A briga entre a American Airlines e o espaço dos passageiros

Divulgação
Com apenas 61 cm de largura, minúsculos banheiros instalados em seus novíssimos aviões Boeing 737-MAX são muito pequenos e problemáticos para serem usados ​​pela maioria dos adultos

25 segundos e 61 centímetros. Nenhum deles é muito grande em termos de tempo ou espaço. Mas ambos são enormes indicadores do que viajantes de diferentes culturas são e não estão dispostos a suportar.

LEIA MAIS: American Airlines faz pedido de 15 jatos E175 da Embraer

Na semana passada, a companhia ferroviária que opera trens que passam pela Estação Notogawa, na província de Shiga, Japão, a leste de Kyoto, pediu desculpas por um de seus trens que partiu da estação com 25 segundos de antecedência. Essa foi a segunda vez que aconteceu na história. Em novembro, um trem partiu das Estações Notogawa 20 segundos mais cedo, provocando um grande clamor entre os passageiros que dependem desses trens para voltar ao trabalho e ir para casa.

Enquanto isso, a companhia aérea que voa mais pessoas a maiores distâncias do que qualquer outra no mundo, ignora, em grande parte, as queixas de seus próprios comissários de bordo, dos blogueiros e defensores do consumidor. Com apenas 61 cm de largura, minúsculos banheiros instalados em seus novíssimos aviões Boeing 737-MAX são muito pequenos e problemáticos para serem usados ​​pela maioria dos adultos.

No primeiro caso, a resposta profunda e apologética da linha ferroviária japonesa nos diz quanto poder de mercado os viajantes japoneses têm e quão exigente é o grupo. Passageiros de trem japoneses esperam que seus trens saiam precisamente no horário, nem um segundo atrasado e nem um segundo mais cedo. Na verdade, eles organizam suas vidas em torno de um alto grau de precisão operacional e esperam de seu prestador de serviços um alto padrão de desempenho.

Mas o último caso nos diz que os funcionários da American Airlines acreditam – e podem estar certos – que detêm o poder de forçar 156 passageiros a compartilhar apenas dois banheiros que são tão pequenos que uma só pessoa tem espaço lavar uma mão por vez. Na verdade, esses banheiros são tão estreitos que os passageiros supostamente precisam decidir antes como entrar, de frente ou de costas. Isso porque, uma vez lá dentro com a porta fechada, não há espaço suficiente para se virar.

VEJA TAMBÉM: Boeing obtém encomenda da American Airlines para 47 jatos 787 Dreamliners

Ao contrário dos viajantes ferroviários japoneses, os passageiros aéreos americanos aparentemente têm expectativas muito baixas para seus provedores de serviços de viagens e são muito menos considerados pelos executivos de transporte. Eles estão dispostos a suportar muito desconforto e falta de consideração para chegar aonde querem de forma relativamente rápida e a um preço relativamente baixo.

Funcionários da American Airlines, e também de outras empresas americanas, conhecem muito bem o mercado. Eles sabem que podem se safar impondo tais indignidades aos seus clientes pagantes e enfrentando poucas consequências significativas. Eles podem até ouvir uma queixa de vez em quando, ou algumas piadas negativas contadas na TV tarde da noite, mas sabem que não venderão menos passagens.

Na verdade, eles esperam vender ainda mais assentos em seus aviões. É por isso que eles estão fazendo isso.

O uso desses minúsculos banheiros pela companhia aérea faz parte de um plano mais amplo para extrair mais receita de cada um dos seus voos já lotados. O plano é equipar talvez mais de 500 Boeings 737 com esses toaletes ridiculamente pequenos e 172 assentos lotados. Antes, os 737 da American Airlines eram equipados com 160 assentos.

O primeiro avião 737 equipado com 172 assentos e dois minúsculos banheiros, cada um do tamanho de uma cabine telefônica antiga, entrou em serviço em novembro. Mas estão chegando mais a cada mês. A American Airlines encomendou 100 aeronaves 737-MAX, a mais nova versão da aeronave mais popular da Boeing.

Além disso, quase todos os 737-800 existentes na linha aérea (atualmente há mais de 300 deles) estão programados para serem adaptados com os mesmos toaletes e mais 12 assentos nos próximos dois anos. Somente os aviões mais antigos não obterão a nova configuração, apenas porque não serão mais utilizados.

E, se você está se perguntando, o 737-Max e o 737-800 são exatamente do mesmo tamanho no interior. Ou seja, eventualmente, todos os 737 da América serão igualmente desconfortáveis ​​e apertados.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).