Carreira

6 dicas para melhorar a sua reputação

O escritor e poeta norte-americano Henry Thoreau diz que “o que um homem pensa sobre ele mesmo determina, ou indica, o seu destino”. Na verdade, a visão de uma pessoa sobre ela mesma costuma ser equivocada, especialmente quando comparada ao que as outras pessoas pensam dela.

De fato, ainda que a definição de talento tenha mudado ao longo dos séculos e não mais corresponda a títulos e conhecimento formais, mas à inteligência no geral, potencial de aprendizagem e habilidade com pessoas, o fato é que a carreira e o sucesso de alguém dependem da visão que os outros têm dele. Em outras palavras: a reputação é muito importante.

LEIA TAMBÉM: 6 sinais de que suas relações de trabalho não estão indo bem

Ainda assim, a maioria das pessoas é negligente em relação a sua notoriedade. Exemplos disso são o comportamento online descuidado, que inclui exagero e superexposição nas redes sociais, e a ignorância em relação à privacidade do que é publicado. Muita gente parece não entender que as fotos postadas ficam disponíveis para quem quiser ver – incluindo recrutadores, chefes e potenciais parceiros românticos.

No entanto, a reputação da maioria das pessoas ainda é determinada principalmente por suas ações offline. De performances profissionais importantes – como entrevistas de emprego, apresentações a clientes e grandes projetos de trabalho – a questões do dia a dia – como o modo de trabalhar, relaxar e interagir com os outros – são ações que formam a reputação, que é o modelo da personalidade de alguém que os outros usam para entender seus hábitos.

MAIS DICAS: Por que a sua organização precisa que você fique atento ao seu ego

Quando estes “outros” são indivíduos com poder e influência suficientes para afetar o futuro de alguém, é quase irrelevante se eles estão certos sobre o que pensam de nós. Isso pode funcionar a nosso favor, quando eles têm uma impressão além do que realmente somos; ou contra nós, quando nosso talento é subestimado. Ainda assim, o homem tende a analisar a validade das opiniões dos outros sobre ele com base na similaridade com as suas próprias opiniões, como se a sua visão fosse o parâmetro da sua reputação. Essa abordagem egocêntrica para entender quem somos é uma tentativa inconsciente de manter um conceito positivo de nós mesmos, com o prejuízo de perder a correspondência com a realidade. Isso leva a visões narcisistas e iludidas.

Veja, na galeria de fotos, seis coisas difíceis que você precisa entender sobre a sua reputação:

  • Aceite que a sua reputação não é a que você pensa

    A maioria das pessoas não têm ciência da sua reputação porque não presta atenção no que os outros pensam sobre elas. Funcionários e líderes de alta performance tendem a conhecer melhor sua reputação, o que sugere que vale a pena ouvir o que os outros acham de você. Historicamente, tende-se a pensar em autoconhecimento como uma forma de introspecção profunda em uma busca metafísica para revelar o nosso verdadeiro eu. Uma visão mais pragmática, no entanto, definiria autoconhecimento como a habilidade de entender como os outros nos veem. Em outras palavras, ter autoconhecimento significa saber como você afeta os outros, o que torna a autoconsciência mais interpessoal do que intrapessoal.

  • Interesse-se em descobrir o que os outros pensam de você

    A maioria das pessoas tem interesse apenas parcial em sua reputação – elas adoram ouvir sobre o seu lado positivo, mas tendem a ignorar o lado negativo. De fato, a capacidade humana para a auto-ilusão é ímpar. O cérebro parece ser equipado com um mecanismo de fábrica para filtrar fatos desagradáveis sobre nós mesmos e, ao mesmo tempo, exagerar até o elogio mais sutil: nós somos a nossa melhor máquina de propaganda, mas apenas porque somos também a nossa principal audiência. É por isso que somos tão relutantes em buscar feedbacks de pessoas que nos criticam. E é por isso, também, que adoramos passar tempo com amigos, família e colegas de trabalho mais próximos: eles validam nossas visões de nós mesmos ao apoiar uma versão positiva da nossa reputação. Isso não significa, necessariamente, que eles estão sendo genuínos, mas sim que gostam o suficiente de nós para fingir que somos incríveis.

