Colunas

Conheça a Avenues-The World School, prestes a inaugurar em São Paulo

Foto:Divulgação/Avenues

Projeto da fachada da Avenues São Paulo, localizada no bairro Cidade Jardim (Foto:Divulgação/Avenues)

Prestes a desembarcar no Brasil, a escola Avenues-The World School nasceu com uma proposta diferente: criar um sistema de escolas globais por meio de métodos únicos de ensino.

A primeira unidade foi aberta em 2012 em Manhattan, Nova York, no bairro do Chelsea com 750 alunos matriculados. Atualmente, a escola já contabiliza o dobro de estudantes, e está passando por processo de expansão. Agora, São Paulo se prepara para receber a segunda unidade, que segue em obras no bairro Cidade Jardim, com abertura oficial para agosto de 2018.

A demanda por ensino internacional de alta qualidade no Brasil é muito maior do que a oferta

“Quando abrimos em Nova York, pensamos na cidade mais influente da América do Norte. E o mesmo princípio foi aplicado aqui, na América do Sul”, conta Alan Greenberg, co-fundador da escola. “E, desde a inauguração, temos recebido muitas visitas de brasileiros, particularmente de São Paulo. E muitos desses visitantes nos encorajaram a ter uma unidade na capital paulista. Desde então, já foram quase 400 visitas de brasileiros, entre eles Marcel Telles (um dos proprietários da AMBEV, junto com Jorge Paulo Lemann e Carlos Alberto Sicupira) e Claudio Haddad (economista, ex-diretor do Banco Central do Brasil), e tivemos uma aceitação muito grande. Então nos sentimos confortáveis em trazer a Avenues ao Brasil. Nós também encontramos um terreno com ótima localização, o que é fundamental para o funcionamento de qualquer escola. E, por meio de pesquisas, chegamos à conclusão de que a demanda por ensino internacional de alta qualidade era muito maior do que a oferta. Se você consultar as principais escolas com esse perfil, verá que há uma grande lista de espera por vagas.”

LEIA MAIS: 10 melhores escolas de negócios para entrar no mercado de trabalho

O processo de expansão, no entanto, não para por aqui. Neste momento, há mais seis campi em desenvolvimento, mas sem aberturas oficiais anunciadas: Xangai, Londres, Doha, Miami, Dubai, Vale do Silício, Washington DC e Cidade do México. “Daqui a cinco anos, nós ficaríamos muito felizes se tivéssemos entre seis e oito escolas operando em metrópoles ao redor do mundo. Em dez anos, gostaríamos de chegar a 15 ou 20. Nós pensamos na Avenues não como 20 escolas diferentes, mas sim como um campus único, uma comunidade de estudantes com diversas nacionalidades. Os professores podem dar aula em diversas unidades e há possibilidade de intercâmbio de alunos, ou seja, ele muda de unidade mas não perde nada do ensino”, explica Greenberg.

Missão: preparar os alunos para atuarem em nível global

O co-fundador da Avenues é muito claro: “Se você está no ramo da educação, é bom que seja apaixonado por isso, afinal, esse é o seu produto”. A Avenues é uma instituição bilíngue, que propõe um ensino diferenciado, batizado de “novo pensamento escolar”, formado por pilares de excelência: cuidado com os métodos de ensino, alto nível de professores (de diversas nacionalidades) e ambiente que colabora com os estudos. “Nossa missão é criar líderes, pessoas preparadas para atuar em nível global.”

Currículo diferenciado

A tecnologia é onipresente na estrutura do curso. Os alunos usam tablets e MacBooks. “Nossas classes de São Paulo serão conectadas com as de Nova York, e vice-versa. Dessa forma, estudantes e professores vão poder desempenhar atividades em conjunto.”

A grade curricular é composta por idiomas, exatas, artes e atividades físicas. Além disso, há o World Course, método que acompanha o aluno do começo ao fim do ensino básico e une geografia, história e temas globais. O sistema foi criado pelo Dr. Fernando M. Reimers, acadêmico da Harvard University, e sua equipe.

“O sistema foi desenvolvido para não dar enfoque apenas ao mundo ocidental. Para as crianças, é uma porta de entrada para o conhecimento de outras culturas, enquanto para os adolescentes esse ensino vai além, já que aborda temas como conflitos globais. O objetivo é criar uma empatia real nos alunos, de forma que entendam que as pessoas são diferentes, mas, ao mesmo tempo, iguais”, explica Greenberg.

O campus de São Paulo

A unidade da capital paulista está sendo construída com base no projeto dos escritórios Aflalo & Gasperini e Dante Della Manna em parceria com os designers da Avenues e projeto paisagístico da Evani Kuperman Franco. Há muito cuidado com a sustentabilidade e a criação de ambientes agradáveis.

“Um ótimo campus não significa uma ótima escola, mas pode potencializar o aprendizado. A maneira que a luz entra, a disposição das salas, a integração entre os estudantes de diferentes faixas etárias… Tudo é pensado de maneira sofisticada.” Entre os ambientes de convivência está o café dos pais, um espaço aberto para a integração da comunidade – pais, filhos e professores. A capacidade total é de 2.100 alunos.

O time por trás da escola

A escola chega ao país com um time de peso. O diretor, Hamilton Clark, está de mudança de Nova York, onde ocupava o mesmo cargo que irá assumir aqui. Foram feitas, diversas contratações de profissionais que já atuavam no mercado brasileiro de escolas bilíngues: Anna Baldisseri, ex- Saint Paul’s, John Cielo, da Chapel, Lisa Peixoto, da Graded e Lyle French, com passagens pelas escolas Beit Yaacov e Play Pen.

As admissões antecipadas dos alunos começaram em 17 de março e seguem até 13 de outubro deste ano. Segundo o proprietário, antes mesmo da abertura das inscrições, o interesse já era grande: “Disponibilizamos no site um formulário para que os pais pudessem se manifestar. Já são mais de 2.000 estudantes cadastrados na base, para conhecer melhor a escola. E isso é inacreditável, já que não fizemos nenhuma propaganda.” Greenberg não revelou o valor da mensalidade e de outros custos, mas garantiu que serão compatíveis com as das escolas brasileiras de mesmo nível (cerca de R$8.000,00 por mês).

Veja detalhes do projeto na galeria de fotos:

  • Projeto da fachada da Avenues, localizada no bairro Cidade Jardim

  • O projeto é de autoria dos escritórios de arquitetura Aflalo & Gasperini e Dante Della Manna em parceria com os designers da Avenues e projeto paisagístico da Evani Kuperman Franco.

  • A construção possui 8 andares, com áreas de convivência ao ar livre, como o terraço e a quadra

  • Terraço será uma área para os alunos mais velhos e professores

  • Pátio coberto para as crianças

  • A arquitetura privilegia a entrada da luz, e os ambientes contam com a presença de plantas

Projeto da fachada da Avenues, localizada no bairro Cidade Jardim

Comentários
Topo