Colunas

5 dicas para escolher o investidor-anjo certo para a sua startup

Nesta semana, tive o prazer de entrevistar Rafael Belmonte, 28 anos, um dos expoentes do ecossistema da inovação brasileiro. Ele é vice-presidente da Associação Brasileira de StartUps e fundador da Netshow.me. Também é cofundador do GVentures e da GVAngels, primeira aceleradora universitária non-equity e non-fees do Brasil.

Segundo Belmonte, em 2018, o ecossistema continuará a crescer, e os empreendimentos que surgiram nos últimos anos vão ganhar tração e escala e aquecer a economia. “Existe a crise como motivação para o empreendedorismo, mas muitos começam startups pelo desejo de criar algo próprio e trazer novidades para o mercado. Essa motivação não desaparece fácil.”

Belmonte dá ainda dicas para escolher o investidor-anjo certo para o seu negócio.

Como surgiu a ABStartups e quais os principais objetivos da associação?

RAFAEL BELMONTE – A Associação Brasileira de Startups nasceu em março de 2011, quando o conceito de startups ainda era uma novidade. Ela surgiu a partir da reunião de startups que queriam mais dados sobre o setor e um compartilhamento mais ativo de conhecimento dentro da comunidade empreendedora. Hoje, a associação se tornou um hub para todos os players envolvidos, como governo, grandes empresas e startups.

Existe um movimento na ABStartups junto a entidades públicas para fortalecer políticas que tornem o caminho de empreender menos árduo no Brasil?

RB – Começamos a criar comitês dentro da associação para agrupar os empreendedores dentro de nichos específicos e facilitar o entendimento das demandas das startups por segmento. Hoje, existem edtechs com necessidades diferentes de fintechs quanto a regulações. O primeiro passo para iniciar o movimento de fortalecimento de políticas públicas é criar essa frente coesa de trabalho. Além disso, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo, criamos o Pitch Gov.SP, para buscar empreendimentos inovadores que possam melhorar a prestação de serviços públicos e ajudar o governo a superar desafios estratégicos. Já aconteceram duas edições em São Paulo e trabalhamos em materiais e guias para que essa iniciativa consiga atingir outros Estados.

Onde estão os outros principais pólos de inovação na América Latina?

RB – Atualmente, existem cerca de 5 mil startups cadastradas, sendo o principal polo São Paulo, com aproximadamente 1.324 empresas. Os outros dois principais polos de inovação são Minas Gerais e Rio de Janeiro, que tinham 591 e 343 startups, respectivamente, em 2016.

Quais os maiores desafios que uma startup encontra para captar no mercado brasileiro quando já está validada?

RB – Como as opções no Brasil são restritas, a melhor solução é manter um bom relacionamento com os investidores que tenham sinergia com o seu negócio. Criar e nutrir essa rede para gerar confiança é um dos grandes desafios das startups, principalmente, porque elas precisam se preocupar com o crescimento do seu negócio em primeiro lugar. Ou seja, os maiores desafios de um empreendedor é a gestão do tempo, para conciliar tudo o que é necessário ser feito, e priorizar os processos para entregar o planejado.

Uma das principais características de um bom investidor-anjo é o compartilhamento de experiência e de conhecimento

É imprescindível que toda startup passe por uma aceleradora?

RB – Não. A grande vantagem de uma aceleradora é a rede de mentores e contatos que você conquista lá. É um processo muito rico que de fato acelera o crescimento da startup, mas não é um passo obrigatório. Essa decisão tem de ser baseada na estratégia por trás da empresa quanto à captação de investimento, mentorias e conexões comerciais. Há outras maneiras de conseguir isso.

Quais as melhores e as piores características em um investidor-anjo na sua opinião?

RB – Uma das principais características de um bom investidor-anjo é o compartilhamento de experiência e de conhecimento junto aos seus empreendedores investidos, afinal de contas, dinheiro não é o principal critério que deve ser levado em consideração para um processo de investimento. Por isso, minha dica é sempre trazer para a empresa sócios-conselheiros, e não apenas sócios-investidores.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 5 dicas para escolher o melhor investidor-anjo para a sua startup:

  • 1) Priorize a convergência

    É importante que o investidor tenha ideias complementares. É fundamental encontrar pessoas que tenham o mesmo perfil ou a mesma tese de investimento que o segmento de atuação do negócio. Além disso, é essencial que o investidor-anjo conheça e tenha uma visão ampla do setor em que irá colocar dinheiro.

  • 2) Pesquise antes

    Outro ponto fundamental é com relação à reputação do investidor. O empresário precisa fazer uma busca e saber se há algum processo ou nome sujo. Conversar com algumas pessoas do ecossistema muitas vezes pode ajudar a saber a reputação dos investidores.

  • 3) Busque um parceiro de verdade

    O investidor-anjo precisa se envolver com o negócio, e não pensar somente no retorno financeiro.

  • 4) Cuidado com as contrapartidas

    É preciso evitar que o investidor peça cargo importante na empresa ou até mesmo solicite um salário pela ajuda prestada.

  • 5) Analise bem o contrato

    Fique atento aos termos propostos pelo investidor, pois em muitos casos são incluídas cláusulas longas e sem propósito, que podem prejudicar o negócio futuramente.

1) Priorize a convergência

É importante que o investidor tenha ideias complementares. É fundamental encontrar pessoas que tenham o mesmo perfil ou a mesma tese de investimento que o segmento de atuação do negócio. Além disso, é essencial que o investidor-anjo conheça e tenha uma visão ampla do setor em que irá colocar dinheiro.

Rodrigo Bruno Nahas é advogado, especialista em Direito da Inovação, pós-graduado em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, com passagem pela Universidade de Edimburgo – UK.

Eduardo Barbato é idealizador do Hackerspace3. Cursou Singularity University, com especialização no MIT, dentro em Ecossistema de Inovação.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Comentários
Topo