Colunas

Morre Dean White, bilionário do ramo imobiliário, aos 93 anos

Reprodução/Forbes

Dean White

Dean White, bilionário do ramo imobiliário e magnata do mundo da propaganda, morreu na manhã de ontem (14). Aos 93 anos,ele estava entre os 15 bilionários mais velhos do mundo, com um patrimônio líquido de US$ 2,5 bilhões. Um representante da White Lodging, empresa fundada pelo filho de White, confirmou o óbito da 789ª pessoa mais rica do mundo.

A Whiteco Industries, empresa com a qual White conquistou sua fortuna, foi fundada pelo pai dele em 1935 em Lincoln, Nebraska. Ela originalmente trabalhava com anúncios para letreiros, principalmente no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Dean herdou a companhia em 1946 e começou a investir no mercado imobiliário e no desenvolvimento de hotéis. Na declaração emitida nesta quarta-feira, o representante da White Lodging reconheceu a importância do empresário, que “expandiu um negócio que começou no baú de uma picape, tornando-o uma companhia importante tanto nos Estados Unidos quanto no mundo”.

LEIA MAIS: Como um colombiano lucrou US$ 1,4 bilhão com o Canal do Panamá

White saiu do ramo de letreiros em 1998, com a venda de US$ 960 milhões para a Chancellor Media. Oito anos depois, ele vendeu 100 hotéis para o fundador da emissora Black Entertainment Television, Robert Johnson, por US$ 1,7 bilhão. Desde então, a companhia expandiu suas raízes no mercado. Até o momento, já construiu mais de 4.000 apartamentos no país.

Fora do mundo dos negócios, White se empenhava em ficar fora da mídia. Mesmo assim, recentemente, o bilionário chamou a atenção pelo seu apoio fervoroso aos republicanos de Indiana, incluindo o governador e candidato a vice-presidente, Mike Pence.

LEIA MAIS: 70 maiores bilionários do mundo em 2016

Para aqueles próximos a ele, White não será lembrado apenas pela sua perspicácia profissional e seu entusiasmo político. “Sr. White era a definição de um homem de palavra”, disse Ann Bowman, conselheira-geral da Whiteco Industries. “Se ele fechava um negócio, não havia dúvida de que suas promessas seriam cumpridas. Ele sempre gostava de fazer a coisa certa e me ensinou que sempre devo manter minha palavra”.

Comentários
Topo