Carreira

6 lições de negócios para aprender com “Game of Thrones”

Há poucos dias de entrar para a sexta temporada, “Game of Thrones” é uma das séries mais aguardadas e aclamadas do planeta. A luta entre os reinos pelo poder bateu recordes no ano passado: seu último episódio, em junho de 2015, teve audiência de nada menos que 8,1 milhões de espectadores.

VEJA TAMBÉM: 10 filmes para entender o mundo dos negócios

No entanto, quem acha que a série serve apenas para entretenimento, engana-se. É possível tirar lições para serem aproveitadas no mundo dos negócios. Esta foi a sacada de Fábio Silva, sócio-fundador da startup brasileira de crowdfunding StartMeUp. “É uma história muito dinâmica e estratégica”, afirma o empreendedor. “Se pensar em pequenos negócios, há um monte de batalhas a serem enfrentadas sempre. É como se uma startup fosse um dos reinos e quisesse sentar no Trono de Ferro.”

E MAIS: 11 dicas para crescer durante a crise, pelo fundador da Chilli Beans

Veja na galeria de fotos seis lições sobre negócios que você aprende com “Game of Thrones”:

  • Lição 1: quando mudar de negócios

    Professor: Petry Baelish

    Pivotar é a habilidade de mudar de negócios na hora certa. “É quando, no meio do caminho, o empreendedor entende que deve seguir por outro rumo para prosperar”, explica Silva. “Caso contrário, fracassa.”

    A ação é ainda mais fácil quando se trata de pequenos negócios ou startups. “Uma grande empresa de pneus, por exemplo, se descobre que seu produto ficará irrelevante em um ano, demorará uns cinco para efetivar uma alternativa, enquanto uma startup mais jovem pode fazer isso em dias.”

    Baelish, apelidado Mindinho, é um dos personagens mais estratégicos e articulados da marca. Sempre esteve perto do poder e sobreviveu às dezenas de reviravoltas da história. Ele, no entanto, usa de meios escusos para estar sempre perto do poder. “A metodologia não é a mais indicada”, ressalta o empreendedor.

  • Lição 2: ter mentores

    Professora: Daenerys Targaryen

    Especialmente no começo, ter pessoas mais experientes que possam lhe dar bons conselhos é crucial para o crescimento. “Em uma empresa menor, com fraquezas mais evidentes, a melhor maneira de resolvê-las é cercar-se de pessoas capazes, melhor ainda se forem mentores”, afirma Silva. Na saga, a princesa Daenerys encontra dois mentores ao longo do caminho, que lhe ajudam a superar adversidades, como inexperiência.

    De acordo com o empreendedor, esta pessoa não precisa ter envolvimento financeiro ou institucional com a empresa, mas precisa ser alguém capaz e de extrema confiança. “Você vai expor suas fraquezas, tem de ser alguém que saiba identificá-las e vai ajudá-lo.”

  • Lição 3: ser honesto e leal

    Professor: Ned Stark

    “Por mais óbvio que pareça, [ser honesto e leal] é uma das coisas mais difíceis de se ver na prática”, afirma Silva. “Honestidade não é dizer coisas agradáveis. Por isso, as pessoas têm dificuldade de falar.” Qualquer empresa, negócio ou equipe cresce melhor se o ambiente for fundado nestes princípios.

    Ned Stark, um dos personagens mais lembrados da saga, pagou caro, mas manteve-se fiel a seus princípios e a seu rei e amigo, Robert.

  • Lição 4: transformar adversidade em vantagem

    Professor: Tyrion Lannister

    No seriado e nos livros, Tyrion Lannister é, teoricamente, o personagem mais com mais obstáculos: nasceu com uma condição de nanismo, algo perigoso em um munda de cavaleiros; perdeu a mãe no parto, o que fez com que seu pai lhe desprezasse para sempre; sofreu um acidente que lhe tirou metade do nariz e deixou uma cicatriz enorme no rosto; e quase morreu algumas vezes. O que ele fez, então? Com muita inteligência e ironia, tornou-se um dos personagens mais revelantes da saga.

    “Ele se adapta”, afirma Silva. É exatamente isso que você deve procurar no seu negócio, especialmente em momentos adversos. “Em tempos de crise, é aquele negócio: ou chora ou vende lenço. O segundo é o que ele faz desde o começo.”

  • Lição 5: tenha parceiros

    Professor: Jon Snow

    Ter bons parceiros é essencial para perpetuar seu negócio. Isso vale desde a hora de escolher um sócio ao momento de escolher outras companhias que complementem o seu negócio. “As empresas não fazem tudo. Elas estão cada vez mais especializadas em algo e contam com bons parceiros”, afirma Silva. “São quase como casamentos, tem de ser estratégicas.”

    O jovem bastardo de “Game of Thrones” não teve muitas escolhas, forçado a fazer parceria com os Selvagens e Stannis Baratheon e acabou se dando mal por isso, pois perdeu totalmente o apoio que tinha no seu grupo. “O que ele teve foi consequência da não clareza das sua parceria.” No mundo empresarial, se você não alinha suas escolhas com a sua equipe, pode acabar sofrendo o mesmo boicote. Por isso, escolha sempre seus parceiros com cuidado.

  • Lição 6: cuidado com o alpinistas

    Professor: Joffrey Baratheon

    Alpinista é aquele sobe muito rápido a um cargo de liderança e, mesmo sem muito preparo, assume uma posição de soberba. “Isso é muito comum nas empresas, especialmente entre a nova Geração Y, que quer crescer rapidamente”, explica Silva. A arrogância e as maldades que Joffrey exerceu quando assumiu o Trono de Ferro lembram este tipo de líder.

    Mas o empreendedor brasileiro adverte: como Joffrey, o alpinista, uma hora ou outra, também sofre um boicote.

Lição 1: quando mudar de negócios

Professor: Petry Baelish

Pivotar é a habilidade de mudar de negócios na hora certa. “É quando, no meio do caminho, o empreendedor entende que deve seguir por outro rumo para prosperar”, explica Silva. “Caso contrário, fracassa.”

A ação é ainda mais fácil quando se trata de pequenos negócios ou startups. “Uma grande empresa de pneus, por exemplo, se descobre que seu produto ficará irrelevante em um ano, demorará uns cinco para efetivar uma alternativa, enquanto uma startup mais jovem pode fazer isso em dias.”

Baelish, apelidado Mindinho, é um dos personagens mais estratégicos e articulados da marca. Sempre esteve perto do poder e sobreviveu às dezenas de reviravoltas da história. Ele, no entanto, usa de meios escusos para estar sempre perto do poder. “A metodologia não é a mais indicada”, ressalta o empreendedor.

Comentários
Topo