Colunas

Saiba como descobrir a sua verdadeira vocação

iStock

Juscelino é formado como sommelier pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) (iStock)

Dia desses fui convidado a dar uma palestra em uma grande universidade de São Paulo e falar sobre a minha trajetória. Infelizmente, já havia um compromisso no dia, mas refletir a respeito me fez lembrar momentos, passagens e dificuldades que eu mesmo não lembrava. Realmente, o tempo é um excelente remédio!

LEIA MAIS: Espanha reúne um time de peso em suas bodegas

Já contei aqui a minha trajetória pré-Piselli, quando trabalhei em uma plantação de ervilhas, antes de me mudar para São Paulo. Resolvi me reinventar, percebi que meu destino não era no campo, fui em busca de meu grande sonho (que naquela época nem sabia que seria dentro dos restaurantes) e parti para a cidade grande.

De Joanópolis, minha cidade natal, que fica na serra da Mantiqueira, cheguei disposto a trabalhar em um restaurante de um conhecido que me trouxe para cá. Tudo começou em um pequeno estabelecimento na zona norte de São Paulo e lá tive a oportunidade de dar o pontapé inicial, com experiências que, com o passar dos anos, me levaram ao Grupo Fasano.

Sempre disposto a aprender, foi lá que comecei a me dedicar aos estudos sobre vinhos e à gastronomia. Empolgado e com um conhecimento de vinhos cada vez mais vasto, auxiliar os clientes foi mais um passo que dei como profissional.

Eu sabia cada vez mais qual tipo de vinho combinava melhor com cada prato. Nos 12 anos que fiquei no Fasano, conquistei os postos de maître, sommelier e gerente. O sonho de ter meu restaurante próprio (que até então eu nem sabia que existia) ganhava cada vez mais forma!

VEJA TAMBÉM: 7 restaurantes casuais incríveis ao redor do mundo

Mas eu ainda queria mais! Com a experiência, técnica e conhecimento que adquiri em restaurantes, que já considerava como meu lar, apostei no empreendedorismo na área gastronômica. Também me formei como sommelier pela Associação Brasileira de Sommeliers (ABS). Parar era algo que realmente estava fora dos meus planos.

Hoje, também sou presidente da Confraria dos Restauranteurs de São Paulo e diretor da Associação de Restaurantes de São Paulo (ANR). Costumo dizer que não sabia exatamente o que queria ao sair de Joanópolis, mas, assim como uma história de amor, segui as dicas que recebi de uma existência superior, de um Deus que nunca me desamparou e, ao longo dos anos, fiz dos restaurantes a minha maior paixão. Não há nada melhor do que trabalhar com o que se gosta e se sentindo em casa.

Juscelino Pereira, 47 anos, é formado sommelier pela ABS, presidente da Confraria dos Restaurateurs de São Paulo e diretor da Associação de Restaurantes de São Paulo (ANR). Sua opinião é pessoal e não reflete a visão editorial de FORBES Brasil.

Comentários
Topo