Colunas

Morre Arnold Palmer, lenda do golfe, aos 87 anos

Arnold Palmer morreu ontem (25) aos 87 anos devido a complicações de um problema no coração. “O Rei” era um dos titãs do mundo do golfe, sendo o quinto maior ganhador de PGA Tours e dono de sete títulos em grandes campeonatos. Porém, além de todas as suas conquistas nos circuitos, Palmer abriu caminho para outras estrelas do esporte como Michael Jordan, Tiger Woods e LeBron James também faturarem com patrocínios.

Palmer ganhou um total de US$ 3,6 milhões em prêmios durante seus 52 anos de carreira. Além disso, também embolsou um valor 240 vezes maior em aparições, patrocínios, licenciamento e com design de campos de golfe. Seu ganho estimado de US$ 875 milhões na carreira o torna o terceiro atleta mais bem pago, apenas atrás de atletas como Jordan e Woods. O golfista ganhou uma fortuna total de aproximadamente US$ 1,3 bilhão, com os ganhos reajustados pela inflação.


LEIA MAIS: 50 equipes mais valiosas do esporte em 2016

FORBES analisa os ganhos de atletas desde 1990 e Palmer aparece nas listas, mesmo sua última vitória em um PGA Tour tendo ocorrido em 1973. Ele ficou em 9° na primeira lista, com ganhos de US$ 8,1 milhões, embora esse total não tenha computado os lucros com o design de campos de golfe. Caso esses números fossem incluídos, ele teria subido para a terceira posição, ficando atrás apenas de boxeadores como Mike Tyson e Buster Douglas.

Palmer ficou em terceiro no ranking dos atletas mais bem pagos, com lucros de US$ 42 milhões em 2015.

Palmer se tornou profissional em 1954, após vencer o campeonato U.S. Amateur. Ele ganhava menos de US$ 10.000 por ano em patrocínios. Então, fechou um contrato com Mark McCormack no final de 1959, fundou uma agência de esportes (IMG) em 1960 e ganhou dois grandes títulos no mesmo ano – seus ganhos aumentaram exponencialmente e seus lucros fora dos circuitos, com a Mark McCormack, alcançaram US$ 500.000 em apenas dois anos.


LEIA MAIS: Manchester United bate recorde e chega a US$ 685 milhões

Depois da McCormack, Alastair Johnson, ex-CEO da Arnold Palmer Enterprises, ajudou a tornar Palmer uma estrela do marketing. O jogador se tornou o garoto-propaganda da Cadillac, Hertz, Pennzoil e dezenas de outras marcas. Em 2014, a Rolex estendeu seu relacionamento com o jogador por outra década – o jogador tinha 85 anos.

Palmer também abriu um negócio de design de campos de golfe no começo dos anos 1970 e ajudou a fundar o canal de televisão por assinatura “Golf Channel”. Foi dono da Bay Hill Golf Course por mais de 40 anos.

Em seus últimos anos, Johnson focou em licenciar acordos para ajudar a garantir o legado de Palmer quando o mesmo moresse. Ele “emprestou” o nome do jogador para a AriZona Beverage Co., para que uma linha de bebidas fosse criada. O resultado disso foi um lucro de quase US$ 200 milhões no ano passado. Também há 500 lojas de produtos Arnold Palmer na Ásia, onde são vendidos sapatos e roupas inspirados no jogador.


LEIA MAIS: Advogado questiona venda bilionária da Fórmula 1

Todo atleta icônico que se aposenta quer copiar o modelo “Arnold Palmer” de comportamento, onde eles licenciam seus nomes e apenas esperam os royalties serem depositados, mas apenas poucos podem se igualar ao original. Palmer era um em um milhão.

Comentários
Topo