O que importa e o que não interessa no empreendedorismo social

iStock
Os filantropos William F. Meehan III e Kim Starkey Jonker perceberam que eles foram moldados pela influência do encontro com dois dos maiores empreendedores sociais da história recente

Seja qual for o seu papel no mundo sem fins lucrativos, executivo, funcionário, membro do conselho ou filantropo, identificar seus princípios fundamentais é um elemento essencial nas escolhas de seu foco e do seu papel. Ao analisar estes aspectos, os filantropos William F. Meehan III e Kim Starkey Jonker perceberam que eles foram moldados pela influência do encontro com dois dos maiores empreendedores sociais da história recente.

LEIA MAIS: Kimbal Musk sorteia Tesla Model 3 VIN #6 para arrecadar fundos para caridade

Quando Meehan era veterano na Universidade de Columbia, em 1974, teve um encontro casual com um colega de classe que o levou a um trabalho como pesquisador de Bill Drayton, que era, então, um associado da McKinsey & Company e liderava um projeto de desenvolvimento de papéis para idosos para a Fundação Edna McConnell Clark .

Cerca de uma década depois, ele encontrou a ONG Ashoka e, assim, lançou o movimento que hoje chamamos de empreendedorismo social. O relacionamento de Meehan com Drayton moldou sua vida e sua carreira: McKinsey, Ashoka, empreendedorismo social e, mais tarde, um programa de administração pública da Escola de Negócios de Stanford.

Meehan também aprendeu com Drayton o que é preciso para ter alto impacto social em escala: foco pessoal implacável e persistência, geralmente ao longo de décadas; fibra e ética; uma teoria lógica da mudança; e rigor no pensamento e na execução que correspondam à complexidade e à ambiguidade do problema social que a organização enfrenta.

Durante seus anos como estudante, Kim aconselhou e liderou o processo de avaliação e seleção do Prêmio Henry R. Kravis em Liderança Sem Fins Lucrativos. Em 2005, enquanto ajudava a classificar os candidatos para a edição inaugural, teve uma experiência, que a informou sobre o setor sem fins lucrativos e sua abordagem para um alto impacto em escala, com Meehan.

Ela lembra que estava sentada em uma grande mesa de conferência, às voltas com um pilha imensa de material para a nomeação, e que muitas das fichas estavam cheias de jargões: havia declarações de missão elevadas, mas vazias, que diziam pouco sobre o que as organizações realmente faziam. Além disso, essas ONGs não atingiam muitas pessoas e tinham pouca ou nenhuma evidência para mostrar que o trabalho delas causou algum impacto real.

VEJA TAMBÉM: Tom Brady raspa a cabeça e arrecada US$ 7,5 milhões para carida

Então, veio o momento do qual Kim se lembra vividamente. Ela pegou a indicação de um candidato que se destacou, Roy Prosterman, líder de uma organização agora chamada Landesa, que promove os direitos à terra e a reforma agrária para a população rural pobre em todo o mundo. Ao longo de quatro décadas, a Landesa melhorou a vida de mais de 400 milhões de pessoas em vários países.

Kim notou que, sob a liderança de Prosterman, a Landesa havia desenvolvido uma missão clara e focada, pois havia formulado uma estratégia elegante e rigorosa, concentrando-se em escalar seu impacto, e não apenas em aumentar o tamanho de sua organização. De fato, durante a maior parte de seus primeiros 20 anos, a ONG operou com um orçamento anual de menos de US$ 2 milhões. Durante todos esses anos, o escritório de Prosterman era um apartamento de um quarto tão pequeno que ele sua equipe tinham de guardar metade dos arquivos na banheira e a outra metade no fogão.

Kim lia a descrição de um impacto em escala real. Prosterman se tornou o primeiro vencedor do Prêmio Kravis e, nos anos subsequentes, outros vencedores, como Pratham, BRAC e Helen Keller International, reforçaram visões sobre missão, estratégia e escala, entre outros tópicos essenciais..

Em 2013, Meehan e Kim uniram forças para liderar um dia de aprendizado com os vencedores do Prêmio Kravis. Eles reuniram suas observações preliminares em uma série da Stanford Social Innovation Review, batizada “Fundamentals Not Fads” (“Fundamentos, Não Modismos”, em tradução livre).

As perspectivas de Meehan e Kim sobre o que é uma excelente liderança sem fins lucrativos e filantrópica continuaram a ser reforçadas por meio de seu trabalho nos últimos anos com a King Philanthropies, como fundadores de organizações sem fins lucrativos com intervenções comprovadas no alívio da pobreza extrema, na extensa assessoria de uma ampla gama de outras ONGs de meio ambiente, artes cênicas e saúde, e na educação de futuros empreendedores sociais, executivos, líderes de conselho e filantropos, na Escola de Negócios de Stanford.

Ambos têm visto muitas das melhores organizações sem fins lucrativos e entendem o que é necessário para se tornar uma. Mas também têm observado o restante, a maioria das ONGs que, por mais bem intencionadas que sejam, são muito pequenas ou não têm recursos suficientes nem têm foco ou rigor para ter uma grande influência. Há muitos empreendedores sociais jovens e atraentes que “tiveram uma ideia na noite passada” para aliviar a pobreza extrema ou resolver a crise da educação pública dos EUA, sem compreenderem a complexidade, o compromisso com a vida, o rigor e a persistência envolvidas, mesmo com uma base sólida.

Para Meehan e Kim, está muito claro que Drayton e Prosterman foram essenciais para moldar seus princípios básicos de liderança filantrópica e sem fins lucrativos. Eles encorajam todos a analisar as fontes de seu pensamento, motivações e ideais para a sua liderança.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).