Colunas

Casal Gates, Bloomberg e outros bilionários estavam entre possíveis VPs de Clinton, diz Wikileaks

Bill e Melinda Gates

E-mail de chefe de campanha da candidata democrata cita nome de bilionários e CEOs para VP (Getty Images)

Bill Gates, Melinda Gates, Michael Bloomberg e Howard Schultz. Esta poderia ser a lista de bilionários de FORBES, mas são alguns dos nomes considerados por Hillary Clinton para o cargo de vice-presidente na sua chapa pelo Partido Democrata. As informações são atribuídas a um e-mail enviado por John Podesta, chefe de campanha da candidata, divulgado pelo Wikileaks nesta terça-feira (18), antes da escolha do senador Tim Kaine.

RANKING: 70 maiores bilionários do mundo em 2016

O e-mail revela 39 nomes entre empresários, investidores, políticos, militares e até bilionários. “Cheryl e eu nos encontramos com Jim Hamilton na sexta-feira para discutir advogados que podem ajudar a pesquisar e vetar as possibilidades de VPs que nós discutimos”, diz a mensagem encaminhada ao endereço hdr29@hrcoffice.com.

Dos 39 nomes destacados, há cinco CEOS, Tim Cook (Apple), Marry Barra (GM), Ursula Burns (Xerox), Muhtar Kent (Coca-Cola) e Howard Schultz (Starbucks), e os bilionários Michael Bloomberg e Bill e Melinda Gates. Além disso, há ainda Bernie Sanders, pré-candidato democrata derrotado por ela nas prévias, a psicóloga e acadêmica Judith Rodin e senadores do partido, como Elizabeth Warren.

LEIA TAMBÉM: O embate de 1 trilhão de dólares entre Hillary Clinton e Donald Trump

As eleições norte-americanas, marcadas para o dia 8 de novembro, têm dividido o mundo dos bilionários: Warren Buffett, George Soros, Bloomberg, Oprah Winfrey, Meg Whitman, Mark Cuban, Reid Hoffman, Sheryl Sandberg, Thomas Steyer e Marc Benioff estão entre os que declararam apoio à democrata enquanto Sheldon Adelson, Carl Icahn e Peter Thiel estão do lado do republicano Donald Trump.

De acordo com a última pesquisa de intenção de votos, publicada pela rede de televisão NBC News, Hillary está 11 pontos à frente de Trump, com 48% do eleitorado.

Comentários
Topo