Fotos

7 viagens de trem de luxo para fazer antes de morrer

FORBES Brasil selecionou alguns dos trens mais luxuosos do mundo. Muitos deles mais parecem hotéis de luxo sobre trilhos, outros preferem deixar seus passageiros passarem as noites em empreendimentos suntuosos tradicionais.

VEJA TAMBÉM: 14 lugares mais legais para conhecer em 2016

Há companhias que se esforçam para relembrar os tempos de ouro dessas viagens e a escolha da decoração dos vagões deixa a estratégia evidente. Outras empresas preferem esquecer o passado e assumir sua contemporaneidade. Seja qual for a escolha do destino, você encontrará duas características em comum a bordo
de todos os trens: serviço sofisticado e, claro, paisagens estonteantes.

E MAIS: 10 hotéis mais fotografados em 2015

Veja na galeria de fotos sete viagens de trem de luxo para fazer antes de morrer:

  • Rocky Mountaineer

    Onde: Seattle, Vancouver e Canadian Rockies

    Esta rota de 19 dias preparada pela Rocky Mountaineer liga Seattle a Vancouver e segue para as deslumbrantes Canadian Rockies, com seus lagos glaciais de um azul impressionante e montanhas gigantes. Ao final de cada dia de viagem os passageiros são levados para hotéis de luxo das redes Four Seasons e Fairmont, parceiros da Rocky Mountaineer. Diversas atividades extras podem ser incluídas na viagem como a subida até a montanha Sulphur, no Banff National Park. O trajeto é feito a bordo da Banff Gondola — uma espécie de teleférico cujas cabines comportam até quatro pessoas — e que chega a 2.000 m de altitude em apenas oito minutos.

  • Northern Belle

    Onde: Grã-Bretanha

    O Northern Belle, da Belmond, leva seus passageiros a charmosos e históricos destinos da Grã-Bretanha em viagens curtas, de no máximo um dia. Edimburgo, na Escócia, Bath, a cidade romana no sudoeste da Inglaterra, e o parque nacional de Lake District, uma das poucas regiões montanhosas do país da rainha Elizabeth II, estão entre as opções. O trem de luxo também tem na programação a ida a eventos desportivos tradicionais como Wimbledon e Royal Ascot. Seus seis vagões-restaurantes são elegantemente decorados com detalhes em bronze e marchetaria feitos por artesãos ingleses. O chef e sua equipe preparam as refeições a bordo e, dependendo da programação escolhida, alguns jantares são black tie.

  • Seven Stars

    Onde: Ilha de Kyushu, Japão

    Em nove dias, o Seven Stars percorre a ilha japonesa Kyushu, que tem paisagens com altas montanhas e vulcões. O trem da Kyushu Railway possui 14 suítes para casais, ou seja, no máximo 28 pessoas participam da luxuosa aventura. A decoração dos vagões apresenta referências japonesas e abusa de madeiras como carvalho e nogueira, além de tecidos finos. O restaurante serve clássicos da culinária francesa e japonesa ao som de um pianista, mas também há na programação paradas em estabelecimentos locais para que os passageiros conheçam as iguarias da região. Entre os destinos visitados durante o percurso, destaque para o Monte Aso, o maior vulcão ativo no Japão, e a pitoresca Yufuin, com seus restaurantes sofisticados e pequenas galerias de arte.

  • Venice Simplon-Orient-Express

    Onde: Londres, Paris e Berlim

    Em 2016, o lendário Venice Simplon-Orient-Express, da Belmond, apresentará uma nova rota, que vai conectar Londres, Paris e Berlim. A primeira saída desse trajeto, com duração de dois dias e uma noite, ocorrerá na capital inglesa em 2 de junho do ano que vem. Os vagões em estilo art déco, originais dos anos 1920, e o impecável serviço dos mordomos nas cabines particulares remetem ao glamour dos anos dourados das viagens de trem. Mas se a ideia é fazer um percurso realmente clássico, as opções são Londres-Paris-Veneza ou Veneza-Paris-Londres. Quem desejar passar mais tempo a bordo pode escolher as rotas Paris-Budapeste-Bucareste-Istambul e Istambul-Bucareste-Budapeste-Veneza, além de Veneza-Viena-Londres e Veneza-Budapeste-Paris.

  • Golden Eagle

    Onde: Transiberiana e muito mais

    A Golden Eagle possui seis rotas diferentes. Na Arctic Explorer, lançada este ano, os passageiros embarcam em São Petersburgo, na Rússia, na companhia de um astrônomo, rumo ao Círculo Polar Ártico. O objetivo? Ver a aurora boreal. Mas não é possível fazer todo o trajeto de trem. Em Nikel, os viajantes pegam um ônibus para Kirkenes, cidade ao norte da Noruega, o destino final. Se a ideia for um roteiro clássico, a opção é cruzar a Rússia através da ferrovia Transiberiana. Com duração de mais de duas semanas, a viagem de Moscou a Vladivostok percorre 11 mil quilômetros e passa por oito fusos horários prometendo vistas surpreendentes para os Montes Urais e uma parada no Lago Baikal. A bordo há diversas opções de atividades como palestras de história, aulas de russo e degustação de vodcas locais.

  • Glacier Express

    Onde: Alpes Suíços

    O trem panorâmico Glacier Express vai de St. Moritz a Zermatt, nos Alpes Suíços, em oito horas. Durante o trajeto, os passageiros avistam paisagens de contos de fadas independentemente da época do ano. No inverno, a neve toma conta da rota. Durante a primavera, surge um tapete vibrante de flores e o visual idílico fica completo com riachos e vaquinhas. O ponto mais alto da viagem é Oberalp Pass, uma rota entre cadeias de montanhas a 2.033 metros de altitude. Durante o trajeto, o trem atravessa 291 pontes e 91 túneis. Na hora da refeição, o prato principal começa ser servido justamente quando o trem entra em um dos túneis mais longos, fazendo com que os passageiros sintam-se à vontade para deixar suas câmeras fotográficas de lado.

  • Pride of Africa

    Onde: África

    O Pride of Africa, da Rovos Rail, conecta algumas das mais belas paisagens do continente africano em viagens com duração de dois dias a um mês. O percurso entre Pretória e Cape Town passa pelo planalto de Highveld e pela região semidesértica de Great Karoo. Outra opção é uma viagem de nove dias com paradas para jogar golfe em sete campos da África do Sul, incluindo o Durban Country Club, em KwaZulu-Natal, e o Leopard Creek, em Mpumalanga. Há roteiros que incluem as Cataratas Vitória, na fronteira da Zâmbia com o Zimbábue; a região de Dar es Salaam, na Tanzânia, e as paisagens desérticas da Namíbia. Apesar de todo o luxo das acomodações — a suíte Royal tem até banheira vitoriana —, os trens não possuem rádio ou TV, tudo para manter o clima das antigas viagens.

Rocky Mountaineer

Onde: Seattle, Vancouver e Canadian Rockies

Esta rota de 19 dias preparada pela Rocky Mountaineer liga Seattle a Vancouver e segue para as deslumbrantes Canadian Rockies, com seus lagos glaciais de um azul impressionante e montanhas gigantes. Ao final de cada dia de viagem os passageiros são levados para hotéis de luxo das redes Four Seasons e Fairmont, parceiros da Rocky Mountaineer. Diversas atividades extras podem ser incluídas na viagem como a subida até a montanha Sulphur, no Banff National Park. O trajeto é feito a bordo da Banff Gondola — uma espécie de teleférico cujas cabines comportam até quatro pessoas — e que chega a 2.000 m de altitude em apenas oito minutos.

Comentários
Topo