Colunas

Novo estudo indica que caminhar durante o trabalho melhora a produtividade

Ficar de pé e andar por 5 minutos a cada hora de trabalho poderia aumentar o humor e combater a letargia (iStock)

Ficar de pé e andar por 5 minutos a cada hora de trabalho poderia aumentar o humor e combater a letargia (iStock)

Publicado recentemente no Jornal Internacional de Nutrição Comportamental e Atividade Física, um estudo realizado pelos pesquisadores da universidade do Colorado Anschutz Medical Campus, junto à Johnson & Johnson Instituto de Desempenho Humano e a outras instituições, mostrou que ficar de pé e andar por 5 minutos a cada hora de trabalho poderia aumentar o humor e combater a letargia sem, no entanto, reduzir o foco, a atenção, o aborrecimento e a fome.

O estudo também constatou que pausas breves e frequentes de caminhada foram mais eficazes em melhorar o bem-estar do que uma caminhada única e mais longa antes do trabalho.

VEJA TAMBÉM: 10 dicas para se exercitar dentro do escritório

Pessoas que trabalham sentadas por muitas horas ininterruptas podem ter consequências físicas e emocionais indesejáveis, por exemplo, o desenvolvimento de trombose nas pernas e o risco aumentado de formação de aterosclerose (acúmulo de placas nas artérias). Além disso, pessoas que permanecem sentadas por mais de oito ou nove horas diárias também possuem mais risco de desenvolver diabetes, depressão e obesidade em comparação com as pessoas que se deslocam com mais freqüência.

————————————————————————————————————————————

Natalia Aarao é médica pós graduada pelo Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), atua na área da clínica médica, da cardiologia e da Tomografia e Ressonância Cardíacas, sendo membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da American College of Cardiology. Trabalhou como assistente do Prof. Dr. Roberto Kalil filho e, atualmente, faz parte do Corpo Clínico dos Hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês.

Natalia Aarao é uma colaboradora de FORBES Brasil. Sua opinião é pessoal e não reflete a visão editorial de FORBES Brasil.

Comentários
Topo