Navio subaquático de R$ 135 milhões promete revolucionar as explorações marítimas

O conceito de combinar navio e submarino em um único modelo foi idealizado há décadas pelo arquiteto naval Jacques Rougerie, mas, apenas recentemente, tomou a forma de um novo projeto de ‘navio subaquático’, pensado para ajudar pesquisadores em suas descobertas e explorações marítimas.

MAIS IATES: Conheça o Admiral X Force 145 , um dos mais caros e luxuosos iates do mundo (no futuro)

O protótipo, avaliado em aproximadamente € 35 milhões (R$ 135 milhões), foi desenvolvido para ser o primeiro navio vertical do mundo capaz de permitir que exploradores e cientistas percorram as profundezas, ainda desconhecidas, do fundo do mar (considerando que 90% dos oceanos do mundo ainda permanecem ‘intocáveis’).

Rougerie afirmou, em entrevista à rádio francesa French Inter, que dentro da água ele se sente uma pessoa diferente e muito melhor, e que esse foi um dos motivos que o levou a concretizar a sua ideia de um navio submarino.

Veja na galeria de fotos as principais características do novo projeto naval milionário:

  • O projeto

    Jacques Rougerie divulgou publicamente o protótipo do que deve ser o primeiro navio vertical do mundo, que prometepossibilitar ao homem uma nova maneira de explorar o fundo do mar.

    De acordo com o arquiteto, sua invenção, batizada de Sea Orbiter, se tonará realidade em um futuro muito próximo. “O navio poderá ser descrito como uma plataforma submarina científica e irá oferecer uma visão permanente para tudo o que está abaixo da superfície do mar”, diz Rougerie .

  • Características

    O navio, projetado com um formato de nariz de tubarão, será capaz de acomodar cerca de 7.000 pesquisadores, professores e estudiosos, com uma estrutura que suporta espaços para laboratórios, cômodos e salas de aula.

    Equipamentos de navegação e comunicação ficarão acima da superfície, juntamente com uma plataforma de observação, enquanto oscientistas permanecerão debaixo da água, dentro de um ambientepressurizado onde os mergulhadores sairão em missões exploratórias. O sistema anti-colisão da estrutura é baseado no que é atualmente utilizado na Estação Espacial Internacional.

  • Capacidade

    Capaz de substituir veículos submarinos de exploração naval, o navio está sendo projetado para conduzir análises científicas para até 6.000 metros de profundidade. Além disso, o navio usaráem sua construção metais capazes de gerar toda a eletricidade necessária para operar em situações de tempestades, fortes ondas e luz solar intensa.

    De acordo com Rougerie, atualmente os oceanógrafos só podem mergulhar por curtos períodos de tempo, e precisam sertrazidos para a superfície dentro do período de uma hora. Então, a ideia do projeto é construir um navio capaz de permitir que os pesquisadores passem dias no fundo do mar.

  • Custos

    Apelidado de “Sentinela dos Oceanos”, o projeto custará aproximadamente € 35 milhões, mas, para isso, conta com investidores mundialmente conhecidos, como a marca de relógios de luxo Rolex, a indústria naval DCNS e outras inúmeras organizações cientificas, como Nasa e National Geographic.

    Rougerie, junto aos outros desenvolvedores do protótipo, já conseguiu arrecadar mais de 70% dos custos necessários para a construção do navio. Parte deste dinheiro surgiu a partir de uma campanha de crownfunding on-line.

O projeto

Jacques Rougerie divulgou publicamente o protótipo do que deve ser o primeiro navio vertical do mundo, que prometepossibilitar ao homem uma nova maneira de explorar o fundo do mar.

De acordo com o arquiteto, sua invenção, batizada de Sea Orbiter, se tonará realidade em um futuro muito próximo. “O navio poderá ser descrito como uma plataforma submarina científica e irá oferecer uma visão permanente para tudo o que está abaixo da superfície do mar”, diz Rougerie .

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).