Produtora de “O Lobo de Wall Street” pagará US$ 60 milhões para encerrar processo

Reprodução
A produtora do filme “O Lobo de Wall Street” havia anunciado em setembro que tinha chegado a um acordo com o governo dos EUA (Reprodução)

A empresa por trás do filme “O Lobo de Wall Street” (2013) concordou em pagar US$ 60 milhões ao governo dos Estados Unidos para encerrar uma ação civil que pedia a apropriação de bens supostamente adquiridos com dinheiro roubado de um fundo estatal da Malásia.

LEIA MAIS: 10 filmes clássicos que completam 25 anos em 2018

A produtora do filme, Red Granite Pictures, cofundada pelo enteado do primeiro-ministro malaio, havia anunciado em setembro que tinha chegado a um acordo com o governo dos EUA, mas à época não revelou nenhum valor.

De acordo com documentos apresentados hoje (7) a um tribunal da Califórnia, a empresa também pagou para encerrar processos a respeito de seus direitos e juros relativos a dois outros filmes, “Pai em Dose Dupla” e “Débi e Lóide 2”.

“Estamos contentes por, finalmente, deixar esta questão para trás e esperamos poder redirecionar toda nossa atenção de volta ao nosso negócio de cinema”, disse a Red Granite em um comunicado incluído entre os documentos.

Os procuradores norte-americanos alegaram que os três filmes foram financiados pela Red Granite usando dinheiro desviado do 1Malaysia Development Berhad (1MDB), um fundo estatal criado em 2009 pelo primeiro-ministro malaio, Najib Razak.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

Embora Najib não tenha sido alvo de nenhuma ação, vários de seus sócios, inclusive seu enteado Riza Aziz, foram mencionados por investigadores dos EUA. Najib e Riza vêm negando insistentemente qualquer irregularidade.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).