20 fatos sobre a internet que você (provavelmente) não sabe

Ao contrário de algumas tendências momentâneas da era digital, a tecnologia da informação e o armazenamento de dados não se trata de uma moda passageira, e conhecer a internet não significa apenas passar horas na frente do seu computador ou smartphone.

NEGÓCIOS: Apesar da crise, setor de tecnologia no Brasil cresce dois dígitos

Atualmente, vivemos em pleno início de uma revolução industrial globalizada, capaz de interferir diretamente na nossa vida pessoal e profissional pela quantidade de informações, dados e conexões on-line que estão sendo feitas a cada segundo, neste exato momento.

Apesar disso, muitas pessoas ainda estão tratando o conceito de “big data”, termo usado para descrever o grande armazenamento de informações na rede, como algo que podem ignorar, sem tomar consciência de sua importância para o mundo.

LISTA: 15 países com mais computadores por estudante do mundo

Para provar todo esse valor e a dimensão dos novos recursos tecnológicos e da hiperconectividade digital, Bernanrd Marr, escritor e consultor corporativo especializado em big data e desempenho empresarial, reuniu 20 fatos inusitados sobre o assunto que você (provavelmente) ainda não conhece. Veja na galeria de fotos quais são eles:

  • 1)O volume de dados criado nos últimos dois anos é maior do que a quantidade produzida em toda a história da humanidade.

  • Atualmente, o número de dados armazenados na internet vem crescendo mais rápido do que nunca e tudo indica que até 2020 cerca de 1,7 megabyte de novas informações serão criadas por segundo para cada uma das pessoas no planeta.

  • A quantidade de dados armazenados atualmente é de aproximadamente 4,4 zettabyetes (ZiB) e, em até 5 anos, esse volume deve passar para cerca de 44 zettabytes (ZiB) ou 44 trilhões de gigabytes.

    (Nota: 1 ZiB corresponde a 1.000.000.000.000.000.000.000 de bytes.)

  • A cada segundo nós criamos um novo dado. Um exemplo disso é que, só no Google, a humanidade faz cerca de 40.000 consultas por segundo, o que significa 3,5 bilhões de buscas por dia e 1,2 trilhão por ano.

  • Em agosto de 2015, mais de 1 bilhão de pessoas usaram o Facebook em um único dia.

  • Usuários do Facebook enviam uma média de 31,25 milhões de mensagens e assistem a 2,77 milhões de vídeos por minuto a cada dia.

  • Só no YouTube, mais de 300 horas de vídeo são enviadas no canal por minuto.

  • Para 2015, estima-se cerca de 1 trilhão de fotografias tiradas, entre as quais bilhões serão compartilhadas on-line. Além disso, até 2017, calcula-se que 80% das fotos serão feitas por smartphones.

  • Neste ano, mais de 1,4 bilhão de smartphones serão comercializados com sensores capazes de coletar todos os tipos de dados, sem mencionar as informações que serão geradas pelos usuários.

  • Até 2020, o mundo terá mais de 6,1 bilhões de smartphones espalhados entre a população global, número que ultrapassa o volume atual de assinaturas de telefones fixos no planeta.

  • Em 5 anos, haverá mais de 50 bilhões de dispositivos conectados pelo mundo, desenvolvidos para a coleta, análise e compartilhamento de dados.

  • Pelo menos um terço de todas as informações divulgadas no mundo passarão pela nuvem, rede de servidores conectados pela internet, até 2020.

  • O Google usa o sistema de softwares distribuídos e dispõe de até 1.000 computadores para responder cada pergunta feita em uma única consulta pela página, em até 0,2 segundos.

  • Até 2020, o mercado do Hadoop, uma estrutura de códigos abertos para o armazenamento e processamento de dados, deve crescer em até 58%.

  • Estimativas apontam que, devido ao avanço dos sistemas de armazenamento de dados pela internet, o setor da saúde nos Estados Unidos pode vir a economizar mais de US$ 300 bilhões por ano.

  • Até hoje, o governo dos Estados Unidos já investiu mais de US$ 200 milhões em projetos de “big data”.

  • Para qualquer uma das 1.000 maiores empresas norte-americanas, um aumento de 10% no investimento em acessibilidade de dados poderia resultar em mais de US$ 65 milhões de lucro adicional por ano.

  • Se investirem em estratégias e projetos relacionados a big data, empresários e comerciantes poderiam aumentar as suas margens operacionais em até 60% ao ano.

  • 73% das organizações norte-americanas já investiram ou planejam investir em big data até 2016.

  • E, por último, mas não menos importante, é o fato de que, atualmente, menos de 0,5% de todos os dados existentes no mundo são analisados.

1)O volume de dados criado nos últimos dois anos é maior do que a quantidade produzida em toda a história da humanidade.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).