Atriz pornô processa Trump por “acordo de silêncio”

Getty Images
Stormy Daniels argumenta que tem liberdade para debater publicamente seu relacionamento com Trump (Getty Images)

A atriz pornô norte-americana Stormy Daniels processou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ontem (6), alegando que ele nunca assinou um acordo para silenciá-la a respeito de um relacionamento íntimo entre os dois. Trump nega ter tido um caso com Stormy.

LEIA MAIS: Lista de bilionários FORBES: apesar da queda, Trump continua sendo o presidente mais rico da história dos EUA

A atriz, cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford, iniciou a ação civil em Los Angeles argumentando que o acordo é inválido e que tem liberdade para debater publicamente seu relacionamento com Trump.

A ação civil, que o advogado de Stephanie, Michael Avenatti, publicou em um tuíte, diz que ela assinou o acordo e uma carta secundária usando um nome artístico em 28 de outubro de 2016, dias antes da eleição presidencial norte-americana realizada naquele ano.

O advogado de Trump, Michael Cohen, assinou o documento no mesmo dia, mas Trump nunca o fez, afirma o processo.

O “acordo de silêncio”, como é chamado na ação, se refere a Trump como David Dennison e a Stephanie como Peggy Peterson. A carta secundária revela as identidades reais das partes como Stephanie e Trump, segundo a ação civil.

VEJA TAMBÉM: Donald Trump sem filtro: presidente dos EUA conversa com FORBES

Na ação, Stephanie pede ao Supremo Tribunal de Los Angeles que declare o acordo e a carta inválidos e impraticáveis.

A Casa Branca não respondeu de imediato a um pedido de comentário. Avenatti não comentou o assunto.

De acordo com a ação civil, Stephanie e Trump tiveram um relacionamento íntimo que começou no verão de 2006 e se estendeu por boa parte de 2007, incluindo encontros em Lake Tahoe e no Beverly Hills Hotel. A atriz e o presidente teriam se conhecido em um torneio de golfe em Lake Tahoe, não muito tempo depois de a esposa do presidente, Melania, dar à luz o filho Barron.

Cohen disse ter pago 130 mil dólares de seu próprio bolso à atriz em 2016, o ano em que Trump foi eleito, mas que nem a Organização Trump nem a campanha se envolveram na transação, embora tenha se recusado a dizer publicamente para que o dinheiro foi usado.

E TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

A ação civil afirma que o acordo de silêncio de 2016 estipulou o depósito de 130 mil dólares na conta fiduciária do então advogado de Stephanie. Em troca ela não revelaria nenhuma informação confidencial sobre Trump.

A ação alega ainda que em 27 de fevereiro deste ano Cohen tentou impedir a atriz de falar sobre o relacionamento.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).