Carreira

10 linguagens corporais que podem custar seu emprego

Seu currículo pode ser um dos melhores. Sua carta de apresentação, impecável. Seu comportamento também pode ser brilhante. Mas existem algumas atitudes corporais que podem não ajudar a impulsionar todas essas excelentes características.

VEJA MAIS: 4 passos para negociar o salário que você merece

Às vezes, um sorriso pode mudar mais do que você imagina. O contato feito com os olhos durante uma entrevista pode colocar você na frente da corrida por uma vaga. Veja na galeria de fotos abaixo algumas linguagens corporais – ou a falta delas – que podem custar uma vaga no emprego dos seus sonhos:

  • Apertar a mão de maneira fraca

    Antes de apertar as mãos do entrevistador, levante-se, vá até ele, mantenha um contato visual e sorria. Esteja certo de que suas mãos permaneçam firmes, mas não estrangule as mãos do empregador. “Lembre-se que um bom contato de mãos deve ter as palmas das mãos juntas, os dedos firmes e uma quantidade equilibrada de força e movimento”, explica Patti Wood, especialista em linguagem corporal no mundo corporativo.

  • Invadir o espaço pessoal

    Seja respeitoso com aquele que se dispôs a entrevistá-lo. Não se sente próximo demais e, com certeza, não o abrace.

  • Cruzar os braços

    Cruzar os braços pode fazer parecer que você está desconfortável ou extremamente defensivo. Em vez disso, escolha gesticular com as mãos, por exemplo. Isso fará parecer que você está engajado e entusiasmado.

  • Mexer compulsivamente nos cabelos

    “Este é um hábito que pode irritar o entrevistador e ainda lhe fazer parecer infantil demais”, explica Patti Wood. Você, certamente, não pretende distrair o seu conteúdo pessoal pelo físico, não é mesmo?

  • Sentar com uma postura inadequada

    “Uma postura relaxada pode fazer parecer que você está extremamente cansado, confuso e desonesto”, diz Patti Wood. “Esforce-se para manter uma postura ereta e correta. Fará bem a sua auto-estima também”.

  • Fugir dos contatos visuais

    “É ok não olhar, necessariamente, para o entrevistador enquanto você está falando. Mas você deve olhar para ele enquanto ouve o que ele tem a dizer, perguntar ou comentar. Isso lhe fará parecer verdadeiramente interessado na vaga, por exemplo”, explica Wood. “Os olhares são ferramentas importantíssimas e super eficazes”.

  • Parecer desinteressado

    Você pode, verdadeiramente, não estar mais interessado na vaga de emprego que lhe foi proposta. Mas expressar isso por meio de caras e bocas não é a melhor solução para a sua carreira profissional. E mais: seu celular com certeza não será seu amigo durante processos seletivos.

  • Não sorrir

    Você, com toda a certeza, já ouviu falar que o sorriso é o primeiro cartão de visita. E não sorrir em uma entrevista de emprego, por exemplo, pode fazer parecer que você é rabugento e nada convidativo. Por mais difícil que possa ser, esforce-se para sorrir e parecer simpático.

  • Roer as unhas

    Este é um hábito bastante comum, principalmente, em situações de tensão e pressão. Mas esta é, com certeza, uma atitude que faz você perder o foco e a concentração. Além disso, não é muito higiênico. Então procure outros métodos de relaxamento e esforce-se para parar de roer as unhas.

  • Esconder suas mãos

    Tente parecer simpático, gesticule! Não mantenha suas mãos nos bolsos, cruzadas ou no colo. Procure colocá-las em cima da mesa em que você se encontra, por exemplo. Por mais suadas que estejam, elas podem lhe ajudar bastante com a desenvoltura.

Apertar a mão de maneira fraca

Antes de apertar as mãos do entrevistador, levante-se, vá até ele, mantenha um contato visual e sorria. Esteja certo de que suas mãos permaneçam firmes, mas não estrangule as mãos do empregador. “Lembre-se que um bom contato de mãos deve ter as palmas das mãos juntas, os dedos firmes e uma quantidade equilibrada de força e movimento”, explica Patti Wood, especialista em linguagem corporal no mundo corporativo.

Comentários
Topo