Mônaco: muito além do Principado

Andar pelas ruas de Mônaco é se deparar constantemente com luxuosas propriedades do grupo Monte-Carlo Société des Bains de Mer (SBM). A famosa Place du Casino, por exemplo, está rodeada por alguns dos mais importantes empreendimentos da companhia: os centenários Casino de Monte-Carlo, Hôtel de Paris e Café de Paris. Um pouco mais abaixo está o Buddha-Bar, e ali perto, na curva Fairmont, a mais lenta da Fórmula 1 (é no principado que ocorre a mais charmosa das corridas do circuito mundial, o GP de Mônaco), fica o cassino Sun. Tudo de propriedade do SBM.

VEJA TAMBÉM: 3 estrelas da gastronomia de Mônaco

Ao todo, o grupo monegasco criado há 150 anos controla no principado 33 sofisticados restaurantes, quatro hotéis de alto prestígio, e cinco cassinos. E agora se prepara para uma nova tentativa de colocar o pé para fora do território controlado pela família Grimaldi.

E MAIS: Hermitage, o medalhista de ouro em Mônaco

Saiba mais sobre o tradicional grupo monegasco Monte-Carlo Société des Bains de Mer na galeria de fotos:

  • O SBM já havia operado por três anos um pequeno beach club em Abu Dhabi, mas em 2014 desistiu do empreendimento por questões relacionadas ao seu parceiro local. Agora, o plano é abrir franquias (ou licenciamentos) de estabelecimentos como o Café de Paris, o nightclub Jimmy’z e o Buddha-Bar. Também faz parte da estratégia uma expansão no segmento de cassinos, além de conseguir contratos de gerenciamento de hotéis renomados ao redor do mundo.

  • Os planos internacionais voltaram a ganhar força em julho do ano passado, quando o Galaxy Entertainment Group, operador de hotéis e cassinos em Macau, na China, comprou 5% das ações do SBM. Na ocasião, o LVMH — Moët Hennessy Louis Vuitton, maior conglomerado de marcas de luxo do mundo —, levou outros 5% de participação. Os dois novos parceiros, extremamente estratégicos para o SBM, também garantiram vaga no conselho de administração. Após as transações, o governo de Mônaco, sócio-majoritário do SBM, ficou com uma fatia de 60%, e o restante das ações flutua no mercado. “O Galaxy tem uma ótima posição na China, e pode nos dar a exposição que precisamos no país. A estratégia da companhia é expandir o negócio de cassino no mercado chinês, sempre em busca do topo do luxo”, afirma Luca Allegri, COO do SBM. Em fevereiro do ano passado, o SBM realizou aumento de capital de 219,9 milhões de euros. Cinco meses depois, o Galaxy investiu 42,3 milhões de euros na sua participação de 5%. O valor da fatia comprada pelo LVMH não foi revelado.

  • Luca Allegri afirma que a prioridade no plano de expansão é o gerenciamento de propriedades, como hotéis luxuosos e tradicionais que combinem com as marcas do grupo. Nesse segmento, só haverá necessidade de fazer algum desembolso quando a companhia tiver que pagar pelo direito de operar um empreendimento. “Mas há situações em que um proprietário ou operador de um ativo deseja vender o direito de operação. Então poderíamos comprá-lo.”

  • Com o LVMH, o maior ganho é de exposição de marca. Em março deste ano, o Hôtel de Paris inaugurou uma suíte pop-up em parceria com a Dom Pérignon, champanhe de propriedade da empresa sócia. Quem se hospedava nela tinha direito a uma seleção de garrafas da marca e menu concebido pelo estrelado chef Alain Ducasse, que comanda o restaurante Le Louis XV, dentro do Hôtel de Paris.

    Durante o período em que a suíte ficou disponível (até 31 de maio), Mônaco recebeu diversos eventos que atraíram público internacional, como a 62ª edição do tradicional Baile da Rosa, o torneio de tênis Monte-Carlo Rolex Masters, a corrida Historic Grand Prix, com carros antigos de competição, e o Grande Prêmio de Fórmula 1 de Mônaco. “O LVMH é líder mundial na indústria de luxo. O grupo tem diversas grifes, como Louis Vuiton e Dior, e realiza eventos incríveis. Eles vão usar Mônaco como plataforma para mostrar seus produtos para o mundo. Vamos trabalhar juntos em eventos especiais para promover as duas marcas”, diz.

  • O executivo afirma que ainda não foi decidido quando e qual será a primeira inauguração do grupo fora de Mônaco. “Depende da oportunidade. Nós podereremos ter uma operação de cassino em Londres, operação de hotel em Paris ou Roma. Também poderemos licenciar o Café de Paris na Ásia”, diz. Ele admite que há possibilidade de inaugurar um empreendimento com a bandeira Hôtel de Paris ou Hermitage em outra localidade, mas nunca por meio de franquia ou licenciamento, formatos que não permitiriam à companhia ter o controle total sobre os empreendimentos. “O Hôtel de Paris é único, então teria que ser um local muito especial. Dessa forma, há mais chances de inaugurarmos um hotel Hermitage do que um Hôtel de Paris”, afirma Allegri, que também acumula a função de diretor-geral do Hôtel de Paris.

  • O Monte-Carlo Bay, com quatro estrelas, é o único hotel que está entre as possibilidades de licenciamento. Fácil de entender: inaugurado em 2005, após cinco anos de construção, ele não carrega a tradição do Hôtel de Paris, considerado o carro-chefe do grupo SBM.

    Fundado em 1864, atualmente o Hôtel de Paris, cinco estrelas, passa por uma reforma completa, com custo estimado em 250 milhões de euros, que será concluída em setembro de 2018. O grupo também constrói, ao lado do hotel, um complexo residencial de luxo.

O SBM já havia operado por três anos um pequeno beach club em Abu Dhabi, mas em 2014 desistiu do empreendimento por questões relacionadas ao seu parceiro local. Agora, o plano é abrir franquias (ou licenciamentos) de estabelecimentos como o Café de Paris, o nightclub Jimmy’z e o Buddha-Bar. Também faz parte da estratégia uma expansão no segmento de cassinos, além de conseguir contratos de gerenciamento de hotéis renomados ao redor do mundo.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).