Monitoramento telefônico reduz o sofrimento de pacientes com câncer

Programa testou 385 pessoas durante o tratamento (iStock)
Programa testou 385 pessoas durante o tratamento (iStock)

Pacientes que são submetidos a tratamentos de quimioterapia vivenciam, frequentemente, sintomas desagradáveis, como fadiga, dores e náuseas, que poderiam, muitas vezes, ser amenizados com atendimentos médicos. Mas, como os médicos nem sempre estão cientes, os enfermos acabam passando por um sofrimento desnecessário. Um novo estudo feito por pesquisadores do Instituto Huntsman de Câncer e pela faculdade de Enfermagem da Universidade de Utah sugere que o alívio desses pacientes poderia vir de uma simples ligação telefônica.

VEJA TAMBÉM: Roche anuncia avanço em tratamento para câncer de rim

Com o objetivo de amenizar o problema, os pesquisadores inscreveram 385 pacientes com câncer em processo de quimioterapia em um programa no qual poderiam ligar para um serviço telefônico diariamente e classificar, por meio do teclado do telefone, a ocorrência e a gravidade de 11 sintomas em uma escala de 0 a 10. Cada ligação dura menos de cinco. Esse grupo recebeu, ainda, dicas para ajudar no gerenciamento dos próprios sintomas.

Estudo concluiu que pacientes em fase de quimioterapia sofrem muito mais em casa do que reportam a suas equipes de oncologia

O sistema funciona por meio do envio de alertas para enfermeiros clínicos com base no que foi relatado pelos pacientes com sintomas de moderados a graves. Estes profissionais de saúde convocam os doentes e oferecem tratamentos de acordo com as orientações da National Comprehensive Cancer Network.

LEIA MAIS: Novo aparelho pode reduzir os custos de testes de câncer de mama

O grupo inscrito no programa se saiu muito melhor do que os pacientes que não participaram da iniciativa. Eles experimentaram poucos dias com sintomas muito fortes (menos de 67%) e moderados (menos de 39%). Ao analisar o conjunto todo, revelou-se que o grupo apresentou uma redução de 43% na gravidade dos sintomas em comparação com aqueles que não participaram do programa. O estudo conclui, então, que pacientes em fase de quimioterapia sofrem muito mais em casa do que reportam a suas equipes de oncologia. Logo, o monitoramento automatizado telefônico e o treinamento sobre cuidados com sintomas pode melhorar significativamente o bem-estar e a qualidade de vida destes pacientes durante o tratamento de câncer.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).