Colunas

Depois de delação, parte da família Batista sai da estrutura societária da JBS

Getty Images

Irmãos Joesley e Wesley Batista são os únicos integrantes da família Batista a figurar como acionistas da gigante JBS (Getty Images)

Desde a última semana, os irmãos Joesley e Wesley Batista são os únicos integrantes da família Batista a figurar como acionistas da gigante JBS, que recentemente fechou acordo de leniência de R$ 10,3 bilhões com o Ministério Público Federal.

LEIA MAIS: Fortuna da família Batista cai R$ 4,3 bilhões com recuo da JBS

Os demais sócios da família (as irmãs Valére, Vanessa e Vivianne Batista e o pai José Batista Sobrinho) deixaram de constar na composição acionária da companhia, atualizada em Formulário de Referência apresentado espontaneamente à CVM no dia 31 de maio – mesmo dia do acordo de leniência. O Formulário de Referência é o principal documento de informações das companhias abertas e costuma ser periodicamente atualizado.

A mudança se deu por meio da J&F Investimentos, holding da família Batista que controla a JBS e que, além da gigante de carnes, reúne participações do clã em outras empresas, como Vigor, Alpargatas, Eldorado Brasil e Banco Original.

Até a última semana, a J&F Investimentos – dona de 42,41% da JBS via FB Participações – tinha sua estrutura societária composta por empresas de participações pertencentes ao fundador, José Batista Sobrinho, e suas três filhas, além dos irmãos Joesley e Wesley Batista. Ou seja, seis membros da família dividiam o naco acionário da holding controladora da JBS.

RANKING: 20 maiores bilionários do mundo em 2017

De acordo com a nova composição protocolada na CVM, a J&F Investimentos passou a ter como acionistas apenas empresas pertencentes a Joesley e Wesley Batista, que fizeram acordo de delação premiada e garantiram imunidade completa.

Oficialmente, eles agora dividem meio a meio as ações na bilionária holding.

ACIONISTA MISTERIOSO

Outra mudança recente na estrutura societária da J&F (e, portanto, da JBS e demais empresas do grupo) é a troca de titularidade dos acionistas da Blessed, uma empresa estrangeira que consta entre os sócios da J&F.

Até o Formulário de Referência do dia 23 de maio, a Blessed aparecia como pertencente a duas companhias estrangeiras: Lighthouse Capital Insurance (50%), com sede em Cayman, e US  Commonwealth Life (50%), baseada em Porto Rico (EUA). Como acionistas destas companhias, constavam os estrangeiros Colin Murdoch Muirhead, James Walker, Paul Backhouse e Nicholas Ferris.
VEJA TAMBÉM: Mercado tem dia mais turbulento desde os atentados às Torres Gêmeas, nos EUA

Na última semana, depois de um questionamento da CVM, a companhia confirmou que os irmãos Joesley e Wesley compraram as ações da Blessed e atualmente detêm cotas iguais (50% cada) nesta companhia.

Durante muitos anos, a Blessed foi considerada um sócio oculto da JBS e pivô de intensa especulação, envolvendo, inclusive, a família do ex-presidente Lula.

Comentários
Topo