Colunas

Austrália cria loteria sobre previsão do tempo

Austrália

Getty Images

Na Austrália, agora é possível apostar na previsão do tempo e, ainda por cima, concorrer a US$ 1 milhão. Com uma filosofia semelhante a loteria, os participantes poderão adquirir uma assinatura mensal de US$ 25 que dará permissão a escolher sete números de zero a nove em um dia de cada semana. A escolha dos números deve ser referente ao número decimal da temperatura das principais cidades australianas ao meio-dia todos os dias. Então, se às 12h, Sidney tem uma temperatura equivalente a 30,6°C, o número que deve ser apostado é “6”.

“Para ganhar US$ 1 milhão, os sete números apostados devem coincidir com o decimal da temperatura de sete capitais australianas ao meio-dia do dia da aposta”, afirma a companhia que promove o jogo misto de ciência e sorte. Os resultados serão retirados do Bureau Australiano de Meteorologia e a competição, por enquanto, será aberta somente a australianos.

VEJA MAIS: Sabrina Sato: “Quero falar com meus mais de 20 milhões de seguidores”

Embora o jogo possa ser comparado a loteria comum, também considerada como flagelo da sociedade, a loteria do tempo é bastante diferente. Esta, foi criada com o intuito de levantar fundos a instituições de caridade. “Em muitos locais (na maioria deles) loterias estaduais foram privatizadas, assim como em Perth”, disse o porta-voz da Loteria do Tempo, Joanne Edgar, à Mashable Austrália. “Devido a privatização, os fundos secaram e fizeram com que instituições de caridade realmente encontrassem seus próprios mecanismos de captação de recursos – e isso é muito caro. Então pensamos em um sorteio de caridade, onde nossos custos são fixos e as instituições de caridade não têm que investir o que elas investiam em um outro veículo para levantar o dinheiro, que, por sua vez, vem sem custo e com pouco esforço”.

A companhia prevê doar US$ 5 de cada bilhete de US$ 25 vendidos às instituições de caridade, um valor equivalente a 100% dos lucros, já que o resto das taxas mensais pagas serão usadas no seguro, na administração e no pagamento de funcionários.

E MAIS: Bilionário monta curso que ensina a melhor maneira de pedir dinheiro

“O sistema funciona completamente online. São poucos os custos do funcionamento, em comparação à loteria tradicional”, disse Edgar. “Quanto maior for a participação do público, mais ofereceremos às instituições de caridade fundos cada vez mais estáveis. A quantidade de apostadores é diretamente proporcional a quantidade de dinheiro doada”.

São quatro instituições de caridade associadas que o jogador por escolher apoiar. Cada uma delas sendo suportada em dias diferentes da semana, durante todas as semanas do mês. Elas tratam de diferentes assuntos sociais, como: saúde, crianças, comunidades indígenas e animais. Então, se o apostador escolher a Cowboys Community Foundation, instituição que cuida de crianças indígenas, ele deve apostar todas as segundas-feiras de cada semana. Mas se você é mais ligado a questões que envolvem os animais, pode apostar todas as terças-feiras e as doações vão diretamente ao Wounded Heroes. Já a Mater Foundation é a instituição associada ligada a questões de saúde e receberá as doações das quartas-feiras. A Variety, por sua vez, cuida de crianças e recebe doações todas as quintas-feiras. Mas se os jogadores forem bastante caridosos, podem fazer suas apostas as sextas-feiras, quando todo os valores arrecadados irão diretamente e de forma igual a todas as instituições de caridade associadas.

E TAMBÉM: Antes da política, Donald Trump ficou famoso por construir a Trump Tower

“Por enquanto, os quatro nomes serão os únicos em nossa lista de doação”, disse Edgar. “Mas quando aumentarmos significativamente o número de participantes, pretendemos dar espaço a instituições menores, para que estas também consigam obter o financiamento que necessitam”, explicou.

A ideia da loteria do tempo surgiu com inspiração nas mais populares loterias da Europa, também voltadas a caridade de grandes quantias. Estas geralmente são movidas a códigos postais, o que não funcionaria na Austrália, por ser gerida por um mecanismo diferente. “Então pensamos nas previsões do tempo, já que é um assunto em alta, palpável e divertida de se fazer”, acrescentou Edgar. A companhia, então, aposta na ideia e espera que esta seja a solução para novos caminhos de arrecadação de fundos às instituições de caridade.

Comentários
Topo