Colunas

Na ONU, Trump diz que EUA podem ter que “destruir totalmente” a Coreia do Norte

Getty Images

“Nós não teremos outra escolha a não ser destruir totalmente a Coreia do Norte”, diz Trump (Getty Images)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou nesta terça-feira (19) que os EUA serão forçados a “destruir totalmente” a Coreia do Norte a menos que o regime de Pyongyang recue em sua postura nuclear, ironizando o líder norte-coreano Kim Jong Un como um “homem-foguete” em missão suicida.

LEIA MAIS: Em novo livro, Hillary diz ter se sentido horrorizada ao ser perseguida por Trump em debate

Um burburinho tomou conta do plenário da Assembleia Geral da ONU quando Trump fez seu alerta mais severo até agora à Coreia do Norte, cujos recentes lançamentos de mísseis e testes nucleares têm preocupado o mundo.

A menos que Pyongyang desista, disse Trump, “nós não teremos outra escolha a não ser destruir totalmente a Coreia do Norte”. “O homem-foguete está em uma missão suicida para ele mesmo e para seu regime”, acrescentou.

A missão da Coreia do Norte para a Organização das Nações Unidas não respondeu de imediato a pedidos por comentários sobre o discurso de Trump. Um diplomata norte-coreano permaneceu na cadeira da delegação na primeira fila para acompanhar o pronunciamento do presidente dos Estados Unidos, afirmou a missão.

Em sua primeira aparição na reunião anual de líderes mundiais, Trump fez um discurso de 41 minutos para apontar também as ambições nucleares e a influência regional do Irã, a democracia em colapso na Venezuela e a ameaça de extremistas islâmicos.

Entretanto, suas palavras mais fortes foram direcionadas à Coreia do Norte. Ele pediu que os países-membros da ONU trabalhem juntos para isolar o governo de Kim até que ele interrompa o comportamento “hostil”.

VEJA TAMBÉM: Descubra quem são os vizinhos de Donald Trump

Trump disse que o desenvolvimento de armas nucleares e mísseis balísticos pela Coreia do Norte “ameaça o mundo inteiro com um impensável custo da vida humana”.

Ao falar sobre a Venezuela, Trump chamou a situação no país de “completamente inaceitável” e disse que os Estados Unidos não podem assistir passivamente. Ele advertiu que os EUA estão considerando quais ações adicionais podem tomar.

Comentários
Topo