O livro que, segundo Bill Gates e Warren Buffett, você precisa ler

gates-e-buffett_gettyimages

Os bilionários Warren Buffett e Bill Gates, segundo informações do site do CNBC, concordam que o melhor livro de negócios que eles já leram é “Business Adventures” (“Aventuras Empresariais”, na versão em português), escrito pelo jornalista especializado em finanças John Brooks.

LEIA TAMBÉM: Warren Buffett e Bill Gates ensinam 5 lições sobre o mundo dos negócios

O clássico de 1969 – que Gates leu anos atrás por uma recomendação de Buffett – explora, de forma detalhada, alguns dos principais momentos da história dos negócios e das finanças norte-americanos. “Mais de duas décadas depois de Warren ter me emprestado o livro – e mais de quatro décadas após sua primeira edição – ‘Business Adventures’ continua sendo o melhor livro de negócios que eu já li”, diz o co-fundador da Microsoft em seu blog. “John Brooks ainda é meu escritor favorito sobre negócios.”

Uma história presente no livro é particularmente relevante para empresas nos dias de hoje: a ascensão e a queda da Xerox

Brooks, que escrevia para a “The New Yorker”, fez o livro a partir de artigos que apareceram originalmente na revista. Cada capítulo é um mergulho profundo nos erros e acertos dos fundamentos empresariais. Ele detalha, por exemplo, as lições aprendidas com o chamado “Flash Crash” de 1962, quando o índice S&P 500 caiu 6,7% em um único dia, e de outros momentos cruciais do mundo dos negócios. Mas uma história presente no livro é particularmente relevante para empresas nos dias de hoje: a ascensão e a queda da Xerox. Este é um caso que serve de precaução para empresários e executivos.

VEJA MAIS: Como era o mundo antes de Bill Gates tornar-se o homem mais rico dos EUA

Depois de atingir um grande sucesso no começo dos anos 1960, a empresa perdeu impulso, escreve Brooks na obra. Seus executivos perderam oportunidades de criar novos produtos e, como resultado, concorrentes ganharam espaço no mercado na década seguinte.

A lição que fica é que inovadores precisam continuar inovando – ou seus negócios vão falhar. “Os executivos da empresa não acreditaram que as novas ideias pudessem se encaixar em seu core business, então decidiram não transformá-las em produtos comercializáveis”, escreveu Gates em seu blog. “Outros se posicionaram e entraram no mercado com produtos baseados em pesquisas que a própria Xerox já havia realizado”, conta.

E MAIS: Warren Buffett doa US$ 2,9 bilhões à caridade em um dia

“Eu sei que não estou sozinho quando olho para essa decisão como um erro.” Gates acrescenta que, na realidade, um dos principais motivos do sucesso da Microsoft é não parar de inovar.



Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).