Tio Sam, “It is what it is”, por isso fico feliz por inaugurar a minha coluna aqui dividindo com vocês o porquê dos tais unicórnios estarem tão presentes em nosso dia a dia.

Duas palavras lideraram a revolução empreendedora de tecnologia: inovação e risco. É fato que o computador, a internet, o GPS, o telefone celular e o chip revolucionaram a forma como vivemos. Empresas comandadas por empresários de inovação transformaram drasticamente cada setor da indústria, ultrapassando antigas líderes de mercado por quase um século. A IBM, por exemplo, em apenas duas décadas, ficou às sombras de uma startup. Startup que hoje todos conhecemos muito bem, nossa queridinha Apple. Além de deixar a IBM pra trás em 2015, a Apple atingiu a posição de maior valor de mercado no mundo. E, por incrível que pareça, em 2016 conseguiu ser superada por outra que há pouco era considerada uma startup: o Google, sob o nome de Alphabet.

Google e Apple são hoje conhecidas popularmente por todos nós, mas na cola dessas consolidadas marcas estão as atuais expoentes do Clube dos Unicórnios: Uber, Airbnb, Snapchat, Dropbox, Pinterest, Spotify e outras bem menos conhecidas. São consideradas unicórnio as empresas que estão no mercado há menos de uma década, estão avaliadas acima de US$ 1 bilhão, ainda são companhias privadas e estão transformando o mercado em que atuam, reinventando esses ambientes e tendo um impacto enorme na economia real.

Agora deu pra sacar por que o unicórnio de um bilhão de dólares merece estar em nossas mensagens diárias, certo? Pelo menos esse emoji tem uma grande explicação!

Bárbara Minuzzi é fundadora e CEO da INVESTHAUS: boutique de investimentos e conexões, fundada no Brasil e hoje com presença nos EUA e China. Bárbara é também advisor da startup holandesa Spinn.Coffee (www.spinncoffee).

Comentários
Topo