Costa Rica será o primeiro país a zerar emissão de carbono

iStock
A Costa Rica já fez grandes progressos na transição para uma economia totalmente sustentável e com pouca emissão carbono

O presidente eleito da Costa Rica, Carlos Alvarado, fez a promessa em seu discurso de posse, no qual descreveu a “tarefa titânica e bela” de abolir o uso de combustíveis fósseis. “A descarbonização é a grande tarefa de nossa geração, e a Costa Rica deve estar entre os primeiros países do mundo a alcançá-la, se não for a primeira”, disse.

LEIA MAIS: Empregos em energia renovável batem a marca de 10 milhões

Ele definiu como meta o ano de 2020 para o país estar na liderança do caminho em direção aos objetivos do acordo climático de Paris, com o propósito de se tornar um “laboratório” de boas práticas.

A data de 2020 é significativa não apenas por ser o momento em que o acordo de Paris entrará em vigor, mas também será o 200º aniversário da independência da Costa Rica. “Para o bicentenário, temos o dever ético de liderar o mundo, como fizemos no passado. Temos de ser ágeis e inovadores. Somos chamados para proteger os ecossistemas e a biodiversidade ”, acrescentou.

O presidente também se comprometeu a administrar melhor os parques nacionais da Costa Rica, que representam cerca de 25% de todo o país e são uma grande atração turística.

A Costa Rica já fez grandes progressos na transição para uma economia totalmente sustentável e com pouca emissão carbono. Suas abundantes fontes de energia hidrelétrica e geotérmica resultaram em quase toda a sua eletricidade ser renovável. Em 2017, passou 300 dias sem o uso de combustíveis fósseis para suprir suas necessidades elétricas.

Alvarado obteve 60% dos votos no segundo turno das eleições do mês passado. Aos 38 anos, ele também se tornou um dos chefes de Estado mais jovens do mundo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).