Fotos

O mesmo personagem, diferentes atores: quem fatura mais?

Quem foi um Coringa melhor: Jack Nicholson ou Heath Ledger? Essa pergunta cria uma verdadeira briga entre gerações. O veterano ator norte-americano foi tão importante para a primeira grande adaptação do Batman no cinema, dirigida por Tim Burton em 1989, que seu contrato não tinha cachê, mas uma porcentagem direta de participação na bilheteria do filme nos Estados Unidos. Por outro lado, Ledger foi um dos trunfos do segundo longa da trilogia de Christopher Nolan. Sua performance foi tão bem recebida que ganhou um Oscar póstumo de Melhor Ator Coadjuvante.

RANKING: 15 franquias do cinema que mais arrecadaram até hoje

Comparar atores que interpretaram o mesmo personagem é comum, mas não é o papel de FORBES. Já comparar suas bilheterias… Christopher Reeve, por exemplo, é até hoje a imagem do Super-Homem nas telonas. O ator fez muito sucesso no papel em três filmes do final dos anos 1970 ao início dos anos 1980. Não é dele, no entanto, o maior sucesso da franquia.

MAIS RANKING: 10 maiores bilheterias de livros que viraram filmes

Veja na galeria de fotos nove personagens que foram interpretados por mais de um ator e quem levou a melhor nas bilheterias:

  • Batman

    Concorrentes: Michael Keaton x Val Kilmer x George Clooney x Christian Bale

  • Vencedor: Christian Bale

    Batman é o super-herói com mais nomes de peso por trás da sua máscara: quatro até então. Embora Michael Keaton tenha feito muito sucesso na parceria com Tim Burton em “Batman” (1989) e “Batman – O Retorno” (1992), quando se fala de bilheteria, não dá para comparar com a dupla Christopher Nolan e Christian Bale.

    Somados, os três últimos filmes do Homem-Morcego, “Batman Begins” (2005), “O Cavaleiro das Trevas” (2008) e “O Cavaleiro das Trevas Ressurge” (2012), arrecadaram quase US$ 2,5 bilhões ao redor do mundo, uma média de mais de US$ 821 milhões cada. Muito superior aos US$ 339 milhões de média do time Burton-Keaton.

    O Batman de Val Kilmer (“Batman Eternamente”, 1995) ostenta o terceiro lugar enquanto a bola fora de George Clooney (“Batman & Robin”, 1997) amargura a lanterna. Ben Affleck entrará no páreo em breve ao interpretar o herói em “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”, que deve ser lançado no ano que vem.

  • Coringa

    Concorrentes: Jack Nicholson x Heath Ledger

  • Vencedor: Heath Ledger

    Se o herói mais novo da saga Batman levou a melhor, com o vilão não é muito diferente. “Batman – O Cavaleiro das Trevas” não só se tornou a maior bilheteria do Homem-Morcego, com mais de US$ 1 bilhão arrecadados, como rendeu a Heath Ledger o Oscar póstumo de Melhor Ator Coadjuvante. É até hoje o único prêmio da Academia entregue a um filme de super-herói.

    Mas Nicholson tem seus trunfos. “Batman” foi a maior bilheteria de 1989: US$ 251 milhões nos EUA e US$ 411 milhões no mundo. Além disso, o prestígio do ator, na época com dois Oscar e sete indicações no currículo, era tanto que o seu contrato não previa um cachê, mas uma porcentagem direta da bilheteria doméstica (nos EUA), que, estima-se, tenha sido em torno de US$ 60 milhões.

    No ano que vem, o também premiado Jared Leto entra na disputa pela adaptação de “O Esquadrão Sucicida”.

  • Homem-Aranha

    Concorrentes: Tobey Maguire x Andrew Garfield

  • Vencedor: Tobey Maguire

    Assim que foi anunciada uma nova franquia do Homem-Aranha, apenas cinco anos depois do fim da trilogia dirigida por Sam Raimi, foi questionado o quão bem a saga se sairia. Os estúdios chamaram Marc Webb, que até então só havia dirigido o sucesso indie “(500) Dias com Ela” (2009), para assumir a empreitada.

