Colunas

Noivado de príncipe Harry mostra monarquia britânica se distanciando de escândalos do passado

Getty Images

Harry anunciou que se casará com Meghan Markle, com a bênção de sua avó, a rainha (Getty Images)

O rei Eduardo 8º sacrificou o trono e a irmã da rainha Elizabeth, Margaret, desistiu de seu verdadeiro amor, mas para o príncipe Harry se casar com uma mulher divorciada não é mais um tabu para continuar pertencendo à realeza ou seguir seu coração.

LEIA MAIS: Príncipe Harry e atriz norte-americana Meghan Markle anunciam casamento

Nesta segunda-feira (27) Harry, o quinto na linha sucessória para o trono britânico, anunciou que se casará com a namorada, a atriz norte-americana Meghan Markle, com a bênção de sua avó, a rainha.

As tradições sociais britânicas se transformaram nas últimas décadas, mas a monarquia continua sujeita a uma série de valores cristãos mais tradicionais. Por isso, a aprovação da rainha é uma demonstração enfática do quanto a monarquia mudou e se modernizou nos últimos 80 anos, quando a ideia de um membro da família real se casar com uma pessoa divorciada era inconcebível. “É extraordinário o quanto avançamos desde os anos 1930”, opinou a biógrafa real Claudia Joseph. “Em menos de um século os tempos mudaram a ponto de se tornarem irreconhecíveis.”

O rei Eduardo 8º, tataravô de Harry, desencadeou uma crise constitucional em 1936 ao insistir em se casar com a socialite norte-americana Wallis Simpson, divorciada duas vezes, causando horror no establishment, no governo e na Igreja da Inglaterra, que a monarquia comanda nominalmente. Seu romance foi chamado de “a maior história de amor do século 20”. Eduardo abdicou depois de meros 11 meses no trono e foi morar na França, o que levou o pai de Elizabeth, George 6º, a se tornar rei inesperadamente.

Comentários
Topo