Colunas

Sueca H&M avança na América Latina, mas Brasil fica de fora

A rede sueca H&M, segunda maior varejista de moda do mundo, está em intensa expansão nos países da América Latina – mas o Brasil continua de fora.

LEIA MAIS: Giorgio Armani diz que seu sucessor não precisa ser italiano

Neste ano, a gigante chegou a dois novos mercados na região: Colômbia e Porto Rico. Com isso, passou a ter presença em cinco países latinos, uma vez que já vinha operando no México, no Peru e no Chile.

Nos últimos meses, o grupo abriu sua sétima loja no Peru e inaugurou duas filiais no Chile, onde passou a somar seis endereços.

Graças às novas unidades, as vendas da H&M na América Latina avançaram 61% no primeiro semestre, alcançando US$ 274 milhões,  em 44 lojas.

Atualmente, a H&M tem 27 lojas no México, 7  no Peru, 6 no Chile, 2 na Colômbia, 2 em Porto Rico.

Ainda neste ano, a rede programa a abertura de mais três filiais no México, que passa a ter 30 endereços, além de inaugurações no Chile e no Peru.

VEJA TAMBÉM: LVMH e Kering vetam modelos abaixo do peso das passarelas

Para o próximo ano, a H&M anunciou o seu ingresso no Uruguai, com uma loja em Montevidéu. Também há rumores de que estaria preparando a chegada à Argentina.

BRASIL, DE FORA

No final de 2013, a marca anunciou que abriria sua primeira loja no Brasil naquele ano. A estreia tinha até endereço: a Avenida Paulista, em São Paulo. Na época, a segunda maior varejista do mundo planejava chegar a 40 unidades no país no médio prazo.

Mas o plano acabou sendo abortado.

Desde então, o Brasil tem ficado de fora dos planos de expansão da companhia sueca.

A rede é das raras gigantes de varejo internacional sem presença no mercado brasileiro.

(LURDETE ERTEL – le@forbes.com.br)

Comentários
Topo