    Com Andrew Garfield no papel de Peter Parker ao lado da namorada Emma Stone, a série “O Espetacular Homem-Aranha” (2012 e 2014) faturou uma média de US$ 733 milhões por filme. Um número excelente, mas não o bastante para superar os US$ 832 milhões arrecadados por produção com Tobey Maguire como o super-herói.

  • Capitão Gancho

    Concorrentes: Desenho da Disney x Dustin Hoffman x Jason Isaacs

  • Vencedor: Dustin Hoffman

    A lenda do menino que não queria crescer tornou-se um clássico da Disney e, em 1953, arrecadou impressionantes US$ 87 milhões só nos Estados Unidos. O maior sucesso da história nas bilheterias, no entanto, veio pelas mãos de um especialista em fazer blockbusters.

    Em 1991, Steven Spielberg reuniu um elenco de peso, com Robin Williams como Peter Pan e Dustin Hoffman como Capitão Gancho para narrar uma história paralela à original em “Hook – A Volta do Capitão Gancho”. O filme foi um sucesso e arrecadou mais de US$ 300 milhões ao redor do mundo.

    Em 2003, a Universal lançou um remake do clássico, mas foi um fracasso: US$ 121 milhões nas bilheterias mundiais com um orçamento de US$ 100 milhões. Jason Isaacs fez o vilão

    A sorte de Hoffman, no entanto, pode mudar em breve. Na última quinta-feira (8), estreou o quarto filme sobre a lenda, que conta a origem da história. Garrett Hedlund faz o Capitão Gancho e o astro Hugh Jackman, o Barba Negra.

  • James Bond

    Concorrentes: Sean Connery x George Lazenby x Roger Moore x Timothy Dalton x Pierce Brosnan x Daniel Craig

  • Vencedor: Daniel Craig

    Os anos fizeram bem ao agente secreto mais famoso do cinema. Pelo menos quando se fala de bilheteria. Em mais de 50 anos desde o primeiro lançamento, “007 Contra o Satânico Dr. No” (1962), os 23 filmes da série viram sucessivos crescimentos de arrecadação.

    Qual ator interpretou melhor o agente inglês é uma discussão infindável. Uns preferem o estilo clássico e machão de Sean Connery (Bond seis vezes), enquanto outros gostam da elegância e maturidade de Roger Moore (Bond sete vezes).

    Mas, nas telonas, nenhum deles chega perto de Daniel Craig (Bond três vezes até então). Só seu último filme, “Operação Skyfall” (2012) arrecadou US$ 1,108 bilhão ao redor do mundo, quase o mesmo valor de todos os sete filmes interpretados por Moore somados (US$ 1,133 bilhão).

    Na média, ele se mantém soberano: US$ 764,5 milhões. Seguido por Pierce Brosnan (Bond quatro vezes), com US$ 369,9 milhões cada, e Timothy Dalton (Bond duas vezes) com US$ 173,7 milhões cada. Connery ocupa a quinta posição com média de US$ 105,3 milhões por filme, embora seja seu o mérito de conseguir grandes bilheterias nos anos 1960.

    O próximo filme da série, “Spectre”, deve sair ao final desse ano com Craig mais uma vez sob o elegante terno do agente. Na mão, no entanto, continuará a ser uma Heineken.

  • Rainha Má

    Concorrentes: Desenho da Disney x Charlize Theron x Julia Roberts

  • Vencedora: Desenho da Disney

    A lógica de “quanto mais novo, maior o faturamento” não vale para a madrasta do conto da Branca de Neve. “Branca de Neve e os Sete Anões”, a primeira animação em longa-metragem da Disney, arrecadou US$ 21,8 milhões ao redor do mundo em 1937. Acha pouco? Ao longo dos anos, este valor aumentou para US$ 418,2 milhões.

    Número muito superior às últimas tentativas de retratar o conto nas telonas. A beleza e o talento de Charlize Theron impulsionaram “Branca de Neve e o Caçador” (2012) a um bom resultado, US$ 396 milhões ao redor do mundo, mas inferior às expectativas, visto o orçamento de US$ 170 milhões. Já a versão de comédia, “Espelho, Espelho Meu” (também 2012), comandada por Julia Roberts, foi um fracasso: US$ 183 milhões.

