Fotos

5 vinícolas italianas que você precisa conhecer

Poucos países podem competir com o variado número de uvas e tipos de vinho produzidos nas 20 regiões da Itália. Uma península longa em formato de bota, o país tem bebidas que vão dos brancos frescos influenciados pelo clima continental aos tintos quentes e encorpados encontrados no sul.

VEJA TAMBÉM: O melhor vinho tinto que você, provavelmente, ainda não experimentou

As vinícolas italianas, como grupo, não trabalham em harmonia, e o resultado é que a mensagem transmitida, até mesmo de regiões conhecidas como a Toscana, é confusa. Assim, pode ser difícil diferenciar um Brunello di Montalcino de um Vino Nobile di Montepulciano, ambos vinhos toscanos premium.

Em meio a esse caos semi-organizado, há pérolas escondidas, heróis anônimos e variedades subestimadas. Vinícolas italianas são raramente grandes em tamanho – a maioria se parece com as propriedades de Borgonha ou do norte de Rhone – e produzem apenas centenas de garrafas, em vez de dezenas de milhares.

Veja, na galeria de fotos, 5 vinhos pouco conhecidos que combinam as melhores características de sua distinta herança italiana e representam um ótimo custo benefício:

  • Tenute Cisa Asinari Dei Marchesi di Gresy, Barbaresco, Piemonte

    As vinícolas são parte de uma propriedade histórica que está na família di Gresy desde 1797. Mas, apesar do tempo de existência, a marca é relativamente nova. Em 1973, o carismático Alberto di Gresy decidiu produzir e engarrafar seus próprios vinhos sob o rótulo da família em vez de vender as uvas a outros produtores. Por meio de métodos tradicionais de vinificação, os vinhos di Gresy são sempre sedosos e belamente sobrepostos, especialmente os Barbarescos, divididos em três safras – Camp Gros Martinenga, Gaiun Martinenga e Martinenga. Seus elegantes e aromáticos Barbarescos com tanino suave são imperdíveis.

  • Isole e Olena, Chianti Classico, Toscana

    Dirigida por Paolo De Marchi desde 1976, essa é uma propriedade familiar que foi estabelecida na década de 1960. Os incríveis vinhos com base de Sangiovese feitos lá por De Marchi estão se tornando cada vez mais conhecidos ao redor do mundo por sua delicadeza, equilíbrio e pureza. Os 45 hectares de vinícolas, situados entre 350 metros e 450 metros acima do nível do mar, produzem Chiantis impressionantemente elegantes. Além de seu vinho top de linha, o Cepparello, um Sangiovese puro, também vale a pena experimentar o Syrah de alta altitude e o Cabernet Sauvignon.

  • Tenuta di Biserno, Alta Maremma, Bolgheri, Toscana

    O fundador dessa vinícola muito jovem, Lodovico Antinori, é uma lenda viva como pioneiro na região de Bolgheri. O local de 90 hectares é uma colaboração entre ele e seu irmão Piero, que está no comando do império Antinori. Lodovico fundou a vinícola Ornellaia na década de 1980 inspirado no sucesso do Sassicaia, criado por seu primo Nicolo Incisa, e do Solaia, do irmão Piero. O Biserno, um vinho toscano moderno feito com variedades de Bordeaux, é um aceno ao Cheval Blanc – é incrivelmente intenso e poderoso e tem um grande potencial para envelhecimento. A recomendação é experimentar o Il Pino di Biserno, uma versão mais acessível do Biserno.

  • Bisol, Valdobbiadene, Vêneto

    A família Bisol tem produzido vinhos há cerca de 500 anos e controla 177 hectares de vinícolas espalhadas pelas íngremes colinas de Valdobbiadene. Em 2014, o grupo Lunelli adquiriu uma participação de 50% da Bisol. Recentemente, o Prosecco se tornou o vinho frisante mais consumido em muitos mercados do mundo. Boas opções são os Proseccos “Cru” da Bisol, que englobam Proseccos diferentes e também os que seguem o método tradicional de Champagne. Os melhores vinhos frisantes da Bisol têm sabores maravilhosos e refrescantes e uma profundidade sutil e sobreposta.

  • Planeta, Sicília

    Essa é uma das vinícolas mais bem-sucedidas e com maior foco em qualidade da Sicília. Fundada por três primos, Alessio, Francesca e Santi Planeta, o empreendimento começou a produzir apenas em meados da década de 1980. Agora, suas operações estão espalhadas pela Sicília, incluindo um local no Etna, a 870 metros acima do nível do mar, onde o solo é rico em areia negra de lava e minerais. Seu Nero d’Avola, mistura de Cabernet e Syrah, assim como o Carricante com aspecto de minerais, são dignos de serem provados. Os brancos também apresentam ótimo valor – experimente o Cometa, feito da variedade Fiano ou o vibrante Chardonnay.

Tenute Cisa Asinari Dei Marchesi di Gresy, Barbaresco, Piemonte

As vinícolas são parte de uma propriedade histórica que está na família di Gresy desde 1797. Mas, apesar do tempo de existência, a marca é relativamente nova. Em 1973, o carismático Alberto di Gresy decidiu produzir e engarrafar seus próprios vinhos sob o rótulo da família em vez de vender as uvas a outros produtores. Por meio de métodos tradicionais de vinificação, os vinhos di Gresy são sempre sedosos e belamente sobrepostos, especialmente os Barbarescos, divididos em três safras – Camp Gros Martinenga, Gaiun Martinenga e Martinenga. Seus elegantes e aromáticos Barbarescos com tanino suave são imperdíveis.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).

Comentários
Topo