Colunas

Empresa apresenta o material mais escuro já criado

Reprodução/Surrey NanoSystems

Vantablack (Reprodução/Surrey NanoSystems)

Há um ano, o jornalista Sam Lemonick escreveu sobre um material chamado Vantablack e sua versão spray, o Vantablack S-VIS, ambos criados pela Surrey NanoSystems. Este mês, a empresa de tecnologia lançou alguns vídeos exibindo um novo material de nanotubo sem carbono que eles estão desenvolvendo atualmente e que também é extremamente escuro, embora não seja feito de nanotubos de carbono como seu antecessor.

LEIA TAMBÉM: João Moreira Salles doa R$ 350 milhões para instituto de pesquisa

O Vantablack absorve tanta luz que mascara toda profundidade e senso tridimensional do objeto, dando a impressão aos observadores de estarem olhando para um grande buraco. A equipe da Surrey NanoSystems admitiu que o material é tão escuro que os métodos analíticos altamente técnicos não funcionam no material.

O Vantablack absorve tanta luz que mascara toda profundidade e senso tridimensional do objeto, dando a impressão aos observadores de estarem olhando para um grande buraco

Isso acontece porque muitos destes métodos analíticos são baseados em espectroscopia, que é a investigação por meio dos comprimentos de onda de luz e do estudo do efeito que o material tem sobre a radiação eletromagnética – seja uma luz ultravioleta, luz visível, luz infravermelha ou algo além dos dois extremos de luz visível. Se o material é capaz de absorver quase toda a luz, as técnicas analíticas utilizadas para descobrir mais sobre ele simplesmente não serão capazes de caracterizá-lo, já que pouca energia é refletida de volta porque é absorvida.

Os cientistas demonstram isso em um vídeo utilizando um laser vermelho e uma versão recém-desenvolvida do Vantablack que afirmam ser ainda mais escura do que a original. À medida que a luz vermelha brilha no material de apoio do novo Vantablack, o ponto do laser torna-se visível, já que uma parte da luz reflete de volta para as lentes da câmera, enquanto outra parte está levemente dispersa graças à superfície microscopicamente irregular que resulta em um ligeiro amolecimento das bordas do ponto de luz de laser.

VEJA MAIS: Como a realidade virtual pode revolucionar o mercado imobiliário

Materiais como este podem ser usados em itens como telescópios que orbitam a Terra, na tentativa de ver estrelas e galáxias distantes. Como a luz dele é muito fraca e elimina qualquer luz dispersa, revestir o telescópio com um material como este permitiria aos astrônomos coletar informações mais úteis e aumentar a quantidade de detalhes sobre os objetos que estão sendo observados.

Nenhum destes materiais extremamente escuros estão disponíveis para o público, já que eles ainda não foram testados e considerados seguros para as pessoas manusearem.

Comentários
Topo