Colunas

Cura da Aids pode ser descoberta até 2020

A fundação amfAR possibilita pesquisas na área desde 1985 (Foto: Reprodução/Gettyimages)

A fundação amfAR possibilita pesquisas na área desde 1985 (Foto: Reprodução/Gettyimages)

Uma das metas mais ambiciosas da fundação amfAR (American Foundation for Aids Research) é descobrir a cura para Aids até 2020. O objetivo foi reafirmado pela vice-presidente e diretora de pesquisas da entidade, Rowena Johnston, durante a abertura da conferência sobre HIV e Aids na Universidade de São Paulo, no último dia 29.

Para os cientistas, a cura da Aids deve ser interpretada de diferentes formas: funcional (quando o vírus está presente no corpo, mas não se multiplica e, por isso, não exige a ingestão dos antirretrovirais), remissão (quando ainda há a presença do HIV, mas é possível ficar um período sem tomar os remédios) ou a completa extinção do vírus.
LEIA MAIS: 8 mitos perigosos sobre HIV/Aids desmascarados por especialistas

“Nós estabelecemos uma meta super difícil, a cura do vírus HIV. Ele é super complexo – mais do que qualquer outro vírus que conhecemos. No momento, nós provavelmente sabemos mais sobre ele do que sobre qualquer outra doença patogênica, mas não sabemos ainda como exterminá-lo. Nossos desafios são imensos. Precisamos fazer as perguntas certas para ter as respostas certas. Temos que juntar a comunidade científica para compartilhar as pesquisas e nos certificar de que os cientistas não estão trabalhando em segredo, pois é necessário um esforço coletivo. Para isso, precisamos arrecadar dinheiro e, assim, viabilizar as pesquisas”, disse Rowena Johnston.

Desde 1985, a fundação já investiu mais de US$ 450 milhões em pesquisas

E é justamente neste contexto que está, entre outras iniciativas, o baile de gala da amfAR. Os eventos são realizados em diversas cidades: Nova York, Paris, Hong Kong, Cannes e São Paulo. “ Nós temos muita sorte de contar com um grupo forte de doadores no Brasil, que participa dos eventos e entende a importância da fundação. O HIV realmente muda a vida das pessoas, e ainda há muito preconceito, é um problema social muito grande.”

A próxima edição do baile será no dia 27 de abril, na propriedade do empresário Dinho Diniz – este é o sétimo ano em que ele e o irmão Felipe são os anfitriões, beneméritos e divulgadores da entidade. No último ano, foram arrecadados quase US$ 1,6 milhão. A causa conta também com o envolvimento dos empresários Carlos Jereissati Filho, Nizan Guanaes e Donata Meirelles.

“Até 2020 investiremos mais US$ 100 milhões em esforços, por isso, posso afirmar que até lá estaremos bem mais perto de uma solução”, diz Rowena. Desde a sua fundação, há 32 anos, a amfAR já investiu US$ 450 milhões em pesquisas para descobrir a cura da Aids.

Comentários
Topo