  • Hulk

    Concorrentes: Eric Bana x Edward Norton x Mark Ruffalo

  • Vencedor: Mark Ruffalo

    No cinema, Hulk é o patinho feio entre os Vingadores. Ao contrário dos seus companheiros, o monstro verde nunca chegou a emplacar como blockbuster absoluto. Prova disso é que, diferente do Homem de Ferro ou de Thor, o personagem mudou de atores três vezes. Mark Ruffalo, escolhido para interpretar Bruce Bane na franquia, não havia encarnado o personagem em momento algum.

    Nomes fortes o precederam. A primeira adaptação, dirigida pelo renomado Ang Lee em 2003, teve como protagonista Eric Bana. Difícil saber se foram os fracos efeitos ou o roteiro infantil, mas “Hulk” faturou pouco mais que US$ 245 milhões ao redor do mundo. Nos Estados Unidos, a arrecadação de US$ 132 milhões não pagou nem o orçamento de US$ 137 milhões.

    Edward Norton foi chamado para uma nova tentativa em 2008. Com efeitos mais desenvolvidos e orçamento um pouco maior (US$ 150 milhões), “O Incrível Hulk”, com cenas gravadas no Rio de Janeiro, teve resultado semelhante ao anterior: US$ 134 milhões nos EUA e US$ 263,4 milhões no mundo. Muito aquém do esperado.

    Ou seja, como já era de se esperar, nem se somasse o resultado internacional de ambos e multiplicasse por dois, chegaria à média de Ruffalo em “Os Vingadores”. Como os dois filmes tiveram faturamento superior a US$ 1 bilhão, a média do ator no papel é de US$ 1,44 bilhão por filme.

  • Magneto

    Concorrentes: Ian McKellen x Michael Fassbender

  • Vencedor: Michael Fassbender

    Ian McKellen e Michael Fassbender interpretaram juntos o papel de Magneto no último filme lançado da franquia X-Men, “Dias de um Futuro Esquecido” (2014). Este foi, curiosamente, o longa com maior arrecadação da saga: US$ 748,1 milhões pelo mundo. Logo, não seria nada injusto declarer empate.

    Mas seria sem graça.

    Por isso, o prêmio vai para o Magneto jovem. O alemão ostenta uma bilheteria média de US$ 550,8 milhões por longa enquanto o veterano inglês, com quatro participações, tem US$ 477,8 milhões/filme. Com “X-Men: Apocalypse”, previsto para 2016, é provável que esta margem fique ainda maior.

  • Super-Homem

    Concorrentes: Christopher Reeve x Brandon Routh x Henry Cavill

  • Vencedor: Henry Cavill

    Até hoje, a imagem do Super-Homem no cinema está atrelada a Christopher Reeve. O ator interpretou o super-herói pela primeira vez em “Superman – O Filme” (1978). Ao lado de Marlon Brando e Gene Hackman, o longa foi um sucesso: US$ 300 milhões ao redor do mundo. O problema para ele, nesta disputa, é que este número foi caindo progressivamente. O terceiro, de 1983, além de um fracasso de crítica, não arrecadou mais de US$ 70 milhões internacionalmente.

    O super-herói só voltou às telonas em 2006. Até então desconhecido, Brandon Routh assumiu a responsabilidade do papel ao lado de Kevin Space como Lex Luthor. Outro fracasso. A superprodução custo cerca de US$ 270 milhões, e, nos Estados Unidos, de onde os estúdios tiram o retorno, empacou nos US$ 200 milhões. Um senhor prejuízo para a Warner Bros. Internacionalmente foi um pouco melhor: US$ 391 milhões.

    Assim, ficou fácil para a terceira tentativa, “Homem de Aço” (2013), com Henry Cavill, ganhar a disputa. Com orçamento menor que o anterior (US$ 225 milhões), arrecadou US$ 291 milhões nos EUA (ou seja, pagou as contas, mas não deu o lucro esperado) e US$ 668 milhões no mundo.

    Cavill também merece seu lugar no pódio por ter se mantido no cargo. No ano que vem, ele irá interpretar Clark Kent na batalha contra o Batman em “Batman vs Superman: A Origem da Justiça”.

Batman

Concorrentes: Michael Keaton x Val Kilmer x George Clooney x Christian Bale

Comentários
Topo