Professores tecnológicos: escola finlandesa testa robôs educadores

O robô Elias é capaz de entender e falar 23 idiomas e é equipado com um software que permite entender as necessidades dos alunos

Elias, o novo professor de idiomas em uma escola primária finlandesa, tem uma paciência infinita para a repetição, nunca faz um aluno se sentir envergonhado por fazer uma pergunta e pode até fazer a dança “Gangnam Style”. Elias é um robô.

LEIA MAIS: Fabricantes de robôs demoram a enfrentar risco cibernético

A máquina de ensino de línguas compreende um robô humanoide e uma aplicação móvel, um dos quatro robôs de um programa piloto em escolas primárias na cidade de Tampere.

O robô é capaz de entender e falar 23 idiomas e é equipado com um software que permite entender as necessidades dos alunos e ajuda a incentivar o aprendizado. Neste piloto, no entanto, ele se comunica apenas em inglês, finlandês e alemão.

O robô reconhece os níveis de habilidade do aluno e ajusta suas perguntas de acordo com eles. Também dá feedbacks aos professores sobre os possíveis problemas de um aluno.

Alguns dos professores humanos que trabalharam com a tecnologia veem isso como uma nova maneira de envolver as crianças no aprendizado. “Eu acho que no novo currículo a ideia principal é envolver as crianças, motivá-las e torná-las ativas. Eu vejo Elias como uma das ferramentas para levar diferentes tipos de prática e diferentes tipos de atividades para a sala de aula”, disse à Reuters a professora Riika Kolunsarka.

Elias, o robô de linguagem, com cerca de 30 centímetros de altura, é baseado no robô humanoide interativo NÃO, da SoftBank, com software desenvolvido pela Utelias, um desenvolvedor de sistemas educacionais para robôs sociais.

VEJA TAMBÉM: UNDER 30 de FORBES Brasil terá indicações online

O robô Maths – apelidado de OVObot – é uma pequena máquina azul com cerca de 25 cm de altura, parece com uma coruja e foi desenvolvido pela finlandesa AI Robots.

O objetivo do projeto piloto é verificar se esses robôs podem melhorar a qualidade do ensino. Atualmente, um dos robôs Elias e três dos OVObots estão nas escolas. Os OVObots serão testados por um ano, enquanto a escola que comprou o robô Elias espera que seu uso continue por mais tempo.

Usar robôs em salas de aula não é novidade – máquinas do tipo têm sido usadas no ensino no Oriente Médio, na Ásia e nos Estados Unidos nos últimos anos, mas tecnologias modernas como serviços em nuvem e impressão 3D estão permitindo que startups entrem no setor.

“É divertido, interessante e excitante, e estou um pouco chocado”, disse o estudante Abisha Jinia à Reuters, dando seu veredicto sobre Elias, o robô linguístico.

Apesar de suas habilidades em idiomas e matemática, a incapacidade dos robôs em manter a disciplina das crianças em sala de aula significa que, pelo menos por enquanto, o trabalho dos professores humanos está assegurado.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).