Colunas

Asteroide que exterminou dinossauros transformou a Terra em uma superfície congelante

iStock

Novas pesquisas apontam que, depois do Chicxulub, a temperatura média ficou ao redor de -11ºC (iStock)

Os cientistas têm fortes indícios de que o asteroide Chicxulub eliminou os dinossauros há 66 milhões de anos. Entretanto, eles ainda estão descobrindo novas informações sobre esse acontecimento que mudou o curso dos grandes répteis da Terra.

LEIA MAIS: Telescópio Kepler encontra mais 10 planetas com possibilidade de vida

Novas evidências apontam para o quão fria a Terra se tornou depois da passagem do asteroide. Na verdade, o planeta vivenciou, durante muitos anos, uma temperatura congelante.

O asteroide Chicxulub, que tinha entre 9 e 14 km de diâmetro, atingiu a Terra onde hoje está a Península de Iucatã, no México. Esse evento produziu uma das maiores extinções em massa da história. Os geólogos o batizaram de extinção Cretáceo-Paleogeno e foi tão notável no registro estratigráfico que estabeleceu uma mudança no tempo geológico. A extinção em massa matou 75% de todas as espécies animais e vegetais da Terra.

Apesar de a ciência estar chegando a um consenso sobre o fato do asteroide ter desencadeado essa extinção em massa, os cientistas ainda não sabem exatamente como a Terra ficou depois do impacto. O que sabemos é que existiu um grande aumento de poeira por causa de pedras vaporizadas, enxofre e dióxido de carbono. Entretanto, um estudo recente buscou determinar melhor a magnitude do episódio e suas interações.

E MAIS: Nasa descobre planeta com três sóis quatro vezes maior que Júpiter

A pesquisa apontou que a quantidade de gás de enxofre emitida foi significativamente subestimada. O asteroide desencadeou três vezes mais do que se pensava anteriormente, gerando um resfriamento significativo da superfície da Terra. Além disso, descobriu-se que a quantidade de dióxido de carbono produzida foi muito menor do que se imaginava.

Primeiramente, o asteroide vaporizou as rochas, o que gerou uma poeira na atmosfera. Ela bloqueou o sol, causando tanto um resfriamento do planeta quanto menos luz solar para as plantas fazerem a fotossíntese. A liberação de dióxido de carbono, gás do efeito estufa, fez com que o calor do sol ficasse preso na atmosfera – um cenário parecido com o atual. Por fim, o gás de enxofre bloqueou a luz do sol e causou um resfriamento da Terra. Entretanto, vemos que existem dois fenômenos: um que resfriou e outro que esquentou o planeta. Portanto, uma quantidade relativa de cada evento é importante para saber como ficou o clima.

VEJA TAMBÉM: Planeta com as mesmas condições de vida da Terra é encontrado

Esse estudo mostrou que a quantidade de gás de enxofre foi muito subestimado e o dióxido de carbono muito superestimado, o que significa que a Terra era muito mais fria do que pensávamos. As estimativas apontam que a temperatura média da superfície da Terra era 47ºF (aproximadamente 8ºC) menor do que atualmente. A temperatura global média da superfície da Terra é 59ºF (cerca de 15ºC), logo, depois do asteroide Chicxulub, ela estava em 12ºF (aproximadamente -11ºC).

Estima-se que a temperatura da Terra tenha ficado em -11ºC por, pelo menos, três anos depois do impacto. Os invernos plurianuais da série “Game of Thrones” existiram aqui na Terra sob condições extremas. Não é surpresa que 75% das espécies tenham desaparecido em poucos anos. Felizmente, a evolução é extremamente engenhosa e plantas e animais conseguiram prosperar e povoar o mundo.

Comentários
Topo