Colunas

Para Bill Gates, fotossíntese artificial pode substituir combustíveis fósseis

GettyImages

Para o bilionário, usar hidrogênio em larga escala é mais do que possível e poderia economizar muito dinheiro, além de reduzir a poluição (GettyImages)

Apesar de a indústria de energia renovável estar indo bem nos últimos anos, ainda é fato que a maior parte do mundo depende dos combustíveis fósseis para fazer sua engrenagem funcionar. O pioneiro da tecnologia e fundador da Microsoft Bill Gates revelou que acredita que a fotossíntese artificial poderia ser a solução. Por meio do aproveitamento da energia coletada do sol e do armazenamento em formato líquido, ela poderia substituir os combustíveis fósseis.

VEJA TAMBÉM: Saiba o que Bill Gates pensa sobre inteligência

Usar a fotossíntese artificial e aproveitar a energia solar são, basicamente, coisas similares, já que utilizam a mesma fonte. No entanto, em vez de armazenar a energia em baterias, como a segunda alternativa propõe, a primeira envolveria a conversão da luz solar em hidrogênio, de acordo com o portal “Futurism”.

Como já foi provado na Islândia, usar hidrogênio em larga escala é mais do que possível e poderia economizar muito dinheiro, além de reduzir a poluição. No entanto, produzir hidrogênio não é tarefa fácil, devido ao complicado processo envolvido.

O que atrai o bilionário na ideia de converter energia solar em hidrogênio para abastecer veículos é o simples fato de ser uma solução muito mais fácil de adaptar do que na alternativa dos carros movidos à energia solar, informou o site de notícias “EconoTimes”. Gates até considera tal conceito um tanto quanto mágico, pois não envolveria nada além de encher um carro com energia limpa, que pode ser utilizada sempre que necessário e reabastecida de maneiras convencionais.

LEIA MAIS: 5 livros que Bill Gates recomenda para esta temporada

Como o site “Big Think” pontuou, um dos maiores problemas de usar a fotossíntese artificial diz respeito à eficiência. As plantas convertem apenas 1% do carbono e da água em carboidratos. Em condições laboratoriais, essa eficiência aumentou para 22% segundo estudos conduzidos por pesquisadores da Universidade Monash em Melbourne, na Austrália. Ainda assim, a tecnologia tem um longo caminho a percorrer.

Para aqueles que acreditam que a alternativa poderia ter um impacto negativo na energia solar e em outras fontes renováveis, a boa notícia é que este é um fato improvável. No que diz respeito a energias limpas, opções nunca serão suficientes para atender as necessidades do planeta.

Comentários
Topo