  • Entenda que mudanças são demoradas

    A reputação é definida rapidamente, mas leva muito tempo e esforço para ser alterada. Um exemplo é o caso de Bill Gates, que foi excepcionalmente eficiente em reformular sua reputação ao longo dos anos. Ele começou sua carreira meteórica como um dos primeiros casos famosos de um geek que se tornou empreendedor. Essa imagem inocente rapidamente se transformou na de um impiedoso titã dos negócios, capaz de qualquer tipo de tática para bater seus concorrentes e preservar um monopólio que o transformou no homem mais rico do mundo. Infeliz com essa reputação, na última década Gates se empenhou em limpar sua imagem negativa. Tornar-se o maior filantropo do mundo, no entanto, não é suficiente para apagar as cicatrizes. Seguindo essa mesma lógica, organizações pagam um alto preço por seus fiascos de relações públicas, pois nenhuma quantia de responsabilidade social ou trabalho de caridade é suficiente para cobrir comportamentos inapropriados do passado. No entanto, ao mesmo tempo em que é difícil mudar uma reputação ruim, até mesmo a melhor reputação pode ser arruinada em um piscar de olhos. Como disse Warren Buffett, “leva 20 anos para construir uma reputação e cinco minutos para arruiná-la. Se você pensar sobre isso, fará as coisas de maneira diferente”.

  • Entenda que a reputação é a melhor maneira de medir seu talento

    Reputação é a medida do talento. Com exceção de uma minoria que pode ser precisamente descrita como pérolas escondidas ou talentos subestimados, as pessoas costumam ter menos talento do que pensam. Então, a reputação é a medida definitiva do talento, assim como o maior limitador de potencial. A boa notícia é que ter ciência da sua reputação o ajudará a aproveitar o seu potencial. Basta encontrar o nicho de carreira certo, capaz de transformar sua reputação em um bem. A notoriedade é, predominantemente, um reflexo da personalidade, enquanto o talento é a personalidade no lugar certo. Encontrar um emprego que se encaixe nos hábitos naturais e nas tendências comportamentais preferidas (e que exija as qualidades que as outras pessoas pensam que você tem) aumentará as chances de sucesso.

  • Use a tecnologia a seu favor

    Uma das consequências positivas de viver em uma economia de reputação é que, agora, é mais fácil do que nunca descobrir o que os outros pensam sobre nós. Emails e outras formas de comunicação tornam quase indolor pedir feedbacks críticos, especialmente se comparado a conversas ao vivo. Uma busca rápida no Google revela os principais fragmentos de sua pessoa pública, que é precisamente o que os outros vão acessar quando estiverem tentando decifrar a sua reputação. Finalmente, se você for um usuário ativo das redes sociais, será capaz de receber feedbacks em tudo o que postar e disser online, ainda que a maioria desses comentários negativos seja suprimido ou disfarçado. Não é surpresa que os algoritmos possam traduzir a atividade no Facebook em um perfil de personalidade.

  • Escolha bem seus mentores

    No entanto, muitas vezes não é necessário nem recorrer à tecnologia para entender a nossa reputação. Na verdade, não há jeito melhor de conhecê-la do que pedir que especialistas da sua área lhe dêem feedbacks honestos sobre suas conquistas. Ou pedir que colegas de trabalho inteligentes e críticos digam quais são as suas principais forças e fraquezas. Portanto, o melhor mentor é alguém que monitore cuidadosamente a nossa reputação e nos ajude a trabalhá-la para refletir a melhor versão possível de nós.

Aceite que a sua reputação não é a que você pensa

A maioria das pessoas não têm ciência da sua reputação porque não presta atenção no que os outros pensam sobre elas. Funcionários e líderes de alta performance tendem a conhecer melhor sua reputação, o que sugere que vale a pena ouvir o que os outros acham de você. Historicamente, tende-se a pensar em autoconhecimento como uma forma de introspecção profunda em uma busca metafísica para revelar o nosso verdadeiro eu. Uma visão mais pragmática, no entanto, definiria autoconhecimento como a habilidade de entender como os outros nos veem. Em outras palavras, ter autoconhecimento significa saber como você afeta os outros, o que torna a autoconsciência mais interpessoal do que intrapessoal.

Comentários
Topo