Colunas

As pedras fazem a festa

Carters News Agency

A esmeralda gigante de Pindobaçu, com 360 quilos (Divulgação)

Recentemente, duas pedras preciosas chamaram a atenção no noticiário internacional. Primeiro, a descoberta de uma esmeralda gigante e, logo depois, o anúncio de que a Rio Tinto iria disponibilizar para aquisição uma de suas raras gemas de diamantes vermelhos. Uma dessas notícias tem endereço nacional, pois a enorme rocha de esmeralda de incríveis 360 quilos e 1,30 metro de altura foi extraída da mina de Carnaíba, em Pindobaçu, cidade no norte da Bahia.

LEIA MAIS: “Diamante da Paz” de Serra Leoa é vendido por US$ 6,5 milhões em leilão

O proprietário da gema gigante manteve segredo sobre o paradeiro da pedra que adquiriu da Cooperativa Mineradora. Não era de se esperar conduta diferente.

Entretanto, o que chama atenção nessa descoberta é a maneira como a pedra foi extraída. A tarefa exigiu a união de dez homens, trabalhando por uma semana 200 metros abaixo da superfície. Foi necessário um guincho para retirar a gema gigante da mina.

Estima-se que a esmeralda gigante tenha o valor de US$ 310 milhões

O resultado é uma peça bruta inteiriça que precisou apenas ser lavada para se livrar da sujeira, o que a valoriza ainda mais. Ainda sem avaliações oficiais, estima-se que a descoberta tenha o valor de US$ 310 milhões.

O proprietário da rara peça não demonstrou planos de colocá-la à venda. Diferentemente da mineradora Rio Tinto, que, do outro lado do mundo, revelou seu maior diamante Fancy Red em um evento em Nova York.

Um seleto grupo de colecionadores pôde conhecer a Argyle Everglow, a pedra preciosa de corte radiante de 2,11 quilates. A gema, medindo a metade de uma moeda de 1 centavo, foi a leilão durante o Argyle Pink Diamonds Tender – exibição anual dos diamantes mais raros da mina Argyle, na Austrália Ocidental, em outubro.

Cercado de sigilo, especulava-se que seu valor rondaria os US$ 10 milhões. De acordo com Josephine Johnson, gerente da mina, essa é uma “raridade entre as raridades”, pois diamantes vermelhos de tamanhos significativos raramente aparecem em leilões.

VEJA TAMBÉM: Laurence Graff compra o maior diamante bruto do mundo por US$ 53 milhões

Para se ter uma ideia, a última notícia que se tem de uma gema com essas proporções é de 2013. Na época, a pedra vermelha de 1,92 quilate foi vendida por cerca de US$ 3,2 milhões. Como se não bastasse, a mina Argyle Diamond, que produz 90% dos raros diamantes rosa do mundo, está programada para fechar até 2021. Ou seja, a fonte pode secar.

O BACCARAT DOS RELÓGIOS

Divulgação

O Atmos 568 é assinado pelo designer australiano Marc Newson (Divulgação)

O que dificilmente vai acabar são os cristais Baccarat, já que o valor deles está no trabalho humano aplicado de modo artesanal na fabricação das peças de transparência ímpar. A relojoaria Jaeger-LeCoultre utiliza a técnica centenária da companhia francesa em seu relógio Atmos.

O modelo, que recebe o material cristalino, é o Atmos 568, assinado pelo designer australiano Marc Newson. O que o diferencia são as linhas orgânicas e contínuas da caixa inteiramente de cristal Baccarat. Uma peculiaridade desse modelo merece ser mencionada: esse, e todos os relógios da linha, vive do ar, literalmente.

E MAIS: Conheça parcerias entre montadoras de automóveis e relojoarias

Dentro de sua cápsula, uma mistura de gases expande-se e contrai-se a cada mudança de temperatura. O mecanismo é tão eficiente que apenas uma alteração de grau de temperatura fornece impulso para mais 48 horas de reserva de marcha. Assim, a peça é naturalmente de corda automática, sem necessidade de intervenção humana. Algo que instiga a lógica.

*Jairo Waisman é diretor executivo da Joalheria Frattina

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Comentários
Topo