“Empreender é algo de longo prazo”, diz Bruno Esperança, diretor-geral da Esalflores

Divulgação
Bruno Esperança quer fazer da Esalflores a maior floricultura do Brasil até 2020. (Divulgação)

A meta estipulada pelo jovem Bruno Esperança quando assumiu a floricultura criada pelos pais há mais de duas décadas parece estar perto de ser atingida. E ela não era nada modesta: fazer da Esalflores a maior floricultura do Brasil até 2020.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Diretor geral da empresa desde os 22 anos, o jovem – eleito Under 30 por FORBES Brasil em 2016, aos 29 anos – viu, desde então, os negócios crescerem rapidamente. Naquela época, Bruno havia começado a trazer da Itália as Flower Machines, máquinas automáticas de venda de flores parecidas com as de refrigerante, com investimento de R$ 1,5 milhão. Em 2018, a Esal já tem 50 máquinas espalhadas por 20 estados brasileiros.

Em termos de pontos de venda e extensão territorial, a conquista de Bruno veio antes do previsto: com 100 PDVs e entrega em mais de 800 cidades brasileiras, a Esal já é a maior, atualmente, do país.

Veja, a seguir, a entrevista de Bruno Esperança sobre o crescimento de seus negócios depois de ser eleito Under 30:

FORBES Brasil: Como você se sentiu quando soube que iria participar do Under 30?

Bruno Esperança: Eu sempre sinto um gelinho quando vocês falam FORBES, ainda hoje… E acho que não é só comigo, é com todo mundo. E é gostosa essa sensação, porque é um sonho para qualquer empreendedor. A gente sempre imagina, mas não acredita. Para um empreendedor, ser entrevistado por FORBES é como ganhar na mega sena. Eu nunca ganhei na mega sena, mas é um presente. É o reconhecimento máximo que você pode alcançar. Foi essa a sensação que eu tive.

LEIA: “Sair na lista da FORBES colocou luz sobre a minha liderança”, diz Eduardo Lyra sobre o UNDER 30

FORBES: Você esperava alguma coisa assim?

Bruno: Eu sempre trabalhei muito, mas não esperava. Foi uma surpresa única. Eu acho que, se eu for descrever, nem ganhar na mega sena deve ser tão legal quanto receber uma ligação dessa. Foi muito bom, porque eu estava em uma fase em que estava fazendo um balanço da minha vida, do que estava fazendo. E aí veio o reconhecimento de FORBES Brasil.

Naquela época, a gente estava começando o projeto de máquinas pelo Brasil. Estávamos com quase todas elas estabelecidas, mas ainda não implantadas. Hoje, estamos em 20 estados, vamos para a décima loja agora. Curitiba, São Paulo, Recife e Florianópolis são as cidades em que temos abrangência com lojas físicas. Em São Paulo são quatro lojas, três em Curitiba, uma em Floripa e uma em Recife.

FORBES: E quantas máquinas?

Bruno: A gente agora está fechando com 50 máquinas espalhadas por 20 estados. Há lojas da Esal de Porto Alegre até Manaus, em shoppings e aeroportos. Eu sempre ouvia que hoje a estratégia das empresas era fazer o omnichannel, em que você tem um canal único para o seu produto. E eu me sentia provocado! Pensava em como eu poderia fazer isso no meu negócio. É flor, uma coisa tradicional. E hoje, de certa forma, a gente conseguiu: são dez lojas físicas; a máquina, que está em 50 lugares; parcerias com lojas de material de construção e supermercados… Administramos o setor de flores nesses pontos de venda, e isso faz com que a gente esteja no Paraná e em Santa Catarina em mais de 60 locais. Aí tem o e-commerce, que a gente já entrega em mais de 800 cidades do Brasil.

FORBES: O e-commerce tem tido crescimento?

Bruno: Um crescimento bem significativo. Hoje ele já representa, no nosso negócio, cerca de 30% das vendas. Vamos apostar muito, agora nos próximos anos, nessa alavancagem ainda maior do comércio eletrônico. Nessa questão do omnichannel, tão falada, a gente conseguiu evoluir e a máquina coroou isso. Parece que aconteceu depois de FORBES, sabe? Foi tudo junto! Eu pensei: “Que legal, estou fazendo juz ao que me foi creditado!”. É uma responsabilidade muito grande, né? Quando você é listado, as pessoas têm uma admiração ainda maior. Então você tem que pregar o que foi confiado a você.

E MAIS: “Tem dia que você acorda herói e dorme se sentindo fracassado”, diz Cristian Trentin sobre empreender

FORBES: Você acha que o fato de participar da lista teve impacto nos negócios?

Bruno: A visibilidade da empresa foi muito maior em relação ao que a gente já tinha, foi muito legal. Eu não posso precisar o quanto isso impactou em crescimento de vendas, mas o Bruno Esperança antes de FORBES e depois de FORBES são diferentes no sentido de visibilidade. A credibilidade de empreendedor foi ainda maior depois do título de Under30.

FORBES: Você fez parte da lista em 2016. Você tem números do crescimento de lá até agora?

Bruno: Naquela época, tínhamos três lojas físicas, nossos únicos pontos de venda. Agora eu já tenho mais de uma centena de PDVs, entre máquinas, lojas dentro de outras lojas e lojas próprias. O nosso faturamento cresceu muito de lá pra cá. Entramos em dois novos estados, Santa Catarina e São Paulo.

FORBES: Quais são os próximos projetos? Alguma coisa em vista?

Bruno: A intenção agora é crescer em cada lugar onde já estamos. Temos projetos de abrir uma filial no Rio de Janeiro e uma em Belo Horizonte – filial mesmo, não só máquinas. Queremos também ampliar a nossa marca. Sempre tivemos o sonho de, até 2020, ser a maior floricultura do Brasil. Em termos de pontos de venda e em extensão territorial, nós já somos. Agora queremos nos consolidar como a maior do país também em todos os demais aspectos.

FORBES: Falta investir em que áreas para alcançar esse objetivo?

Bruno: Hoje é orgânico. A gente estruturou a empresa, estruturamos a malha, entramos nas regiões nordeste, centro-oeste e sudeste. A ideia agora é crescer nessas regiões, mas com essas bases que a gente já criou. Na época de FORBES, o pensamento era de estruturar isso para colher os frutos agora. Então, quatro anos depois, queremos colher esse resultado de malha, para que seja possível fazer nossas entregas e vendas no Brasil todo, mas de uma forma segura, que chegue rápido e com qualidade.

LEIA TAMBÉM: “Um bom empreendedor arrisca no momento certo”, diz Lilly Sarti

FORBES: Que conselho você daria para um empreendedor que queira estar na nossa lista?

Bruno: A flor tem espinhos, e cada espinho também é bonito e ele está ali porque tem um sentido. A gente entende isso aqui na empresa como um desafio. E se você acreditar e persistir, com certeza colherá resultados. Eu acho que empreender é algo de longo prazo, então não desanime no curto prazo. Pense que um dia você colherá os frutos.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).