Colunas

Fotografias feitas por drones revelam o racismo na arquitetura sul-africana

Quando o fotógrafo Johnny Miller se mudou para a Cidade do Cabo, na África do Sul, para estudar antropologia, ele decidiu usar seu drone para tirar fotos da cidade e mantê-las como lembrança.

Porém, ao ver as fotos, teve uma surpresa: os bairros com a maior concentração de brancos eram constituídos de grandes comunidades com muita segurança, enquanto os bairros com a maior concentração de negros eram visivelmente superpopulosos e mais pobres.

LEIA MAIS: Saiba quais aplicativos salvam a vida dos refugiados na Europa

“Uma lâmpada se acendeu”, diz o fotógrafo em entrevista ao site da CNN. Miller decidiu lançar um projeto chamado “Cenas Desiguais”, a fim de oferecer uma nova perspectiva sob a segregação racial no país. “Se você mostrar essas fotos a uma criança, ela vai saber em que lado quer morar.”

O Fator Facebook

Quando Miller postou essas imagens no Facebook, a reação inicial foi “bem negativa”. Vários apontaram que o problema da desigualdade não era exclusivo da África do Sul. Ele insiste que é. “A África do Sul tem uma história única, bem diferente de outros lugares”, afirma.

“Durante o Apartheid, a segregação de espaços urbanos era lei”, diz. “22 anos após a queda do Apartheid, várias dessas barreiras ainda existem. Em Masiphumelele, há 38.000 pessoas espremidas em uma área só, e no terreno do lado, você tem apenas um décimo disso.”

LEIA MAIS: Rolls-Royce projeta novo navio sem tripulação

As primeiras fotos aéreas postadas no Facebook receberam 60.000 visualizações – um número surpreendente considerando o escasso número de curtidas recebidos da última vez. Pouco tempo depois, “Cenas Desiguais” foi criado.

Esperança para o futuro?

Miller diz que seu projeto foi o estopim para uma conversa positiva. Vários planejadores urbanos viram essas fotos e entraram em contato com ele. Miller afirma que suas fotos – sem nenhuma pessoa à vista – mostram um ponto de vista bem objetivo, difícil de discordar.

“Várias pessoas me disseram que não haviam percebido o quão pouco a Cidade do Cabo mudou de 1994 para cá”, acrescenta Miller.

Confira abaixo as fotografias feitas pelo artista:

Comentários
Topo