Fotos

Um grande desafio: criar o design do Mini do futuro

Na primeira vez em que Anders Warming foi para casa dirigindo um Mini Cooper, seus dois filhos correram para a rua e deram um grande abraço no carro. “De verdade, foi isso que eles fizeram”, diz o chefe de design do Mini. Ele remonta a cena enquanto fala, esticando seus braços e colocando a cabeça para baixo como se fosse apoiá-la no capô do carro.

VEJA TAMBÉM: Panoz relança o esportivo Esperante GTR-1 por quase US$ 900.000

Os próprios sentimentos de Warming em relação ao Mini são quase tão afetuosos quanto os dos filhos, e isso não é apenas porque ele trabalha lá. “Eu dirigia Minis antes mesmo de assumir esse cargo, porque eu amo a aparência deles”, diz o profissional, que era designer de exterior da BMW antes de ocupar o cargo de liderança no design do Mini em 2011.

MAIS FOTOS: 15 supercarros com consumo de combustível mais eficiente

Mini Coopers são famosos por combinar um estilo charmoso com uma direção corajosa. O design e a engenharia são feitos para trabalharem juntos e, assim, extrair uma reação emocional. “Todos sabemos que o Mini nunca foi grande em tamanho; se você quer um carro maior, tem de comprar outro modelo. Mas isso só dá mais emoção”, diz Warming. Então, é um equilíbrio delicado que o designer pretende alcançar no desafio de desenvolver o visual da próxima geração do Mini.

Veja na galeria de fotos mais detalhes sobre o design da próxima geração do Mini:

  • Clubman 2016

    O mais recente exemplo disso é o recém-lançado Clubman, que é o mais próximo de um carro do tipo perua que a empresa vai fazer. Sua capacidade de carga e o espaço nos assentos traseiros são novidades para a marca.

    O Clubman é 43,94 cm mais longo do que o Mini Cooper Hardtop e 27,69 cm mais longo do que o novo Cooper Hardtop de quatro portas. Ainda que seja grande para um Mini, é quase do mesmo tamanho de um Audi A3, menor carro que a Audi vende nos Estados Unidos e concorrente mais próximo do Clubman. “Agora, as pessoas que diziam amar o visual do Mini, mas também queriam um carro para a família, serão capazes de juntar as duas coisas num único veículo”, diz.

    Mas Warming e seus colegas enfrentam um desafio chave de design, pois a unidade da BMW visa expandir sua linha com cinco novos modelos “claramente diferenciados” até 2020: com a garantia de que todos esses veículos tenham a cara de um Mini mas, ao mesmo tempo, não sejam parecidos demais uns com os outros.

    O Clubman 2016 consegue se diferenciar e, ao mesmo tempo, dar dicas do que está por vir no que diz respeito ao Mini. Todos os modelos terão faróis redondos.

  • Herança da marca

    “Você pode pensar que o Mini é um carro quase limitado em sua forma ou vocabulário”, diz Warming. “Eu vejo o outro lado.” Ele argumenta que ter uma história da qual tirar inspiração torna o trabalho do designer muito mais fácil. “Há uma herança de elementos tão vasta para você usar, que é como um parque de diversões.”

    Pegue, por exemplo, as portas traseiras de abertura invertida do Clubman, uma característica de design carregada do Clubman Estate original, lançado em 1962. “As portas de abertura traseira para mim são como o Natal”, diz Warming. “Eu poderia brincar com essa ferramenta de design e fazer algo lindo.”

    O Clubman Estate tinha uma moldura de madeira de verdade na parte traseira. Copiar isso diretamente não funcionaria, mas Warming e seu time fizeram sua própria interpretação disso. No Mini Clubman 2016, a borda externa das duas portas traseiras tem um leve chanfro, um corte que remove as curvas acentuadas. Isso oferece uma moldura visual que remete à moldura de madeira do original.

  • Diferencial

    Para garantir que o Clubman fosse suficientemente diferente de seus equivalentes – incluindo, especialmente, o novo Cooper Hardtop de quatro portas, que tem tamanho um pouco menor, e o Countryman SUV, que é mais alto – Warming adotou uma estratégia. “O Countryman tem a verticalidade; tem as portas traseiras básicas”, diz ele. “Diferentemente das linhas verticais do Countryman, o Clubman tem linhas horizontais, então nós diferenciamos o visual.”

    As luzes traseiras distintivas ajudam a criar esse gráfico horizontal no Clubman. Assim como o proeminente pára-choque, que se alarga para fora com força. Há outros elementos sutis do Clubman 2016 que também mostram o progresso do design. Tipicamente, os Minis têm curvas arredondadas e bordas suaves. Mas não tanto neste carro.

    “Há muitas linhas acentuadas neste carro que são muito sutis”, diz Warming, que faz referência ao friso que fica embaixo das janelas e vai até o capô do carro. “Quando você chega perto vê que há uma linha acentuada no capô, e isso é completamente novo para o Mini.”

    O carro-conceito Mini Superleggera, apresentado pela primeira vez no evento automotivo Concordo d’Eleganza Villa d’Este de 2014, em Milão, inspirou este carro. O Superleggera também introduziu outros elementos de design novos, como luzes traseiras que se parecem com a bandeira do Reino Unido. Warming diz que essas luzes ainda não foram incluídas nos veículos de produção, mas poderiam estar no futuro do Mini de alguma maneira, ainda que não necessariamente do jeito em que aparecem no Superleggera.

  • Equilíbrio

    Ele tem conhecimento de que se afastar muito do projeto original pode repelir os fãs convictos do Mini. Mas Warming acha que o Clubman 2016 alcançou o equilíbrio perfeito entre ser moderno e, ao mesmo tempo, manter a herança da marca. “Você tem pelo menos 50% de herança e pelo menos 50% de inovação, e isso tem de ser muito bem balanceado”, diz ele. “Se você exagerar na inovação e o carro for totalmente novo, você esquece da herança.”

    Por outro lado, ter muito do passado também não é bom. “Se você tiver apenas passado, as pessoas dirão que é retrô”, acredita. “Esse carro não está na categoria retrô porque é inovador, mas sabe de onde veio. É isso que eu acho que é a beleza do carro.”

Clubman 2016

O mais recente exemplo disso é o recém-lançado Clubman, que é o mais próximo de um carro do tipo perua que a empresa vai fazer. Sua capacidade de carga e o espaço nos assentos traseiros são novidades para a marca.

O Clubman é 43,94 cm mais longo do que o Mini Cooper Hardtop e 27,69 cm mais longo do que o novo Cooper Hardtop de quatro portas. Ainda que seja grande para um Mini, é quase do mesmo tamanho de um Audi A3, menor carro que a Audi vende nos Estados Unidos e concorrente mais próximo do Clubman. “Agora, as pessoas que diziam amar o visual do Mini, mas também queriam um carro para a família, serão capazes de juntar as duas coisas num único veículo”, diz.

Mas Warming e seus colegas enfrentam um desafio chave de design, pois a unidade da BMW visa expandir sua linha com cinco novos modelos “claramente diferenciados” até 2020: com a garantia de que todos esses veículos tenham a cara de um Mini mas, ao mesmo tempo, não sejam parecidos demais uns com os outros.

O Clubman 2016 consegue se diferenciar e, ao mesmo tempo, dar dicas do que está por vir no que diz respeito ao Mini. Todos os modelos terão faróis redondos.

Comentários
Topo