Colunas

Brasileiros mais ricos ganham 36 vezes o que recebem os mais pobres, mostra Pnad

iStock

A discrepância entre os números foi ainda maior em termos regionais, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, que concentram maior número de pessoas de menor renda (iStock)

O Brasil manteve em 2016 o status de um dos países mais desiguais do mundo quando o assunto é renda, com 1% dos brasileiros com rendimento mais elevado ganhando 36 vezes mais do que metade da população, que tem os menores salários.

LEIA MAIS: 3 mais ricos dos EUA têm fortuna maior que 50% dos mais pobres juntos

Os dados são da Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio (Pnad) divulgada nesta quarta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa pequena fatia da população mais rica tinha rendimento médio mensal de R$ 27.085 no ano passado, ao passo que o rendimento médio dos 50% com os piores salários era de apenas R$ 747, valor abaixo do salário mínimo do ano passado, de R$ 880.

A discrepância entre os números foi ainda maior em termos regionais, principalmente nas regiões Norte e Nordeste, que concentram maior número de pessoas de menor renda.

“O Brasil tem uma das maiores desigualdades no mundo”, disse o coordenador do IBGE, Cimar Azeredo. “Em tempos de crise, essa desigualdade se acentua”, acrescentou, lembrando que o período de recessão (2014 a 2016) afetou sobretudo a população de baixa renda.

O índice de GINI, uma métrica internacional para medir a desigualdade dos países, ficou em 0,525, na escala que vai de zero a 1. Quanto mais perto de zero, menor a desigualdade de um país.

VEJA TAMBÉM: Brasileiro que recebe salário mínimo levaria 19 anos para ganhar renda mensal de “super-ricos”

No Nordeste, ainda segundo o IBGE, o GINI atingiu em 2016 0,545, enquanto que no Sul ficou em 0,465.

A Pnad de 2016 passou por uma mudança no seu questionário no item relativo ao rendimento e, por isso, os dados de agora não são comparáveis com informações divulgadas até então. O IBGE pretende ainda no primeiro semestre de 2018 publicar os dados que possam ser comparáveis a anos anteriores.

O IBGE divulgou ainda que o país tinha 1,8 milhão de crianças de 5 a 17 anos trabalhando em 2016.

Comentários
Topo