Colunas

China fecha acesso livre à internet de hotéis internacionais

iStock

Pequim (iStock)

Na China, as luxuosas recepções de hotéis internacionais têm sido um dos poucos lugares para encontrar brechas no “Great Firewall”, um sistema sofisticado que impede o acesso de usuários online a conteúdos bloqueados, como sites estrangeiros de notícias e redes sociais como Facebook e Twitter.

VEJA TAMBÉM: China pode superar Estados Unidos em inteligência artificial

Agora, porém, essa pequena janela no sistema pode ser fechada também, à medida que Pequim intensifica o controle sobre o seu espaço cibernético doméstico, imitando controles de fronteira do mundo real e sujeito às mesmas leis que Estados soberanos.

Os órgãos reguladores alertaram empresas provedoras de redes de internet para hotéis a pararem de oferecer, ou de ajudar a instalar, redes privadas virtuais (VPNs, na sigla em inglês) nos sistemas hoteleiros – ferramentas que permitem aos usuários escapar, pelo menos parcialmente, dos sensores de internet na China.

“Estamos no meio da tempestade agora, com o governo reprimindo ferozmente as VPNs”, disse Lin Wei, especialista em segurança de rede da Qihoo 360 Technology.

LEIA MAIS: China sai na frente, investe US$ 60 bilhões na África – e vai ganhar muito com isso

Hóspedes no InterContinental ainda podem acessar o Google e o Gmail, ambos ferramentas da Alphabet, mas o Facebook, Twitter e YouTube foram bloqueados pelo governo chinês.

O Ministério de Indústria e Tecnologia da Informação da China, que supervisiona as regulamentações de VPNs, não respondeu aos pedidos de comentários.

Ao mesmo tempo em que aumenta a vigilância sobre o acesso ao conteúdo online proibido, Pequim fechou recentemente dúzias de VPNs no país, provedores estrangeiros viram ataques contínuos em seus serviços, o aplicativo de mensagens WhatsApp foi bloqueado e as empresas de telecomunicações foram instadas a ampliar o controle estatal da internet doméstica.

Comentários
Topo